Author

admin

Browsing

Essa noite eu tive um sonho lúcido ou não? À primeira vista pode parecer uma questão simples. Contudo, gosto dessa dúvida porque ela sempre será recorrente se você é um interessado no tema dos sonhos lúcidos. Por isso… é possível ter um sonho lúcido e não lembrar dele? Ou “se você não lembra se ficou lúcido, você não ficou”.

Memória

Primeiramente, reparem nas duas últimas frases. Desse modo, já é possível notar a presença de uma palavra em especial: “lembrar”. Sendo assim, por maior que seja o grau de lucidez que você atinja no seu sonho lúcido, sempre estará sujeito a sua capacidade de recordação ou como anda sua memória referente aos sonhos. Por outro lado, também será importante dar boa atenção para a qualidade do sono. Afinal, uma qualidade ruim de sono, sempre poderá comprometer suas lembranças oníricas.

Além disso, existe um fator químico importante para dar atenção, por ser capaz de interferir na retenção da memória dos sonhos, especificamente na região do hipocampo: a noradrenalina. Por isso é importante saber que ela é responsável pela nossa capacidade de prestar a atenção. Mas durante a fase REM do sono será muito baixa e ao despertarmos, seremos inundados por essa substância, transferindo nossa atenção aos novos eventos do estado desperto.

Formas de Despertar

Por outro lado e referente a capacidade de recordação do sonho, a maneira como despertamos, também pode interferir o quanto conseguiremos lembrar do que sonhamos. Dessa maneira, os resultados com voluntários em laboratórios do sono, conforme destaca Hobson[1], apresentam um percentual de 95% de sonhos relatados, sempre que essas pessoas foram acordadas durante a fase REM do sono. Sendo assim, deve-se destacar ser importante não se distanciar do momento em que as experiências oníricas acontecem. Ou seja, quanto mais próximos acordarmos das nossas fases REM do sono, mais chances teremos de reter nossos sonhos na memória ao despertar.

Por isso minha recomendação: sempre que acordar, evite se mexer e imediatamente já comece a recordar o que sonhou e já anote. Nesse sentido, será fundamental manter um bom ritual para acordar; experimente manter um notebook ou algum tipo de ferramenta de anotação bem próximo para que você possa alcançar, com pouco movimento do corpo.

Referências Bibliográficas

[1] HOBSON, A. Dreaming: a very short introduction. New York: Oxford Press Inc. 2005. Kindle Edition. location, 369.

A soneca e o sonho lúcido possuem uma relação bem próxima .Eventualmente desprezadas, além de poder servir para ajudar a compensar uma noite mal dormida, elas também servem para induzir a lucidez nos sonhos. Nesse sentido, algumas técnicas para ter sonhos lúcidos já estão naturalmente adaptadas para essa situação.

Embora as sonecas possam significar um débito de sono em andamento e portanto uma qualidade de sono comprometida, Peter Fenwick sugere que esse momento pode ser aproveitado para ter um sonho lúcido.Uma vez que a soneca signifique sono atrasado, é bem provável que ao dormir você receba rápidos flashes de alucinações. Com efeito, essas imagens são alucinações hipnagógicas e os sonhos se formam muito mais rápido do que no sono comum. Nesse sentido estamos tratando do rebote de fase REM. Por consequência do cérebro tentando compensar o ciclo de sono que foi anteriormente comprometido.

Sugestão de Técnicas

Algumas técnicas de indução de sonho lúcido merecem destaque no momento de uma soneca. Sendo assim, são elas: VILD, FILD e WILD. Em outras palavras, sempre que sentirem que vão tirar uma soneca, aproveitem para praticarem qualquer uma dessas três técnicas. Ao passo que todas três técnicas possuem elementos adequados para quem vai fazer uma jornada rápida de sono.

Sob esse ponto de vista, é importante ressaltar a orientação dada pelo pesquisador do sono, Mathew Walker. De acordo com o neurocientista, as sonecas que buscam compensar o sono atrasado e que sentimos normalmente durante o dia, devem ser evitadas após as 15h.Isso ocorre, de acordo com Walker, em função do prejuízo ao sono posterior que irá ocorrer, caso o sono se prolongue após as três da tarde. Ou seja, evite dormir depois desse horário ou tirar sonecas, para que seu sono noturno não fique prejudicado. Mas aproveite para novas incursões de sonhos lúcidos!

