19 resultados

Técnica das Portas

Procurar

A Técnica das Portas serve para prolongar e controlar a experiência do sonho lúcido. As portas podem ser uma das mais poderosas ferramentas da consciência. Sempre serão um dos maiores símbolos de passagem de um ambiente para outro. E na estrutura mental dos sonhos lúcidos, parecem ganhar uma dinâmica toda especial, na intima relação entre desejo x inconsciente.

Abrir uma porta no Sonho Lúcido, pode trazer um processo fascinante, com referência ao estado desperto. Também irá nos levar a um novo ambiente. Ao desejarmos algo em especial, podemos realizar uma equilibrada troca com o inconsciente: oferecemos um desejo honesto, ele nos retorna uma criação em cima disso.

Chamo de Técnica das Portas, uma das ferramentas mais eficientes – ao menos para mim – de interferência no sonho. Ideal para quem deseja prolongar o sonho, fazer aparecer alguém, um objeto ou cenário. Abordei algumas vezes sua utilidade e agora me atenho em sua aplicação detalhada.

Cabe destacar, a existência de uma grande diferença entre “controlar um sonho” e ficar consciente nele. Isso é constantemente debatido em nosso Fórum e Grupo sobre Sonhos Lúcidos. Aqui no site, alguns textos tratam disso, especificamente sobre essas diferenças. A conclusão mais comum – incluindo a de Stephen LaBerge é de que o esforço de tentativa de “controle do sonho” é inversamente proporcional a sua duração. Em poucas palavras: tente forçar o controle do seu sonho e você acordará mais rápido.

No livro Sonhos Lúcidos, de Stephen LaBerge, verificamos alertas do autor sobre evitar querer controlar os sonhos, quando ficamos conscientes.

Fica claro que não se deve ter como objetivo controlar o sonho. Trata-se de um erro mais comum para aquele que ainda não compreende que sonho lúcido é apenas estar consciente no sonho. Somos intrusos, munidos de nossa consciência, no estado mental dos sonhos. E é preciso que se respeite de maneira adequada essa estrutura. O Reino do Inconsciente.

Em situações nas quais eu desejo realizar algum experimento, brincadeira ou desafio, normalmente eu uso alguma porta ou estico meu braço para trás de outros objetos, desejando MUITO encontrar o que quero. Nunca deixou de funcionar.

No caso das portas, elas parecem funcionar como algo totalmente relacionado com o inconsciente. Eu não desejo coisa alguma em pormenores. Apenas alguém ou alguma coisa. Uma idéia de algo, mas destituída de detalhes.



Caso nos seus sonhos, sejam frequentes a presença de casas, aproveite a oportunidade para se utilizar de suas portas. Na imagem, uma antiga casa em que morei na minha infância.

 

Saber Desejar é a Chave

Num sonho lúcido recente, eu brinquei – participando de um Desafio Lúcido, com outros sonhadores lúcidos – de procurar uma Lâmpada Mágica, estilo Alladin.

No sonho, ao avistar uma cantina, percebi alguns objetos por ali e lancei minha mão sobre os artefatos, tateando, sem olhar diretamente e DESEJEI intensamente que a lâmpada do gênio fosse encontrada.

Gosto de lembrar sempre que os nossos sonhos são produtos do inconsciente. Temos que mentalizar, rebolar ou dançar nessa margem. Esqueça querer controlar algo diretamente. DESEJE algo mais ou menos desse jeito que tenho feito e deixe o Inconsciente ou a narrativa automática do sonho desenrolar o nó para você. É como se o inconsciente precisasse de espaço para aflorar toda sua força criativa. Devemos então, trabalhar nesse limiar entre o desejo consciente e criação inconsciente.

      Usando a Técnica das Portas

“(…)Nesse momento me esforcei para lembrar o que havia planejado no Estado Desperto. Lembrei que eu tinha pensando em saber a resposta do meu inconsciente sobre “qual seria a Mulher Ideal para mim”.  Adentrei mais para o fundo da casa e abri uma porta mas nada encontrei… era um recinto vazio… e pensei… bom, vou fazer de um jeito um pouco mais desejável… de maneira mais visceral eu desejei muito encontrar minha mulher ideal.

