Tag

Psicodelismo

Browsing
    É curioso notar como cada pessoa parece ter uma maneira peculiar de sonhar. Alguns sonhadores lúcidos adentram um psicodelismo desenfreado. Outros podem mergulhar mais vezes em sonhos realistas e com uma simulação impressionante do estado desperto.

Temas ou cenários mais fabulosos podem ser presença mais frequente nos sonhos de alguns…  na imagem o imperdível  Hobbit 2 que estréia 13/12/2013. 🙂

Certos sonhadores lúcidos relatam sonhos repletos de sensações táteis e auditivas… outros um turbilhão visual impressionista… sentidos como o olfato e paladar também podem ser experimentados e recomendo sempre provar o cheiro de uma bela flor ou uma suculenta melancia.

O que dizer da experiência do sonhador lúcido, guitarrista o Felipe(Free-Lipe), capaz de experimentar o que seria para ele o fabuloso “Melhor Mundo Possível”?! Sonho no qual experimentou uma erupção de cores fulgurantes e monumentais que preencheu toda a estrutura do sonho onde estava?!

“Olhei pro céu pra contempla-lo, estava azul e verde *-* coisa linda e indescrítivel!
A criaturinha desapareceu e tive a ideia de tentar criar o melhor cenário possível…apareceu uma grande caixa de ferro em minha frente.Havia logotipos e textos que não lembro nela…abri a caixa e haviam tubos de tinta 😮 uhauhahuuha


Comecei a espalhar tinta pra todos os lados com dois tubos q jogavam tinta azul e cinza metálico (minhas cores favoritas e as cores da minha primeira guitarra). As cores tomaram conta do céu, de tudo ao redor, e até de duas pessoas q estavam ali olhando, me diverti muito…mas acabei acordando.
Essa foi uma das experiências mais proveitosas que tive. 🙂 “

Em momentos como esse gosto de instigar reflexões como… “até onde podemos ir no que se refere a novos experimentos, envolvendo a criatividade nos sonhos?”

Cenas do cotidiano podem ser mais comuns para outros…

Pode-se perceber a facilidade de indução de sonhos lúcidos que boa parte do pessoal da área artística possui. O pessoal
que desenha, pinta, da área musical, poética… e é impressionante como cada um tem essa “Matrix Mental” funcionando da sua própria maneira.

    Claro que que há inúmeras outras variantes, mas é fascinante
perceber como são possíveis essas criações. Todas oriundas das
informações/estímulos da vigília, mas alimentadas fortemente pelo que
somos/fazemos/sentimos.
     Para aqueles com uma estrutura de sonhos mais
fabulosa/imaginativa, seria interessante fazer experimentos na área criativa.
Caso por exemplo se queira criar alguma arte nova. Pode-se desejar abrir uma porta
e encontrar ali dentro a mais nova criação. Já citei aqui no blog inúmeros exemplos de grandes artistas que encontraram inspirações em seus sonhos. Agora, imaginem se esses mesmos artistas pudessem utilizar deliberadamente seus sonhos como estúdio de criação!…

     Para o pessoal com tendência a ter sonhos mais realistas,
sugiro experimentos como revisitar ou recuperar memórias. Tentar voltar a
assistir alguma aula para reforçar o aprendizado ou quem sabe exercitar algum
tipo de modalidade esportiva/atlética como correr, musculação, natação,
ciclismo etc.

Pesquisadores alemães, pela universidade de Frankfurt e Bern, como Daniel Erlarcher e Michael Schredl, já conseguiram resultados surpreendentes relacionados ao aumento de eficiência em atividades de arremesso em alvo…

     Bernard sempre fora um pai e marido exemplar. Um amigo e companheiro daqueles que a gente sabe que pode contar sempre com ele.

     Pai de dois filhos, o menor Vitor, com bastante frequência, não resiste a companhia e aconchego da cama do pai e da mãe.

     Quando em uma manhã Bernard desperta, sente de imediato o filhinho embaixo do seu corpo e salta desesperado da cama. Olha para cama, encontrando Vitor inerte e com o rosto todo roxo, sem esboçar qualquer reação… por mais que Bernard tente estimular o filho, não acontece reação alguma e o pai grita pela esposa, caindo em prantos.

     Vilca, a esposa, chega rapidamente no quarto e encontra o marido inconsolável. Olha para cama… porém não entende o que está acontecendo:

– Amor, pelamordedeus o que houve??

