Tag

Sérgio Rolim

Browsing

Entrevista imperdível com Sérgio Arthuro Mota Rolim, sobre Sono e Sonhos Lúcidos, no Café Filosófico. A entrevista trata de temas como o sono e os sonhos, a consciência nos sonhos ou os sonhos lúcidos, possíveis benefícios e aplicações das pesquisas com sonhos lúcidos, além de outros temas relacionados. Confira:

Outras entrevistas com o Sérgio Rolim, podem ser conferidas nos seguintes links:

https://sonhoslucidos.com/sonhoslucidos/entrevista-com-sergio-rolim-pesquisador/

https://sonhoslucidos.com/sonhoslucidos/entrevistando-o-dr-sergio-rolim-ultimos/

Fonte:
https://www.facebook.com/cafefilosoficotvu/

     Visita ao Instituto do Cérebro, centro de referência brasileiro. Tivemos o privilégio de conhecer de perto as instalações do Instituto do Cérebro – UFRN, em Natal-RN. Trata-se de um centro de pesquisas brasileiro, o qual reúne mentes brilhantes do nosso país e de outras nacionalidades. O Professor Doutor Sérgio Arthuro Mota Rolim, autor de tese “Aspectos Epidemiológicos cognitivo-comportamentais e neurofisiológicos do sonho lúcido”¹, segue conduzindo pesquisas em neurociências e nos apresentou pesquisas em andamento no instituto.
     No bate-papo comentou sobre a recente pesquisa(fora do instituto) com sonhos lúcidos, realizada por Ursula Voss, Allan Hobson e outros, na qual foram induzidos sonhos lúcidos por estímulos elétricos. A pesquisa traz dados curiosos, como a possibilidade de indução da consciência em sonho REM, numa faixa específica de frequência, conhecida como Gama, oscilando entre 25 e 40 Hz. Para Rolim, essa linha de pesquisa ainda deverá se aprofundar, para obtenção de resultados mais sólidos.
     Tivemos a oportunidade de acompanhar uma pesquisa junto ao Hospital Universitário Onofre Lopes, onde o professor Sérgio pesquisa a aplicação de aumento de latência de sono REM e seus efeitos sobre a depressão. No laboratório de sono, acompanhamos o início do sono do paciente-voluntário e tivemos uma mini-aula sobre os registros de atividades neurofisiológicas e o significado dos diversos tipos de frequências cerebrais.
Mini-aula com o professor Sergio Rolim sobre neurofisiologia.
       Com pesquisas desde 2007 sobre sonhos lúcidos, totalizando 13 anos com o sono em geral, Sérgio fez observações fascinantes sobre o tipo de estímulo que acredita ter mais possibilidade de interferência ou ser incorporado no sonho: o som. De acordo com os relatos coletados, em suas pesquisas, verificou ser uma ferramenta, com grande potencial para se trabalhar possíveis frequências de indução de sonhos lúcidos.
       Ainda no Instituto do Cérebro, tivemos a oportunidade de conversar com alguns pesquisadores e presenciar o andamento de pesquisas como na área de neurobiologia celular, biotecnologia, neurofisiologia computacional, neurofeedback entre outros…
Visita ao laboratório, no qual acontecia a pesquisa com neurofeedback.
        Voltamos a conversar sobre a pesquisa realizada por Sérgio Rolim, através de um grande questionário para mais de 4.000 sonhadores lúcidos. Foram 20 questões, relacionando elementos como aspectos desses sonhos, temas recorrentes e fatores determinantes na indução.
       Com a análise dos resultados, descobriu-se a identificação de possíveis elementos que favoreçam a indução da consciência nos sonhos, com destaque em primeiro lugar para a intenção. Isso significaria que adormecer desejando ter o sonho lúcido, pode ser mais determinante do que se imagina. Tal resultado é corroborado por pesquisadores alemães², em que fizeram um levantamento sobre diversas técnicas de indução e a intenção(propósito) ficou com uma pontuação razoável.
Casal de sonhadores lúcidos  que realizou a visita 🙂
           Já ressaltei a importância da indução algumas vezes. Vale relembrar uma boa ideia de sua aplicação:
    – Antes de dormir, procure se imaginar, intensamente, experimentando um sonho ou vivenciando um sonho como se já estivesse nele. Ainda durante esse exercício imaginativo – acordado – reconhecendo que está sonhando.
Fontes:
(1) ROLIM, Sérgio A. M. Aspectos Epidemiologiocos Cognitivos-Comportamentais e Neurofisiológicos dos Sonhos Lúcidos. Tese(Doutorado em Psicobiologia).  – Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal. 2012.
(2) STUMBRYUS, Tadas. ERLARCHER, Daniel. SCHADLICH, Melanie. SCHREDL,Michael Schredl Induction of lucid dreams: A systematic review of evidence. Conciousness and Cognition 28.07.2012 – ELSEVIER.
https://www.sonhoslucidos.com/2012/12/aspectos-socio-demograficos-cognitivo.html
https://www.sonhoslucidos.com/2014/05/proposito-na-inducao-de-sonhos-lucidos.html