Abri a mesma porta agora lá de dentro daquele recinto onde seu estava, estiquei minha mão para que a minha mulher ideal a tomasse e… desejando intensamente que essa fosse minha mulher ideal…  eis que surgiu uma mulher loira, de cabelo curto, pele clarinha e sedosa a qual acariciei com minha mão. E com vibrantes olhos escuros ela me fitava!…”

Parece existir uma forte relação, muito íntima entre portas e o inconsciente. Quando pensamos em portas no estado desperto, visualizamos uma passagem, para algo que está encoberto. Ao abrí-la, podemos acessar todo seu conteúdo. É uma analogia cabal com o inconsciente que permanece normalmente inacessível quando estamos acordados. Mas que nos sonhos, domina toda nossa estrutura mental. A presença da porta, nos permite bater um carimbo, sobre o que visceralmente estamos desejando. Nada que vá violentar o que o inconsciente está naturalmente nos trazendo.

Referência Bibliográfica:

LABERGE, Stephen. Sonhos Lúcidos. 1985
Ed. Siciliano Livros, Jornais e Revistas Ltda. 1990(esgotada)

As portas indubitavelmente merecem uma atenção especial. Há uma porta que tenho em casa que é um bocado dura e chega a fazer um pequeno estrondo (se é que existe um estrondo pequeno) ao abrir. 
Algumas vezes brinco, num jogo de imaginação rápido, no qual eu imagino estar dentro de um sonho. O esquema é o seguinte: abro a porta, estendo o braço e acendo a luz lá dentro. Fecho a porta e apago todas as luzes de fora. Dou uns passos para trás na escuridão e me volto novamente para ela, mesmo sem visualizar ela direito e me concentro na sensação do TATO com a maçaneta. E imagino que ao abri-la, o cenário vai estar bem iluminado! Imagino também o ambiente que irei encontrar, nesse caso, o ambiente que está ali que irei ver na realidade, fechando exatamente com o que imaginei.



As portas podem servir para prolongar os sonhos, alterar cenários ou criar personagens.

O que eu quero destacar na verdade, é sobre a maneira surpreendente como as portas estão funcionando cada vez melhor, de modo mais eficiente para mim. Gostaria muito de saber se mais algum sonhador lúcido que esteja experimentando essa idéia, também está conseguindo resultados tão bons. Ela não é novidade para mim, mas fazendo uma análise sobre meus melhores sonhos lúcidos, pude verificar a forte presença delas. Agora resolvi focar meus experimentos com essas portas. São várias vantagens utilizando apenas uma ferramenta!

Os efeitos que tenho conseguido, são os seguintes:

.
– tornar o sonho mais vívido, intenso ou brilhante..
.
manipular ou controlar o cenário de acordo com os meus desejos.
.
prolongar a duração do sonho lúcido.

.
     Apesar de parecer pretensioso, sou capaz de apostar que pode se tornar uma das técnicas de controle dos sonhos lúcidos mais eficientes.

Talvez exista um elo muito forte entre o que as portas representam subjetivamente e os nossos desejos. Pelo menos para mim, tenho notado que isso parece acontecer.
       Digo isso porque a técnica do rodopio do Stephen LaBerge não tem surtido efeito para mim. Normalmente eu fico girando em camera lenta! kkkkkkkk  apesar disso, o rodopio deve ser tentado, uma vez que é uma técnica tão bem divulgada por LaBerge e boa parte dos sonhadores lúcidos.
      Esfregar as mãos por outro lado na esmagadora maioria das vezes ajudou por pouco tempo. Talvez, como muitas outras técnicas particulares os efeitos positivos acabem acontecendo mais por causa das características subjetivas que a idéia das portas me trazem… mas acho q é interessante difundir o que ocorre:
https://www.sonhoslucidos.com/2011/03/supersonho-lucido-ii-controlando.html

Experimente várias técnicas: esfregar as mãos, rodopiar, abrir portas… uma delas será mais compatível para você.
                Como já comentei em um post anterior, eu costumo sonhar frequentemente com casas. Invariavelmente sonhar com casas, vai possibilitar o aparecimento de portas. E uma vez com as portas na minha frente, essas experimentações não poderiam ser evitadas. Parece-me que houve uma percepção mais intensa no grau de controle que posso aplicar nos meus sonhos lúcidos. Aguardo as experimentações dos companheiros e companheiras onironautas para trocarmos mais idéias.

 
  Tentar se manter lúcido durante um sonho é algo comparável a extrair o prazer de uma onda do mar, surfando e fazendo manobras, sem ser abandonado por ela.