    Em meio as lágrimas Bernard aponta para o Vitor e balbucia que matou o filho acidentalmente, com o peso do corpo, enquanto dormia…

– Olhe de novo! Foi só um pesadelo, ele está bem!

    Bernard olha novamente e mais uma vez encontra o corpinho do filho sem vida. O rosto escuro pela asfixia. Cai em prantos novamente.

    A sequência de eventos se repete por algum tempo até que finalmente, enquanto Bernard está agachado em lágrimas ao pé da cama, sente uma pequena mãozinha tocar seu ombro. Vitor está de pé ao lado dele são e salvo.

    Esse caso aconteceu recentemente com um casal de amigos que não faziam idéia da existência das alucinações hipnagógicas. Já me referi algumas vezes a elas aqui no blog, mas essa história realmente me chocou. E fiz questão de trazer – com os nomes fictícios e autorização do casal.

    É um caso real que ilustra muito bem uma situação em que o corpo está desperto, mas o cérebro ainda está trabalhando em uma fase intermediária entre o sono e a vigília. O corpo está plenamente acordado, mas  a mente ainda está com certa sintonia de sono…

    Bernard comentou comigo: “Márlon, eu acho que agora faço alguma idéia, pelo menos uma amostra, do quanto deve ser difícil para uma mente esquizofrênica se desvencilhar de construtos mentais.”

    Vale ressaltar que esse meu amigo não é praticante de sonhos lúcidos, nem mesmo tem grande interesse pelo tema. Muito menos estava tentando ficar consciente num sonho. A alucinação hipnagógica simplesmente pegou ele completamente desprevenido.

    Sobre a terminologia,  a denominação de alucinação hipnagógica pode ser usada para se referir tanto a alucinação hipnopômpica(ao despertar) como a hipnagógica de fato(ao adormecer). Realmente existe essa classificação, mas a alucinação visual relacionada ao sono é denominada assim ou também, na psiquiatria de alucinação autoscópica.

    No próximo post, irei investigar de maneira aprofundada essas alucinações e também comentarei um caso que aconteceu comigo e outro que presenciei.

Fontes:

http://www2.uol.com.br/vivermente/reportagens/ataques_de_sono_imprimir.html

http://www.boehringer-ingelheim.pt/songhanight/glocario/glos1.htm

http://pt.wikipedia.org/wiki/Alucina%C3%A7%C3%A3o

https://www.sonhoslucidos.com/2011/03/alucinacoes-hipnagogicas-hipnopompicas.html

O que realmente nos faz ficar mais conscientes quando estamos acordados? O que nos desperta do topor de uma rotina que nos engessa ou bitola os nossos pensamentos?

     Quando estamos tentando ficar conscientes nos sonhos, estamos tentando, de certa maneira, superar o fluxo natural do automatismo do subconsciente. Significa superar a narrativa natural do sonho e emergir, conscientes que estamos vivenciando a experiência do sonho.

     Um paralelo com o estado desperto, seria quando saímos de casa rumo ao trabalho e nos surpreendemos, ao chegar com rapidez(não vale em dia de engarrafamento, mas então aproveite e faça um reality checke! rsrs) e mal conseguimos recordar a sequencia de pensamentos que fomos acometidos… como se uma espécie de “automático do subconsciente” assumisse o comando, de modo muito parecido com os sonhos comuns.

     Os reality checks tem por objetivo romper esses automatismos, fazendo a gente se condicionar a pensar com frequencia acerca da realidade que estamos experimentando. “Como eu cheguei aqui?” ou “Estou sonhando ou não?”.

     Reparem como esses testes de realidade, repetindo eles algumas vezes durante o dia, fazem a gente refletir sobre os eventos que vivenciamos. Irão obrigar a uma inspeção da estrutura da realidade. E os sonhos são alvos fáceis frente a um escrutínio mecaniscista….

    Tenho recebido algumas queixas sobre falhas nos reality checks, seja o de olhar para  as mãos ou observar a hora num relógio. De fato, pode mesmo ocorrer de olharmos para as mãos e contemplarmos 5 dedos em cada uma das mãos… mesmo repetindo a técnica em seguida(mais raro). Também a hora no relógio, por vezes, pode aparecer bonitinha e em seguida os números terem mudado sem nos causar estranheza.

    Um boa alternativa é ir migrando de reality check, até encontrar um que seja de maior eficiência, de acordo com uma afinidade própria. Meu caso por exemplo, olhar para as mãos e espelhos.