Referências Bibliográficas

Fenwick, P. & Fenwick, E. The Hidden Door: Understanding and Controlling Dreams. Headline. 1998.

WALKER. M. Por que nós dormimos. A nova ciência do sono e do sonho. Rio de Janeiro: Intrínseca. 2018,

Uma vez atingido o objetivo de ter um sonho lúcido, um dos problemas mais recorrentes passa a ser: como ter mais sonhos lúcidos? Nesse sentido, aqui estarão reunidos os fatores mais determinantes para aumentar a frequência da lucidez nos sonhos.

Fatores determinantes

Os fatores determinantes para ter lucidez nos sonhos já foram debatidos num vídeo do Canal Sonhos Lúcidos. Mas sempre é bom relembrar: diário de sonhos, usar uma técnica e a motivação ou propósito.

A princípio esses requisitos defendidos por Stephen LaBerge, devem compor a rotina diária de qualquer candidato a manter frequência boa de sonhos lúcidos. Além disso, quero ressaltar a importância dada pelo neurocientista Sidarta Ribeiro, referente ao despertar mais tardio ou aquela qualidade do sono que te possibilite possuir uma boa qualidade de sono.

Como ter mais sonhos lúcidos

De acordo com o neurocientista brasileiro, em seu livro Oráculo Probabilístico:

1 – Diário de Sonhos; assim sendo, crie esse hábito e o mantenha religiosamente.

2 – Reality Check durante o dia; pergunte-se “Será que estou sonhando?” Desse modo, deve-se aproveitar e olhar para mão, servindo como um bom teste de realidade.

3 – Ter boa qualidade de sono; nesse sentido é crucial conseguir chegar até as últimas fases REM do sono ou as “fases REM tardias”. Pois é nelas que nosso cérebro e mente estarão revigorados, abastecidos de toda carga necessária de neurotransmissores.

Fatores determinantes para ter mais sonhos lúcidos: diário de sonhos, bom sono, uma técnica, motivação.

Conclusão

Como resultado, a reunião dos requisitos sugeridos pelo pioneiro nas pesquisas sobre sonhos lúcidos, Stephen LaBerge, somadas ao fatores elencados por Ribeiro, certamente podem nos beneficiar com um aumento nas chances de ficar consciente nos sonhos. Por fim, o grau de eficiência das técnicas de indução sempre deve ser levado em consideração, como é o caso de técnicas como MILD, WILD, DEILD, FILD, THOLEY, Incubação, entre outras. Assim também como é o caso da técnica Mix, pesquisada por Denholm J.Aspy, pela universidade de Adelaide.

Referências Bibliográficas

1 – Reality Testing and the Mnemonic Induction of Lucid Dreams: Findings From the National Australian Lucid Dream Induction Study (2017) American Psychological Association 2017, Vol. 27, No. 3, 206–231 1053-0797/17/$12.00 http://dx.doi.org/10.1037/drm0000059.

2 – LABERGE, Stephen. Sonhos Lúcidos. 1985 pg. 08   Ed. Siciliano Livros, Jornais e Revistas Ltda. 1990(esgotada)

2 – RIBEIRO, S. O Oráculo da Noite. A História e a Ciência do Sonho. São Paulo: Companhia das Letras. 2019, p.135-140. 

Será que existe um motivo que justifique a causa dos sonhos lúcidos? Por que temos sonhos lúcidos? Primeiramente é necessário um esforço para entender as causas do sonho em si.De antemão já adianto que existem diversas teorias e hipóteses. A natureza do sonho ainda é um grande desafio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Natureza dos sonhos

Uma questão intrigante é bem colocada pelo filósofo Owen J Flanagan, sobre a natureza dos sonhos.Nesse sentido, em seu livro Dream Souls, há diversos trechos que tratam da natureza do sonho e do sonho lúcido. Em especial, seriam eles uma espécie de adaptação evolutiva ou mero acaso da natureza?…

De acordo com Flanagan a hipótese acerca da natureza dos sonhos vai no sentido de um “efeito colateral”, em contrapartida gerado pela atuação do sono e da consciência. Por outro lado, Revonsuo enxerga os sonhos como uma adaptação da evolução humana. Sendo assim, existem algumas das principais teorias que precisam ser citadas:

Sonhos lúcidos possuem raízes na própria explicação sobre a natureza dos sonhos.

