Tag

O Futuro dos Sonhos Lucidos

Browsing
Artigo por Túlio Athélio.

O nome deve ser estranho para a maioria, então resumindo:
Binaural beats e Isocrônicos são áudios que estimulam determinada frequência/atividade cerebral.
Como os vários fenômenos dos cérebro costumam estar assimilados com determinada atividade cerebral, o pulo do gato é induzir o efeito desejado induzindo sua respectiva frequência.

Ondas Cerebrais
Algumas faixas de frequência são amplamente conhecidas por nome: Gamma, Beta, Alpha, Theta e Delta (letras gregas). Observe:

Atividades cerebrias com seus seus nomes e respectiva atividade cerebral
e efeitos correspondentes ou comuns de tais faixas.

Binaural e Isocrônicos funcionam de forma diferente, resumindo:

Binaural Beat é um fenômeno que o cérebro produz pela mescla duas frequências diferentes, uma em cada ouvido. Por exemplo, 300 Hz em um ouvido e 310Hz no outro, então o Binaural teria uma frequência de 10 Hz (310-300). Isso é feito pelo seu cérebro, a diferença de frequência pode ser de até 30Hz.
Estes precisam de fones de ouvido.
Não ilustração ao lado, o centro, seria o Binaural.

Exemplo de Binaural Beat 

Isocrônicos são pulsações que ligam e desligam em regularmente. A quantidade de pulsações por segundo indica a frequência. Por exemplo, 10 pulsações por segundo induziria no cérebro uma frequência de 10Hz.
Isso excita o Tálamo e faz com que o cérebro passe a imitar a frequência dos toques Isocrônicos, alterando sua atividade cerebral.
São similares aos Monaurais, exceto que estes são um pulso de onda senoidal, em vez de pulsos totalmente separadas de um único tom.


Estes não precisam de fones de ouvido, mas seu uso pode torná-lo mais efetivo.

Exemplo de isocrônico

Induzindo um Sonho Lúcido


Eles costumam ser usados junto com a prática do WBTB. Os sites que vendem ele costumam oferecer 100% de certeza de sonho lúcidos. Mas nessa vida nada pode ser dado por certeza. Entretanto, você tem nada a perder e muito a ganhar uma vez que eu fiz o upload dos arquivos no media fire (MUAHAHAHA)
Para baixar os 3 toques abaixo basta clicar com o botão direito>salvar link como
Os outros links estão em outros servidores.

Lucid Dreaming sem background: Este isocrônico de 30 minutos foi criado pelo iso-tones.com, todos os isocrônicos do site são grátis, visite e veja os mais vários toque para as mais variadas finalidades, se não sabe inglês, o use o google.

Lucid Dreaming com background: Este isocrônico de 30 minutos é igual o de cima, mas com sons no fundo ao invés do isocrônico puro, é mais de fácil de cair no sono assim.

Lucid Spike: Este isocrônico é completamente diferente dos outros dois acima. Ele começa com 20 minutos de silêncio. O usuário deve tentar adormecer naturalmente durante o silêncio. após o silêncio é vem um pico de atividade projetado para acionar a consciência sem o acordar. 40 minutos de duração. Os relatos no fórum do site dizem que este toque não é muito eficiente para acionar a lucidez mas que entretanto gera mais sonhos vívidos, favorecendo lembrar dos sonhos, o que é essencial para sonhos lúcidos.

LD-Unexplainable: Este isocrônico pago foi criado pela Unexplainable Store e promete induzir sonhos lúcidos levando o usuário de delta à alpha e depois à theta, nesse trajeto a consciência deve ser acionada.

LD-Drug:Este isocrônico foi criado pelo I-Doser, famosa empresa que faz drogas virtuais, este também está disponível em Binaural, Monaural, e Harmonic Box(batidas binaurais + monaurais).

       O Brasil possui pelo menos um centro de pesquisa sobre o estudo da consciência nos sonhos. Está localizado em Natal, pela UFRN, sob a égide do neurocientista Sidarta Ribeiro e o pesquisador Sérgio Arthuro Mota Rolim.