   Há alguns anos atrás, comentei sobre uma entrevista¹ do pesquisador Silvio Scarone, da Universidade de Milano, acerca da possibilidade das pesquisas com sonhos lúcidos contribuírem no estudo de certas psicoses. Quero ressaltar a relevância disso mais especificamente para com a esquizofrenia.
Vou me valer da recente tese de doutorado² do Sérgio Rolim, para esclarecer essa magnífica possibilidade.

As pesquisas relacionadas aos mecanismos envolvidos no sonho lúcido talvez possam trazer alguma contribuição no estudo da esquizofrenia. Na imagem, o excelente filme Uma Mente Brilhante.

    De acordo com Freud e Kraepeli , a psicose pode ser compreendida como uma invasão do sonho no estado desperto. O que é o inverso do mecanismo do sonho lúcido, quando temos a invasão da consciência, durante o estado mental dos sonhos.
   Numa experiência com camundongos, com uso de dopamina, resultando num aumento de dopamina na fenda sináptica, verificou-se a fusão do estado mental desperto com o estado de sono REM(ou vigília+SREM).

   Acompanhando essa perspectiva, a esquizofrenia poderia ser identificada como “o sonho durante a vigília”. Enquanto o Sonho Lúcido poderia ser entendida como “a vigília no sonho”. Percebendo-se assim uma clara inversão ou como o Sonho Lúcido inversamente relacionado com a Esquizofrenia.

Sonhador Lúcido sendo submetido ao mapeamento por ressonância magnética, durante  um sonho lúcido.

    Por meio de pesquisas de mapeamento do cérebro, verificou-se que na esquizofrenia há uma atrofia frontal generalizada, sendo que no sonho lúcido se nota uma intensificação da atividade frontal, mais especificamente no córtex pré-frontal dorso-medial – região diretamente ligada a autoconsciência.

    Na medida que forem compreendidos os mecanismos de estabelecimento da consciência, durante o estado mental dos sonhos, talvez novas possibilidades se abram no enfrentamento do seu estado reverso, no caso a esquizofrenia. Recentemente um mapeamento neuroanatômico mais preciso foi conseguido, acompanhando em detalhes o funcionamento do cérebro de sonhadores lúcidos, através do uso de máquinas de ressonância magnética. Essa pesquisa pode ser encontrada aqui.

Fontes:

1 – https://www.sonhoslucidos.com/2011/07/sonhos-lucidos-podem-auxiliar-no.html

http://phys.org/news168024914.html

2 – https://www.sonhoslucidos.com/2012/12/aspectos-socio-demograficos-cognitivo.html

http://www.sigaa.ufrn.br/sigaa/public/programa/defesas.jsf?lc=pt_BR&id=367

    Pesquisadores brasileiros e alemães já apresentaram alguns estudos bem interessantes sobre sonhos lúcidos. Alguns deles, visando identificar se certas pessoas, podem ter mais facilidade que outras, para se tornarem conscientes nos sonhos. A pesquisa brasileira, liderada por Sérgio Rolim, sob supervisão de Sidarta Ribeiro(pela UFRN), foi divulgada recentemente aqui no blog.

Será que existem algum conjunto de fatores psicológicos ou comportamentais que favoreçam a ocorrência de sonhos lúcidos? Na imagem um estudo mapeando o cérebro de um sonhador lúcido, durante o estado mental do sonho lúcido.

     Daniel Erlacher e Michael Schredl, psicólogos Ph.Ds, pesquisaram pelo Instituto Central de Saúde da Mente(Mannheim), a possibilidade de certos tipos de pessoas serem mais propensas, a ter sonhos lúcidos. Essa pesquisa entrevistou detalhadamente mais de 400 pessoas sobre suas experiências com sonhos. Também pesquisou uma série de informações acerca da personalidade do entrevistado.