Sonhadores lúcidos se divertindo em seus sonhos, podem ser comparados aos surfistas com suas ondas.  Deve existir uma compreensão da maneira como o sonho precisa seguir o seu fluxo e as possibilidades que existem para serem exploradas. Na imagem, cena do filme Blue Crush.

  É importante entender que tentar controlar o sonho na força, impondo diretamente nossa vontade sobre tudo, invariavelmente resultará num despertar prematuro. Trata-se de um erro bem rotineiro para aquele que se descobre consciente num sonho nas primeiras vezes.

   O grande macete está em compreender a necessidade de existir um fluxo natural do sonho. Podemos sim manter nossa consciência, aproveitando a estrutura natural do sonho que nos é oferecida pelo subconsciente. A vantagem disso será a chance de um sonho lúcido bem prolongado, com muito mais oportunidades de exploração desse fabuloso estado mental.

   Para conseguir isso eu sempre recomendo ferramentas especiais como a utilização de portas, baús, buracos e rodopios. São técnicas de controle indireto em que nossa vontade atua por meio de desejos, usando o que narrativa natural do sonho vai oferecendo.

Usufruir dos prazeres de ficar consciente nos sonhos ou das fantásticas possibilidades de explorar esse estado mental, pode requerer um pouco de sutileza e técnicas simples. Na imagem, o Dr. Estranho e sua aprendiz/namorada, a linda Clea.

   O uso das portas por exemplo, surgiu como uma técnica natural de manipulação pra mim. A presença de casas é tão recorrente que logo me flagrei conseguindo realizar praticamente todos os meus desejos, fosse de apenas prolongar um sonho, encontrar alguém ou algo. Mas reparem que não preciso exercer qualquer grande esforço sobre a narrativa do sonho que é oferecida.

   Eu apenas procuro uma porta e encontro. Como normalmente eu vou estar próximo de alguma casa ou edifício, isso fica fácil de realizar. E principalmente sem bater de frente com o fluxo natural do sonho. Digamos que eu apenas provoco um ligeiro desvio…! Talvez como um pacto que o surfista vai desenvolvendo ao ir aprendendo a natureza da onda, quanto mais conhecermos essa estrutura do sonho, melhor vamos conseguindo aproveitar o que é oferecido. Por vezes, transcender.

O desafio que proponho é mesclar a consciência a narrativa natural do sonho.  Conseguir manter o núcleo da consciência intacto através de intervenções apenas pontuais, utilizando principalmente certas técnicas de controle. Na imagem, desenho de John Buscema, com um dos personagens da Marvel que mais gosto: o Surfista Prateado. A saga é Dia do Julgamento.

 

 

 

Fazia muito tempo que não conseguia mais ter um sonho lúcido. Dessa vez fui surpreendido como um belo presente de aniversário.

O sonho se passava dentro de uma casa. Eu caminhava pela sala e tive aquela sensação arrebatadora de que tudo não passava de sonho. Foi quando tudo começou a perder a nitidez e escurecer.

Lembrei da técnica das portas. Pensei em me virar, encontrar uma porta, abrir ela e do outro lado estaria tudo nitido novamente. E aconteceu exatamente assim.

Tudo ficara mais nítido. E decidi repetir a experiência em outra porta e desejei que tudo ficasse maravilhosamente brilhante. E o novo recinto reluzia. Decidi esfregar as mãos. Fui para outra porta. Pouco tempo depois acordei com muita vontade de ir ao banheiro. ;P

Existe uma técnica especial para prolongar a experiência do sonho lúcido. É bastante frustrante despertarmos com a memória que ficamos conscientes no sonho, porém sem êxito em prolongar a experiência. Para evitar esse pequeno drama, vale ressaltar algumas ferramentas que ao menos para mim,  vem apresentado uma grande eficiência.

      A primeira, em ordem de importância, destaco como a Técnica das Portas ¹.  Principalmente porque ela lhe servirá não apenas para dar continuidade ao sonho que começa a querer desmoronar, mas pela serventia como instrumento de manipulação/controle indireto do ambiente. Detalhes dessa técnica podem ser encontrados “aqui”.

porta

Em segundo lugar, funcionando como um grande fio condutor, talvez a verdadeira estrutura de sustentação da continuidade e qualidade do sonho: O Propósito ² . Quando planejamos algo que temos a sincera intenção de realizar, carregando uma carga emotiva ou um forte desejo em ver acontecer, nossas chances de permanecer por mais tempo no sonho ganham mais força.

