Tag

sexo nos sonhos lúcidos

Browsing

É possível fazer sexo nos sonhos lúcidos? Essa última semana tem sido de forma surpreendente, a mais intensa para mim, em termos de frequência e experimentos com sonhos lúcidos. Uma sequência espetacular de noites em que estou realizando experiências com a memória, consciência e… sexo!

Sexo no estado mental dos sonhos conscientes pode ser uma experiência inesquecível.

Antes de mais nada, vale ressaltar parecer existir uma certa dificuldade, para nós homens, em obter orgasmo enquanto estamos no estado mental dos sonhos lúcidos. Isso pode parecer irônico, afinal durante o estado desperto a situação é completamente diferente. Durante os sonhos comuns obviamente também não é o caso. Eu mesmo lembro que tive meu quinhão dessas experiências. São as denominadas “poluções noturnas”, comuns para a maioria de nós, principalmente no período da adolescência (acho que isso foi uma confissão desnecessária… ).

Apesar de que nos sonhos lúcidos a história é bem outra. Em laboratórios de sono, pelo menos até agora, os resultados foram mais favoráveis as mulheres. O desafio é deveras instigante. Por quê raios as mulheres que já possuem a habilidade ou a tendência de obter orgasmos múltiplos, também conseguem com mais facilidade o clímax, quando estão conscientes que estão sonhando?!?

Sonhos Lúcidos, de Stephen LaBerge apesar de esgotado é o livro mais completo sobre o tema dos Sonhos Lúcidos, publicado em português.

No livro Sonhos Lúcidos, de Stephen LaBerge, podemos encontrar a pesquisadora Ph.D,
Patrícia Garfield relatando que dois terços dos seus sonhos lúcidos, apresentam conteúdo sexual e quase a metade culmina em orgasmo. Enquanto no livro Pathway to Extasy ela diz que seus orgasmos de sonho têm intensidade profunda. “Com uma totalidade de si mesma que só às vezes é sentida no estado acordado”, encontrou-se “rebentando em explosões de es¬tremecer  corpo e   alma”.
É ou não é totalmente excelente?!

Pelo menos para o sexo feminino parece estar sendo! O trecho a seguir foi extraído do livro do LaBerge, supra-citado e relata um orgasmo feminino. A sonhadora lúcida é denominada “Miranda” e ela executou durante a experiência sinais ou movimentos previamente combinados, com os olhos, para quem a monitorava no laboratório. Tudo isso, com todo aparato tecnológico conectado na moça para comprovação:
Cerca de cinco minutos depois do quinto período de sono REM(fase do sono “rapid eye movement”) daquela noite, Miranda teve um  sonho lúcido que durou três minutos, em que se desempenhou da tarefa exatamente como havíamos combinado.

       (…)deitada na cama, ainda acordada, com alguém lhe esfregando as mãos no pescoço.   Reconhecendo   a   improbabilidade   de   haver mais alguém no quarto, suspeitou que estivesse sonhando e testou o próprio estado procurando flutuar no ar. Logo que se viu flutuando, convenceu-se de estar sonhando e, atravessando pelo ar a parede do quarto de dormir, fez o sinal combinado. Não encontrando ninguém na sala do polígrafo, continuou a flutuar e saiu por uma  janela fechada.  Continuando, encontrou-se sobrevoando um campus parecido com o das Universidades de Oxford e de Stanford. Continuou voando no ar frio da noite, livre como uma nuvem, parando aqui e ali para admirar as lindas esculturas das paredes. Mas depois de uns minutos resolveu que estava na hora  de começar a experiência.   Sempre  voando, atravessou uma  arcada e viu um grupo de pessoas, aparentemente visitantes que estavam percorrendo o campus. Investindo contra o grupo, escolheu o  primeiro homem que estava ao alcance. Deu-lhe um tapinha no ombro e ele foi na direção dela como se soubesse exatamente o que se esperava que fizesse. Nesse ponto ela deu mais um sinal, indicando que a atividade   sexual estava  começando. Diz que já devia estar excitada por causa do vôo, porque em apenas quinze segundos sentiu-se como se já estivesse chegan¬do ao clímax. Fez o terceiro sinal, indicando que havia tido um orgasmo, quando as ondas finais começaram a diminuir de intensidade.   Logo depois disso  deixou-se acordar   e logo que se sentiu de novo na  cama fez o quarto  sinal, conforme o plano. Disse que o sonho de orgasmo não havia sido extenso nem intenso mas foi certamente um orgasmo real.”