A melhor maneira de saber qual reality check é mais eficiente para você é por meio da experimentação.

      Voltando a questão, sobre o que realmente impacta no crescimento da consciência, enquanto estamos acordados; poderíamos cogitar que tudo aquilo que nos faz sair da rotina, acabaria por servir de estímulo num enriquecimento dessa lucidez… porém, não qualquer evento, mas algo que nos levasse a reflexões mais apaixonantes…!

      Quem sabe ouvir uma música nova e encantadora? Assistir uma aula genial de filosofia? Conhecer uma pessoa diferente, com uma visão peculiar sobre a vida? Experiências intensas que de modo formidável, poderiam arrancar essa nossa consciência da correria do dia-a-dia.

      Sonhos enfadonhos, sobre coisas corriqueiras podem ser os sonhos mais detestáveis para se anotar num Diário de Sonhos. Mas fica claro que ao experimentarmos viver com mais intensidade, coisas com que temos mais afinidade ou interesse nessa vida, poderemos provocar uma carga maior de sonhos mais radiantes ou com conteúdos mais fabulosos.

Conhecer pessoas interessantes, com visões diferentes e provocantes sobre a vida… escutar uma música nova e fascinante, assistir uma aula genial… são eventos que podem contribuir para o enriquecimento da nossa lucidez. No mínimo podem auxiliar para ter sonhos mais intensos e vívidos… exatamente um reflexo do que estaria acontecendo no estado desperto 😉

      Por fim, vale lembrar que mesmo tendo muita dificuldade pra fugir da rotina, ainda naqueles sonhos bobos que repetem o próprio dia-a-dia, ainda assim, existem ferramentas como o Método de Tholey que se aproveitam disso pra ajudar na indução da consciência.

   Algo que prejudica bastante nossas chances de conseguirmos ficar conscientes nos sonhos é uma noite mal dormida. Como sempre tenho pregado por aqui, qualidade de sono é crucial. Porém existe sim a possibilidade de se aproveitar a rotina mais extenuante, o prejuízo das horas de sono, para aumentar as chances de ter sonhos lúcidos.

Noites mal dormidas não são sinônimo de prejuízo nas chances de ter sonhos lúcidos.

    Métodos como o CAT e as sonecas aplicando o WILD são exemplos bem claros de como tirar proveito de um débito de sono em vigor.

    O fato é que com o sono atrasado, as fases dos ciclos do sono poderão sofrer alterações. Com isso pode acontecer o que é conhecido como “rebote de REM ou ricocheteio de REM.” Os sonhos das fases REM acabam vindo mais rapidamente e é por isso que algumas pessoas estranham quando olham para as tabelas dos ciclos de sono e lembram que não é incomum para elas, fugir daquele padrão. É aquela típica situação quando deitamos e já somos acometidos por um bombardeio de sonhos rápidos e intensos.

O colapso ou irregularidade nas fases dos ciclos do sono podem ser bem aproveitados em algumas técnicas ou métodos de indução, como o CAT, WILD, DEILD…

    Claro que não há o que confundir com os sonhos NREM que também podem ser percebidos, porém esses normalmente serão menos intensos, com imagens menos vívidas, destituídos daquele jorro de imagens fortes ou exuberantes. Nesses costumamos estar com o pensamento mais lógico ativo, em sonhos mais mecanicistas, muitas vezes simulando atividades novas ou recorrentes do cotidiano.

    É interessante lembrar que o débito de sono trará pacotes de sonhos de modo mais intenso e se estamos com o nosso Diário de Sonhos em dia, nossa capacidade de reconhecimento da estrutura do sono(aumentada pelo exercício das anotações no Diário), poderá auxiliar muito para atingirmos a consciência num desses sonhos.

   Recentemente tive num intervalo de 10 dias, três ótimas noites com sonhos lúcidos. Fiz experiências com memórias, supersonhos lúcidos e brinquei com algumas coisas divertidas. O Diário estava mais ou menos em dia(sou bastante preguiçoso nisso), mesmo assim, senti como meu esforço nas anotações foi importante.

   Num próximo post vou buscar me aprofundar no uso de métodos interessantes como o CAT e o DEILD. Em situações típicas envolvendo débitos de sono.

Continuando para a parte final da entrevista com Ryan Hurd, mais 5 perguntas relacionadas com a diferença entre consciência e controle dos sonhos, pesquisas do mundo científico, visão pessoal e experimentos, perspectivas e suas orientações.