Teorias dos sonhos

Teoria da Ativação-Síntese, apresenta o sonho como uma espécie de subproduto das atividades cerebrais, durante o estado do sono.De acordo com os neurocientistas Alan Hobson e Robert McCarley, os criadores dessa teoria, a razão de existência do sonho como um tipo de efeito colateral dessa ativação neural.Sendo assim, nesse modelo, o córtex acabaria construindo o sonho para dar sentido as descargas que recebe.

Sobre a Teoria do Inconsciente, onde os sonhos analisados por Freud possuíam o caráter de manifestação de realização de desejos.Desse modo, desejos ou fantasias, especialmente aquelas não realizadas, tornar-se-iam manifestações através dos sonhos.

A Teoria da Simulação de Perigo, na qual os sonhos serviriam como uma espécie de preparação para enfrentarmos a dura realidade e seus desafios.Assim sendo, nessa teoria criada por Antti Revonsuo – filósofo, neurocientista e psicólogo – estaria melhor compreendido as razões pelas quais ocorrem mais pesadelos, quando estamos mais sujeitos a situações mais difíceis ou ameaçadoras.

No caso dos sonhos lúcidos…

De fato existem diversas outras teorias referentes aos possíveis motivos pelos quais todos sonhamos durante nossas noites de sono e essas são apenas algumas das teses mais defendidas. Todavia com relação aos sonhos lúcidos, as pesquisas apenas começaram…

Por que temos sonhos lúcidos afinal?

Por outro lado Mathew Walker, um neurocientista com vasta experiência no estudo do sono, faz uma sugestão ousada. Assim, para ele é possível que seja uma variação evolutiva da natureza, manifestando-se na nossa espécie. Em conclusão, prossegue afirmando até mesmo algo que seja capaz de propiciar vantagens tão fortes que implicariam em benefícios para algum tipo de seleção natural!…

Por fim Sidarta Ribeiro faz algumas considerações especiais sobre o tema. De acordo com o neurocientista brasileiro, existem elementos já antigos a serem considerados. Como por exemplo se tratar de um tipo de estado mental praticado por tanto tempo por monges tibetanos. Assim como na ioga nidra e no milam, todas as ações e não ações do praticante ocorrem num estado mental de liberdade interna, como no sonho lúcido.

Por que temos sonhos lúcidos ?

Sob o mesmo ponto de vista prossegue Sidarta Ribeiro, argumentando se tratar de um estado mental no qual, o sonho lúcido ocorre, em que as pessoas já estão com seus estoques de neurotransmissores bem recarregados. Nesse meio tempo, passaram-se várias fases REM, o cérebro já pode sonhar mais vigorosamente e está preparado para acordar, e assim, pode ocorrer de acabar despertando para dentro.

Nesse sentido, defende-se o estado do sonho lúcido como um estado dissociado, em que há uma mistura de estados mentais entre o estado de fase REM do sono, com o estado desperto da mente. Como se o corpo ainda estivesse dormindo, ainda sonhando, porém com o nível de consciência equivalente a vigília. Por outro lado, ainda há um debate se é ou não um “estado dissociado“.

Referências Bibliográficas

FLANAGAN, Owen J. Dreaming Souls: Sleep, Dreams, and the Evolution of the Conscious Mind. New York: Oxford University Press, 2000.

LENT, R. Neurociência – Da Mente e do Comportamento. Rio de Janeiro:Guanabara Koogan. 2008, p.272-277.

RIBEIRO, S. O Oráculo da Noite. A História e a Ciência do Sonho. São Paulo: Companhia das Letras. 2019, p.135-140. 