      Como resultado dessa pesquisa alemã, 82% dos participantes relataram que pelo menos uma vez em suas vidas, haviam conseguido ficar conscientes em seus sonhos e um terço vivenciava essas experiências com frequência.

      Não ficou claro alguma relação especial entre as ocorrências de sonhos lúcidos com traços de caráter. Porém, foi possível identificar que em média, pessoas mais abertas a novas experiências – uma das cinco dimensões da personalidade humana – e aquelas com maior frequência de pesadelos, em média, revelaram-se com maior propensão a ficarem conscientes em seus sonhos.

Pessoas mais abertas a novas experiências: “Abertura é o interesse pela arte, emoção, aventura, ideias fora do comum, imaginação, curiosidade, e variedade de experiências. Este traço distingue as pessoas imaginativas das “terra-a-terra” e convencionais. As pessoas com elevada abertura são intelectualmente curiosas, apreciadoras da arte, e sensíveis à beleza. Elas tendem a ser, comparadas com as pessoas “fechadas”, mais criativas, a prestar mais atenção aos seus sentimentos e a terem opiniões não convencionais”.*

      Pesadelos frequentes, especialmente na infância, sempre foi algo bastante relatado por sonhadores lúcidos experientes(Beverly D’Urso por exemplo e diversos sonhadores lúcidos que frequentam o blog). Pessoalmente, meu primeiro sonho lúcido foi de fato enfrentando um pesadelo.

       É interessante também ressaltar que pela troca de experiência entre os sonhadores lúcidos, por aqui, no Fórum e em outras comunidades, a anotação dos sonhos ou seja, a aplicação de um interesse pelos sonhos em si, acaba favorecendo o reconhecimento da estrutura do sonho. Obviamente os resultados acontecem de modo mais consistente, com o uso em conjunto do Diário de Sonhos, algum Método mais compatível e o uso de um Reality Check.

       Verena Kast cita em seu livro, A Linguagem Enigmática do Inconsciente, aponta a maior facilidade que certas pessoas possuem para recordar de seus sonhos. Seriam aquelas pessoas com maior estímulo das suas capacidades imaginativas: pessoas como pintores amadores, estudante de artes ou aqueles com tendências a devaneios diurnos… Gosto de lembrar sempre que esse é o primeiro passo para qualquer interessado em ter sonhos lúcidos: boa qualidade de sono para melhorar a recordação dos seus sonhos.

Free-Lipe, é um sonhador lúcido experiente, com boas contribuições para o blog e comunidades de Sonhos Lúcicos, possui forte ligação com a arte musical.

         De certa maneira tudo parece convergir novamente para algo que rotineiramente é tema entre os sonhadores lúcidos: uma vida desperta mais lúcida ou consciente, implicando em maiores chances de sonhos lúcidos.

         Pessoas que parecem optar por transcender o automatismo rotineiro de suas vidas, tornando- se tornando mais reflexivas, sujeitas a divagações, devaneios ou pelo menos um uso mais intenso da criatividade imaginativa…  …talvez possam mesmo, acabar se beneficiando desse perfil, para obtenção de acesso, ao estado mental dos sonhos conscientes.

Fontes:

VOSS, Ursula. O Enigma dos Sonhos Lúcidos. Revista Ment&Cérebro. Ano XIX. Nº 241. Editora Duetto. 2013.

KAST, Verena. SONHOS – A Linguagem Enigmática do Inconsciente. Editora Vozes. 2010

https://www.sonhoslucidos.com/2011/08/fatores-determinantes-para-recordacao.html


http://pt.wikipedia.org/wiki/Big_Five_(psicologia)

       O Brasil possui pelo menos um centro de pesquisa sobre o estudo da consciência nos sonhos. Está localizado em Natal, pela UFRN, sob a égide do neurocientista Sidarta Ribeiro e o pesquisador Sérgio Arthuro Mota Rolim.

Sérgio Arthuro Mota Rolim desenvolve pesquisa  na área dos sonhos lúcidos pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

       Nosso entrevistado, Sérgio Arthuro Mota Rolim, possui graduação em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2004), com iniciação científica na área de sono, memória e ansiedade. É mestre em Neurociências pela Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina (2007), trabalhando com a influência dos ritmos biológicos no sono e na memória. Atualmente, é estudante de doutorado da UFRN e pesquisador do Instituto do Cérebro e do Hospital Universitário Onofre Lopes (UFRN), no Rio Grande do Norte, onde pesquisa modelos de regulação do sono e sonhos.
http://www.neuro.ufrn.br/incerebro/team.php?id=1