Ryan Hurd além da formação de arqueólogo, sonhador lúcido com mestrado e certificação de estudos sobre a consciência pela universidade  de  John F. Kennedy, também é escritor e pesquisador na área.



6) Com relação a controle de sonhos x consciência? Alguns experientes sonhadores lúcidos defendem que existe mais lucidez se existir mais controle… como se o nível de consciência ou lucidez pudesse ser mostrado pelo nível de controle.

Ryan Hurd(RH): Para mim e muitos que usam os sonhos lúcidos como uma prática espiritual, não se trata de controle, mas  em vez disso de uma justa e equilibrada relação com o sonho. Dar e receber, questões e respostas. Controle de sonhos(com isso eu quero dizer manipulação de objetos, transformação e direcionamento de objetos e personagens dos sonhos) isso realmente uma habilidade separada de ser auto-consciente. Eles podem vir juntos é claro, isto é como os sonhos lúcidos vem demonstrando em laboratórios. Mas não é a única maneira de ficar consciente. Ultimamente eu diria que fazer o que você quiser, quando você quiser com quem você quiser soa como uma criança, prestes a ter um ataque gritando – o que não é muito lúcido.

Livro do Ryan sobre Alucinações Hipnagógicas & Visitantes da Noite.

7) Existem experimentos bem excitantes para se fazer nos sonhos lúcidos. Tentar aprimorar habilidades motoras, talvez criar uma melodia, autodesenvolvimento, uma bela pintura, o prazer do sexo, explorar níveis de consciência, memórias… poderia nos dizer algum experimento interessante que você realizou?

RH) Todas essas atividades são saudáveis e caminhos excitantes dos sonhos lúcidos. Eu diria pra seguir seu instinto no sonho, mais do que tentar realizar tarefas que você planejou no estado desperto – porque o nosso sonho é um diferente modo de aprender e pode acessar memórias e realidades que a mente acordada normalmente não tem acesso. Para mim mesmo, uma dos experimentos mais interessantes foi num que eu estava derretendo através de um muro para o chão num sonho, entrando num vazio de escuridão e de lá meditando com desapego até o sonho se reconstruir a minha volta. Foi fascinante observar que cena de sonho viria a seguir e especialmente a forma e natureza do meu próprio corpo de sonho nessas cenas. Em muitos deles, eu emergia voando sobre florestas e rios. Isso foi emocionante. Em outros sonhos eu surgi como uma criança, em uma cena de sonho oriunda da minha própria infância. Esses foram sonhos iluminados que trouxeram oportunidades de interagir com memórias antigas de um passado esquecido.

8) Muitos pesquisadores ao redor do mundo estão fazendo estudos fascinantes. Aqui no Brasil, por exemplo nós temos nomes como Sidarta Ribeiro e Sergio Rolim. Daniel Erlacher e outros pesquisadores fazem progressos, estabelecendo relações entre o treinamento e desenvolvimento de habilidades motoras com os sonhos lúcidos. O que você pensa sobre o(s) próximo(s) mais promissor(es) avanço(s)? Algo como uma superconsciência? Novos mestres como Salvador Dali… ou novos arqueiros como Robin Hood?!

RH) A pesquisa sobre sonho lúcido está realmente decolando agora ao redor do mundo, especialmente na Alemanha e no Reino Unido. O trabalho com os estudos de imagens do cérebro está produzindo grandes efeitos, basicamente fazendo os estudos da consciência mais popular, como a mente lúcida é algo digno de ser estudado de uma perspectiva científica. Eu sei que muitos artistas e compositores tem usado os sonhos lúcidos, assim como pintores e estilistas. Pessoalmente eu estou muito interessado nos estudos sobre pesadelos na paralisia do sono que são um tipo de sonho lúcido. Nesses o sonhador se depara com pesadelos muito vívidos e realistas, eles são mais como visões e eles sempre envolvem fantasmas, ancestrais e outras criaturas mitológicas. Sonhadores lúcidos estão aprendendo que ter auto-compaixão nesses momentos pode realmente transformar a experiência em um saudável encontro com anjos e outros espíritos prestativos. É sobre mudar sua expectativa ou sua sintonia/ressonância se vocês quiser.

Perfil da formação de Ryan Hurd aqui.

9) Quantas horas você costuma dormir? Você acha que qualidade do sono é importante pra atingir a consciência nos sonhos?