WALKER. M. Por que nós dormimos. A nova ciência do sono e do sonho. Rio de Janeiro: Intrínseca. 2018, p.71. 

A questão se existe ou não perigo em ter sonhos lúcidos, surge com certa frequência entre os interessados pelo tema. A princípio, podemos dizer que perigos físicos não existem. O sonho lúcido apenas se diferencia do sonho comum pela capacidade de percebermos que estamos sonhando. Porém há certas questões que merecem ser debatidas.

Pesadelo lúcido

Fonte da imagem

Mesmo controlando o sonho, podemos nos deparar com nossos piores medos. Estar lúcido pode tornar a experiência ainda mais intensa. A boa noticia, repetimos, é que não se corre risco ou perigo físico… quanto ao psicológico, não podemos garantir o mesmo. Existem casos, principalmente no início da prática, em que a novidade de estar consciente no sonho, provoca reações fortes, e por vezes, carregadas com estranhamento e em outras situações, com medo.

Reações fisiológicas

Fonte da imagem

Acontece que, mesmo durante o sono, o corpo físico pode responder aos estímulos vindos de dentro do sonhos. Afinal, com o sexo não seria diferente e, ao se ter um orgasmo no sonho, o corpo físico responderá ao mesmo, resultando em fluídos… ou não, afinal pelo menos nas experiências em laboratório de sono, esses resultados molhados não ocorreram!…

Paralisia do sono

Fonte da imagem

Em uma minoria de casos, normalmente quando a pessoa já possui um histórico de paralisia do sono, ela de fato pode voltar a acontecer com a prática do sonho lúcido. Entretanto, ela é mais comum de acordo com a técnica que está sendo aplicada. Técnicas que envolvem a indução direta da consciência, a partir do estado desperto para o sonho… atravessando o sono sem perder a consciência até atingir a realidade onírica, como por exemplo: as técnicas WILD, VILD, FILD.

Imagine ver e ouvir coisas surreais e, mesmo após despertado e não poder fazer nada, nem mover um dedinho. A princípio Porém é possível fechar os olhos, se concentrar e voltar para dentro do sonho. Para saber mais sobre a paralisia do A princípio sono acesse nosso post sobre clicando aqui.

CONCLUSÃO

Ainda não existem provas de quaisquer perigos que a a prática do sonho lúcido possa oferecer. Fato é que os monges tibetanos praticam há séculos os sonhos lúcidos sem até hoje registrarem um único prejuízo, seja físico ou mental. E não é a toa, o interesse de pesquiadores por esses experientes praticantes do oriente. O biólogo Francisco Varella e o filósofo da mente Evan Thompson são bons exemplos desse desbravamento. Por fim, vale ressaltar que a prática em si dos sonhos lúcidos não oferece o perigo, mas sim o praticante, caso não se informe adequadamente, poderá é claro incorrer em erros, como por exemplo querer praticar alguma técnica esdrúxula de privação de sonhos… o que sempre é contraindicada.

Uma recomendação especial: caso tenham interesse em alguma página que trate de significado dos sonhos ou algum dicionário do gênero,

recomendo a https://www.segredosdosonho.com.br/

Referencias Bibliograficas

VARELA, F. J., Rosch, E., & Thompson, E. The embodied mind: Cognitive science and human experience. Cambridge, MA: MIT Press, 1993.

THOMPSON, E. Waking, Dreaming, Being: NewLight on the Self and Consciousness from Neuroscience, Meditation, and Philosophy. New York: Columbia University Press, 2014.

Os sonhos lúcidos podem nos oferecer benefícios. Os limites disso apenas começaram a ser estudados. Entre os resultados promissores de pesquisas já realizadas e outras possibilidades promissoras, irei tratar no presente texto.

Benefícios dos Sonhos Lúcidos

Desenvolvimento de Habilidades

Em primeiro lugar, os sonhos lúcidos podem servir para melhora de performance em atividades que envolvam habilidades motoras. Foram conduzidas algumas pesquisas com resultados positivos, na Alemanha, boa parte delas por Daniel Erlacher¹. Desde a década de 80 essa tese já vinha sendo defendida pelo pesquisador alemão, Paul Tholey. Esses experimentos evoluíram consideravelmente nas ultimas décadas.