Finalmente, a qualidade do sono pode acabar comprometendo toda experiência. Não seria errado primar pela qualidade do sono acima dos fatores anteriores. É possível ficar consciente, mesmo com um sono ruim, porém nossas chances de indução vão piorando na medida em que os ciclos e as fases do sono, começam a ser comprometidas por noites mal dormidas. As melhores chances de atingir a lucidez ocorrem nas últimas fases do sono ou como são denominadas, Fases REM Tardias.

Referências

1 – Técnica das Portas

2 – Propósito  – STUMBRYS, Tadas e outros. Induction of lucid dreams: A systematic review of evidence. 2012. Conciouness and Cognition 21.

3 – Fases Rem  – NEUROCIÊNCIA da Mente e do Comportamento. LENT, Roberto(Coordenador).
Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.

  A experiência tátil no sonho parece representar um valor interessante nas ocorrências de sonhos lúcidos. É possível encontrar dentre as técnicas de prolongamento do sonho, o ato de “esfregar as mãos”.  Particularmente, prefiro me utilizar da minha Técnica das Portas, embora já tenha realizado alguns experimentos com a fricção das palmas, buscando protelar o fim do sonho.
Imagem do excelente filme Duna, baseado na obra-prima de Frank Herbert. Na cena, os guerreiros Fremen Fedaykin usam as mãos para marcar seus uniformes.
   O relato a seguir, vem de dois sonhos recentes que tive, utilizando-me do tato, como uma maneira de me manter firme, até o sonho terminar de se formar. Trata-se daqueles momentos que antecedem a estruturação do sonho. A aplicação da Técnica Tátil pode ser lida no texto anterior ou aqui.
Desafio: como meu inconsciente representaria para mim uma inteligência com 1 bilhão de anos?

“Lembrei de uma última conversa com a Lúcia(minha noiva), sobre como seria encontrar um ser vivo, com inteligência desenvolvida por um bilhão de anos. Dentro da casa, recordei que tinha planejado encontrar num próximo sonho lúcido, um ser que tivesse um bilhão de anos.

    Abri portas procurando e me deparei com uma sombra ou uma figura negra, totalmente escura que rapidamente desapareceu.
A Técnica das Portas é um ferramenta que criei e permanece de grande eficiência para mim. Serve para prolongar a experiência do sonho lúcido, adentrar num ambiente mais claro(quando o sonho começa a desabar), encontrar certos cenários, objetos ou pessoas.
      Segui atrás e encontrei uma senhora de costas, cabelo um pouco Chanel e castanho claro. Perguntei se seria possível ser alguém com um bilhão de anos ou daquela civilização com tanta idade. Respondeu-me com um leve sorriso. Depois dali prossegui pela casa encontrei uma mãe e uma criança. Cheguei a me questionar se seria outra representação desse desafio, já produzindo outro resultado e continuei me aproximando. Dei uma olhada e segui para fora.
    Lembrei de outra coisa que queria fazer faz tempo que era correr descalço sobre a grama. E logo encontrei, um gramado que beirava a rua. Corri sentindo a grama sob meus pés e relembrei a sensação, saltei quando ela acabava e brinquei um bocado assim. Tive vários falsos despertar, mas voltava consciente no sonho.
    Em outro no inicio deles, eu senti a parede com trepadeiras nas minhas mãos. Fiz um personagem do sonho levitar e puxei ele como em telecinese até perto de mim.
      Na minha conversa com o ser de um bilhão de anos, construído pelo meu inconsciente, bati um papo sobre o mundo, minha identidade e afins…
      Por fim, alcei voo muito feliz com as possibilidades sobre grandes prédios.”
Neo voando sobre entre prédios em Matrix Reloaded. Um dos filmes que mais assisti ;D
      Minha próxima experiência, será sonhar com uma sequencia de memórias específicas de duas décadas atrás. Naquela época fiz uma reflexão de como seria interessante poder reviver o momento que estava passando. Eu estava sentado num banco da escola, fitando o grande corredor vazio. Vou me utilizar da técnica de indução MILD e recursos como Diário de Sonhos, Reality Checks das mãos. O tato acredito que será bem importante, como foi nesse último relato. Até lá!