RH) Eu sempre fui bem de sono, dormindo entre 7 ate 9 horas por noite. Mas nesses dias, minha esposa e eu estamos com nosso filho, um bebezinho de 7 meses, então nosso sono não está tão bom! Tenho notado que eu ainda tenho muitos sonhos e sonhos lúcidos também, especialmente nas manhã. Dormir bem é crucial – como a privação de sono pode encurtar sua vida – mas ter uma escala polifásica( em que você dorme em pedaços mais curtos, despertando mais vezes) pode ironicamente induzir sonhos lúcidos. A chave é experimentar, mas que esteja claro da necessidade de dormir bem para ter que atravessar o dia. E tire sonecas! Elas são ótimas para sonhos lúcidos, paralisia do sono e para sentir experiências fora do corpo.

10) Em nome de muitos sonhadores lúcidos e outros visitantes interessados no tema que frequentam o www.sonhoslucidos.com eu quero agradecer por suas respostas e por compartilhar suas experiências. Alguns pensamentos que queira colocar ou sugestões para aqueles que estão tomando conhecimento agora sobre a consciência nos sonhos?

RH) Eu gostaria de dizer que leiam o que puderem sobre o tema, especialmente a noite e que fique claro da importância de manter um Diário de Sonhos para aumentar a capacidade de recordação e finalmente tenha certeza de estar num período da sua vida que possa tentar essas atividades, caso contrário os sonhos lúcidos serão difíceis de induzir. Como escritor em meu livro eletrônico Lucid Immersion Guidebook, muitos podem aprender a ter sonhos lúcidos em menos que um mês se forem observados os pre-requisitos, combinados com apenas algumas técnicas de sonhos lúcidos por vez. E ultimamente, tenha paciência. Nós temos toda nossa vida para sonhar.

    É interessante notar nessa área de estudo que apesar de ela ter ganho respaldo perante a comunidade científica, apenas a partir da década de 80, existe um crescimento vertiginoso de uns anos para cá. Algumas grandes universidades e institutos estão direcionando atenções e é divertido saber que cada onironauta, de alguma maneira, pode contribuir na exploração disso tudo.

O que é Real? Não seria a realidade do sonho uma manifestação peculiar da nossa própria realidade mental? Na imagem, poster promocional do filme Total Recall – O Vingador do Futuro, baseado em um conto do espetacular Philip K. Dick.

    Métodos como o MILD, criado por LaBerge ou o Tholey, criado por Paul Tholey, são ferramentas muito preciosas e que devem ser exploradas por todo aquele que deseja se aprofundar nos sonhos lúcidos ou no mínimo aperfeiçoar suas experiências.

    Particularmente eu subestimava o uso desses métodos. Assim como muitas pessoas, com experiências desde a infância, achava que não tinha necessidade de seguir alguma rotina em especial… até que após um longo período sem conseguir ficar consciente nos sonhos, resolvi experimentar o MILD. Daí pra diante foi só alegria e culminou na empolgação dos meus estudos, da filosofia e claro, também desse blog que procuro cuidar com carinho.

Preste atenção em temas recorrentes nos seus sonhos: casas, gatos ou cachorros, mar, montanhas ou fogo… eles podem servir como ferramentas na indução de sonhos lúcidos, como deixa bem claro o método do psicoterapeuta alemão Paul Tholey, no seu método de Tholey.

     O Diário de Sonhos deve fazer parte da sua rotina. Vai fortificar tua capacidade de reconhecer a estrutura da realidade do sonho. É indispensável experimentar. Pelo menos 1 sonho por dia, uns 5 dias da semana, mesmo que comece por curtos fragmentos. Esses fragmentos, invariavelmente vão crescer e em poucos dias se transformarão em grandes narrativas, epopéias com uma grandiloquência surpreendente.

     Os reality checks servem como ótimos suplementos. Por si só não são de grande valia, mas são capazes de dar um empurrãozinho especial quando já estamos fazendo uso de um método e do Diário.

     Por fim, planeje experimentos. Dos mais simples como voar mundo afora, atravessar paredes ou lançar raios… até experiências com memória, criatividade, solução de problemas, aprimoramento de habilidades motoras e quem sabe a própria consciência. Estabeleça um plano e anote ele no Diário. A sensação de ficar consciente no sonho, tentar lembrar o que tinha planejado e resgatar essa memória é fabulosa. Compõe um despertar monumental da consciência, durante o estado mental dos sonhos.

     Mas lembre-se, quanto mais familiarizado com a estrutura da realidade dos sonhos, melhores serão as chances de perceber que está sonhando…! Por isso anote 😉