Prazer

Por outro lado, é inegável o caráter lúdico ou do prazer que o sonho lúcido pode proporcionar. Em outras palavras, mesmo para não praticantes de sonhos lúcidos, o prazer fica explícito como sendo uma das primeiras coisas que podem ser oferecidas no sonho. Seja reencontrando uma pessoa querida, realizar atividades sexuais ou desfrutar de cenários e personagens mirabolantes… o limite para isso sempre será a própria imaginação.

Liberdade

Entrementes, a liberdade que pode ser sentida no sonho lúcido, possui uma qualidade sem comparação. Só para ilustrar, quando estamos acordados, vivemos sob um regime de leis e convenções sociais típicas de uma espécie submetida ao convívio social. E de fato, precisamos desse regramento. Porém nos sonhos, especialmente nos sonhos lúcidos, não existirá qualquer tipo de restrição externa. Por conseguinte, o tipo de liberdade que será sentida ou vivenciada não terá comparação alguma. Uma espécie de liberdade absoluta.

Controle de Pesadelos e Autoconhecimento.

Os sonhos lúcidos podem servir para uma introspecção sem paralelo. No momento em que mergulhamos em um sonho, especialmente quando estamos lúcidos, temos a oportunidade de reconhecer elementos que costumam estar escondidos ou invisíveis durante a vigília (estado desperto). De tal sorte que será corriqueiro nos depararmos com personagens e objetos que nos causarão estranheza, alegria, medo, euforia, entre outros sentimentos… invariavelmente certas situações terão causas em nossas próprias razões de ser. Por qual razão essa criatura abominável continua me atormentando nesse ou aquele sonho?! Por que mesmo lúcido, esse tipo de cenário insiste em aparecer??

Em contraste com certos conceitos de sonhos lúcidos que envolvam necessariamente “controle dos sonhos”, defendo a ideia da concepção de sonho lúcido como “consciência no sonho”. Não apenas a consciência, mas a lucidez em elevado grau. Por isso a possibilidade de compreender melhor o que está se passando em nosso interior, afinal durante um sonho lúcido, estamos mais próximos do que nunca, do que realmente está acontecendo em nossas mentes.

Com relação a questão de controle de pesadelos, também defendo a ideia de que o sonho lúcido não deve ser entendido rasamente como controle obsessivo dos sonhos ou mesmo de pesadelos. Os pesadelos podem servir como uma oportunidade para tentar entender o que está se passando conosco.

Criatividade ou Resolução de Problemas

Durante o estado mental dos sonhos, podemos ter acesso a uma maneira diferente de pensar ou lidar com problemas. Existe uma extensa lista de cientistas que obtiveram benefício para seus estudos, por meio dos sonhos, escritores, poetas, músicos, pintores, inventores, entre outros, os quais se utilizaram dos sonhos para ter suas ideias criativas ou chegar a insights poderosos. Por exemplo o caso de Paul McCartney quando acordou com parte da melodia da música Yesterday. É a música mais regravada de todos os tempos! Elias Howe teve a solução para criação de sua máquina de costura de ponto fixo num sonho. Sua invenção causou uma revolução na indústria têxtil. Mary Shelley com a criação de Frankenstein. A cadeia de benzeno de Kekulé, quando sonhou com as cobras… Mendeleiev quando se esforçava para ordenar a tabela periódica e uma infinidade de outros exemplos.

Pesquisas da Mente

Por fim, os sonhos lúcidos estão sendo utilizados para pesquisas multidisciplinares, envolvendo neurocientistas, psicólogos e filósofos da mente. Procurar entender a natureza dos sonhos, sua finalidade, quais regiões do cérebro estão mais ou menos ativadas nesse estado mental… trata-se de um modelo muito precioso que está fornecendo caminhos instigantes para o estudo da mente, dos sonhos e da consciência.

Referencias Bibliográficas:

1 – Schadlich, M. Erlacher, D. (2018). Practicing sports in lucid dreams – characteristics, effects implications. Current Issues in Sport Science, 3:007. doi: 10.15203/CISS_2018.007