1) Quando e como surgiu a idéia de um projeto de pesquisas envolvendo sonhos lúcidos?
 Rolim: Comecei a me interessar em neurociência no segundo ano do curso de medicina na UFRN em 2000, quando assisti as aulas de neurofisiologia do professor John Araujo. Fiz iniciação científica com ele no tema sono, memória e ansiedade em estudantes de medicina. Em 2004 me formei e em 2005 fui fazer o mestrado em neurociência na UNIFESP = Escola Paulista de Medicina, estudando a influência dos ritmos biológicos no sono e na memória. Em 2006 conheci o Sidarta Ribeiro que é meu atual orientador de doutorado. Nessa época eu tava terminando o mestrado e já pensando em fazer o doutorado aqui em Natal com ele. Um dia, de férias do mestrado em Natal, por acaso, achei uma edição especial sobre sonhos na mesa do John e vi que tinha um artigo do Sidarta e também um do Stephen Laberge. Quando soube que era possível fazer movimentos com os olhos para indicar o sonho lúcido fiquei bastante interessado no tema e fui conversar com o Sidarta que rapidamente propôs orientar meu PhD nessa tema.

Um dia, de férias do mestrado em Natal, por acaso, achei uma edição especial sobre sonhos na mesa do John e vi que tinha um artigo do Sidarta e também um do Stephen Laberge. Quando soube que era possível fazer movimentos com os olhos para indicar o sonho lúcido fiquei bastante interessado no tema(…).






2) Qual é o objetivo e tema da pesquisa? Problemas, idéias e hipóteses envolvidos?

 Rolim: a minha pergunta principal do doutorado é saber se existe alguma diferença no padrão de ativação cerebral durante o sonho lúcido em comparação com o sonho não lucido. Temos resultados preliminares que indicam que durante o sonho lucido podemos ter uma ativação no lobo frontal (que explicaria uma maior auto-consciência, um maior controle do sonho lucido) e também no lobo ocipital (que poderia explicar porque os sonhos lúcidos são mais vívidos visualmente). Além disso, desenvolvemos um questionário sobre sonhos e sonhos lúcidos e aplicamos pela internet: quase 3600 pessoas responderam e estamos analisando os dados. Aproveito para convidar todos os leitores para responderem o questionário acessando o link http://www.cb.ufrn.br/sonho/

Imagem extraída da pesquisa realizada por Ursula Voos, mostrando os registros de atividades cerebrais, em três diferentes estados: acordado, em sonho lúcido e sonho comum da fase REM.

3) Quais as principais dificuldades encontradas? Além do Bruno Grego, existem outros voluntários que conseguem ficar conscientes nos sonhos?

Rolim: Inicialmente, queríamos induzir sonhos lúcidos em quem não tinha frequentemente. Tentamos fazer sugestão pre-sono (n=8) e incubação de estímulos do ambiente no sono = dávamos pulsos de luz por um abajur ao lado na cama na hora que o sujeito entrava em sono REM (n=8) p tentar induzir fazer com que esse estímulo entrasse no sonho e servisse como dica p o sujeito saber que estava sonhando, ou seja, ter um sonho lúcido (além de 16 controles que não passaram por nenhuma das técnicas). Como só conseguimos induzir um sonho lucido de todas essas tentativas, optamos por pegar pessoas que já tinham sonho lucido frequentemente (como o Bruno Grego). Fizemos também uma colaboração com o Daniel Erlacher que fez pós-doutorado com o Laberge e que trabalha na Alemanha. Ele mandou 6 registros de EEG de sujeitos que tem sonhos lúcidos frequentes para analisarmos.

Daniel Erlarcher é um pesquisador que serve de referência na área dos sonhos lúcidos e colabora  nas pesquisas do Dr. Rolim.


4) Como aconteceu o processo de recrutamento do(s) voluntário(s) para o laboratório?

 Rolim: no começo, recrutávamos pessoas que trabalhavam no nosso laboratório em outras linhas de pesquisa e que não tinham sonho lucido frequente. Depois, recrutamos somente os sonhadores lúcidos frequentes por boca a boca mesmo… O ideal seria termos verba para trazer os sonhadores lúcidos de todo o Brasil e do mundo para dormirem no nosso laboratório e tentarem ter um sonho lucido. Mas como não temos verba para isso, decidimos estudar os sonhadores lúcidos locais mesmo. De qualquer forma, fica o convite para quem tem sonho lucido frequente, tempo, dinheiro e interesse para vir para Natal nos ajudar!