    

  Terrivelmente tomado pela inveja com a perfomance dessa sonhadora lúcida citada no livro, resolvi aproveitar meu ritmo alucinante de sonhos conscientes e dedicar pelo menos uma incursão sexual nos sonhos. Quem sabe não sou eu quem vai descobrir uma técnica revolucionária de orgasmo masculino em sonhos lúcidos?! Não custava tentar.

Acordei após 6 horas de sono, tomei uma água, fiz um xixizinho  e voltei a dormir(programando o relógio para despertar após mais 90 min de sono), desejando ficar consciente nos próximos sonhos…

“Percebi que estava sonhando(sem reality check), era numa casa(tenho sonhos recorrentes com casas) e resolvi que ia fazer a experiência de sexo no sonho lúcido, objetivando o orgasmo. Havia diversas moças lindas na casa e minha “fome” me guiava para qualquer uma delas. De repente sem que eu escolhesse, mas apenas me fitando um pouco mais, uma das loiras veio em minha direção e nos agarramos. Baixei sua blusinha e… … … … … …
… …
. Sabia da fragilidade do orgasmo masculino no sonho lúcido. O sexo estava ótimo, … ….      … por aqueles … e ela arqueava … maravilhoso… quadril para … e  para … em movimentos frenéticos…. até que começou a mudar… ficar mais clarinha, esmaecer.. não não não não não nãoooo… mas eu sabia que minha fase REM tinha bem mais tempo, então não era preciso me preocupar, pois iria continuar em outro sonho!…
Acordei num calçadão. Cheia de gente caminhando pra lá e pra cá. Bwahahahhahahhahah olha eu aqui di novo gente! J E aqui vou eu na minha missão tarada, bizolhando essas mulheres lindas… muitas delas caminhando aqui ali e de repente uma balzaquiana, encorpada, de curvas dadivosas chegou junto a mim. Era uma alemoa, de cabelos compridos, muito elegante a qual agarrei e nos entrelaçamos em mais um arquejante ritmo de cópula onírica, por um tempo considerável, parecido com o anterior e com o mesmo trágico fim. Sim. Mais uma vez não me importei tanto assim, pois sabia que tinha cartucho nesse REM pra queimar. Aham! “Olá Trevas, minhas velhas amigas!” Puf!
Acordei numa casa. De madeira, num quarto e uma porta entreaberta. Desejei que viesse por ela. E veio uma encantadora morena. Atlética, mas sem perder as sedutoras curvas femininas! Mesmo comigo de pé, ela agarrou firme de frente em meu pescoço e entrelaçou suas coxas em mim. Em sonhos, foi o sexo mais longo de todos os tempos. Eu me … bastante, apalpava os …, sentia a …, numa adorável cadência até acordar de vez.

Ainda que tenha acordado sem orgasmo. Por um lado frustrado, por não ter conseguido atingir o objetivo, mas ao mesmo tempo feliz. Seja por de ter conseguido duas vezes seguidas abraçar o desabamento do sonho e voltar com minha consciência; de maneira incólume, logo no sonho seguinte. Por três vezes manter a consciência, sentir prazer, controlar sutilmente a narrativa do sonho, realizando o experimento. Quem já sonhou conscientemente com sexo sabe muito bem da dificuldade que estou falando. Porém o enigma segue inabalável… qual será o segredo da facilidade do orgasmo feminino nos sonhos lúcidos??

Referencia Bibliográfica:
LABERGE, Stephen. Sonhos Lúcidos. 1985
Ed. Siciliano Livros, Jornais e Revistas Ltda. 1990(esgotada)