Sonhadores Lúcidos parecem ser preciosos para que as pesquisas possam fluir com mais facilidade.


5) O que mais lhe fascina no estudo dos sonhos lúcidos? Você já teve alguma experiência nesse estado mental? Como foi?

 Rolim: Comecei a estudar sono com o professor John porque sempre fui de dormir muito = 10 hs, acordar tarde e sonhar muito, mas tive poucos sonhos lúcidos, uns 10. O interessante é que ouvi falar sobre sonho lucido pela primeira vez em 2003 no filme waking life (que aproveito para indicar), mas não dei muita importância porque não me lembrava de ter tido um sonho lucido. Sé depois de ler o artigo do Laberge em 2006 como falei antes, foi que comecei a ter sonhos lúcidos. Lembro que no primeiro fiquei com medo e acordei logo. No segundo já não tive mais medo mas acordei logo porque fiquei muito feliz, daí tirei a obvia conclusão que o segredo é ficar calmo. Nos últimos sonhos lúcidos consegui controlar e voar = não tem nada melhor no mundo! a não ser estudar claro kkkkk

Dr. Rolim já teve sonho seus sonhos lúcidos e curtiu muito a sensação de voar conscientemente nos sonhos.




6) Até pouco tempo atrás, essa área era um terreno pouco explorado, mas nos últimos anos parece ter ganho mais atenção da comunidade científica. A que se deve isso?

 Rolim:: Excelente pergunta.. não sei! Que vcs acham? Talvez como provocação diria que é porque a realidade está dura ou chata demais e esse universo dos sonhos, ou a matrix onírica, seja mais divertido… gostaria de saber a opinião dos leitores nos comentários





7) Existem pesquisas relacionando o estudo dos sonhos lúcidos com o desenvolvimento de habilidades motoras, na psiquiatria para ajudar no tratamento de certas psicoses… que benefícios você entende como possíveis, com as pesquisas envolvendo o estudo da consciência nos sonhos?

Rolim: Para mim os sonhos lúcidos são importantes por 5 motivos: 1 – filosófico e existencial = autoconhecimento, 2 – recreacional = diversão, 3 – aprendizado = possibilidade de simular ações num ambiente virtual plenamente seguro, como numa matrix, 4 – cientifico = para entendermos o que é a consciência, e daí termos uma melhor idéia das doenças que perturbam a consciência como no caso da esquizofrenia e 5 – terapêutico = no caso dos pesadelos recorrentes, aprender a ficar lucido nos sonhos pode diminuir o medo e a ansiedade relacionado a esses sonhos ruins

8) As máscaras de indução de sonhos aparentemente não se revelaram tão eficientes… será possível uma tecnologia eficiente para indução de sonhos lúcidos? Como seria?

 Rolim: Ainda no doutorado, ou talvez no pós-doutorado, gostaria de tentar induzir o sonho lucido com técnicas como TMS = transcranial magnetic stimulation ou TDCS = transcranial direct current stimulation (em colaboração com o Bruno Grego que está estudando essa técnica), que servem para estimular áreas específicas do cérebro de forma não invasiva, sem dor. Como o sonho lucido está relacionado a uma ativação frontal, a ideia é estimular a região frontal durante o sono REM para ver se dá para induzir um sonho lucido

Bruno Grego, biomédico e doutorando, é sonhador lúcido colaborador nas pesquisas do Rolim, sob orientação de Sidarta Ribeiro.

9) O material bibliográfico para pesquisa desse tema não é muito fácil de se encontrar, especialmente os mais técnicos, de caráter científico. Pode dar alguma orientação de fontes ou sites que costuma pesquisar?

 Rolim: Acho que pesquisando por lucid dream no pubmed = http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed?term=lucid%20dream ou no google scholar dá para pegar muitos artigos científicos sérios sobre o tema. Gostaria de terminar a entrevista com uma citação que sempre lembro e falo do Nietzsche: “Nos primórdios do nascimento da cultura, o homem acreditou que estava descobrindo um segundo mundo real no sonho, e aqui é a origem de toda metafísica. Sem os sonhos, a humanidade nunca iria inventar tal divisão do mundo… em corpo e alma… bem como acreditar em fantasmas, e aparentemente também, em deuses…”

Nietzsche, FW (1878) – Humano demasiado. O que vocês acham heim!? Muito obrigado pelo convite e um grande abraço!     


Grande doc! Agradeço demais pela entrevista e também em nome de todos interessados e sonhadores lúcidos frequentadores do www.sonhoslucidos.com  obrigado mesmo!