Sérgio Arthuro Mota Rolim desenvolve pesquisa  na área dos sonhos lúcidos pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

       Nosso entrevistado, Sérgio Arthuro Mota Rolim, possui graduação em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2004), com iniciação científica na área de sono, memória e ansiedade. É mestre em Neurociências pela Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina (2007), trabalhando com a influência dos ritmos biológicos no sono e na memória. Atualmente, é estudante de doutorado da UFRN e pesquisador do Instituto do Cérebro e do Hospital Universitário Onofre Lopes (UFRN), no Rio Grande do Norte, onde pesquisa modelos de regulação do sono e sonhos.
http://www.neuro.ufrn.br/incerebro/team.php?id=1

1) Quando e como surgiu a idéia de um projeto de pesquisas envolvendo sonhos lúcidos?
 Rolim: Comecei a me interessar em neurociência no segundo ano do curso de medicina na UFRN em 2000, quando assisti as aulas de neurofisiologia do professor John Araujo. Fiz iniciação científica com ele no tema sono, memória e ansiedade em estudantes de medicina. Em 2004 me formei e em 2005 fui fazer o mestrado em neurociência na UNIFESP = Escola Paulista de Medicina, estudando a influência dos ritmos biológicos no sono e na memória. Em 2006 conheci o Sidarta Ribeiro que é meu atual orientador de doutorado. Nessa época eu tava terminando o mestrado e já pensando em fazer o doutorado aqui em Natal com ele. Um dia, de férias do mestrado em Natal, por acaso, achei uma edição especial sobre sonhos na mesa do John e vi que tinha um artigo do Sidarta e também um do Stephen Laberge. Quando soube que era possível fazer movimentos com os olhos para indicar o sonho lúcido fiquei bastante interessado no tema e fui conversar com o Sidarta que rapidamente propôs orientar meu PhD nessa tema.

Um dia, de férias do mestrado em Natal, por acaso, achei uma edição especial sobre sonhos na mesa do John e vi que tinha um artigo do Sidarta e também um do Stephen Laberge. Quando soube que era possível fazer movimentos com os olhos para indicar o sonho lúcido fiquei bastante interessado no tema(…).






2) Qual é o objetivo e tema da pesquisa? Problemas, idéias e hipóteses envolvidos?

 Rolim: a minha pergunta principal do doutorado é saber se existe alguma diferença no padrão de ativação cerebral durante o sonho lúcido em comparação com o sonho não lucido. Temos resultados preliminares que indicam que durante o sonho lucido podemos ter uma ativação no lobo frontal (que explicaria uma maior auto-consciência, um maior controle do sonho lucido) e também no lobo ocipital (que poderia explicar porque os sonhos lúcidos são mais vívidos visualmente). Além disso, desenvolvemos um questionário sobre sonhos e sonhos lúcidos e aplicamos pela internet: quase 3600 pessoas responderam e estamos analisando os dados. Aproveito para convidar todos os leitores para responderem o questionário acessando o link http://www.cb.ufrn.br/sonho/

Imagem extraída da pesquisa realizada por Ursula Voos, mostrando os registros de atividades cerebrais, em três diferentes estados: acordado, em sonho lúcido e sonho comum da fase REM.

3) Quais as principais dificuldades encontradas? Além do Bruno Grego, existem outros voluntários que conseguem ficar conscientes nos sonhos?

Rolim: Inicialmente, queríamos induzir sonhos lúcidos em quem não tinha frequentemente. Tentamos fazer sugestão pre-sono (n=8) e incubação de estímulos do ambiente no sono = dávamos pulsos de luz por um abajur ao lado na cama na hora que o sujeito entrava em sono REM (n=8) p tentar induzir fazer com que esse estímulo entrasse no sonho e servisse como dica p o sujeito saber que estava sonhando, ou seja, ter um sonho lúcido (além de 16 controles que não passaram por nenhuma das técnicas). Como só conseguimos induzir um sonho lucido de todas essas tentativas, optamos por pegar pessoas que já tinham sonho lucido frequentemente (como o Bruno Grego). Fizemos também uma colaboração com o Daniel Erlacher que fez pós-doutorado com o Laberge e que trabalha na Alemanha. Ele mandou 6 registros de EEG de sujeitos que tem sonhos lúcidos frequentes para analisarmos.

Daniel Erlarcher é um pesquisador que serve de referência na área dos sonhos lúcidos e colabora  nas pesquisas do Dr. Rolim.


4) Como aconteceu o processo de recrutamento do(s) voluntário(s) para o laboratório?

 Rolim: no começo, recrutávamos pessoas que trabalhavam no nosso laboratório em outras linhas de pesquisa e que não tinham sonho lucido frequente. Depois, recrutamos somente os sonhadores lúcidos frequentes por boca a boca mesmo… O ideal seria termos verba para trazer os sonhadores lúcidos de todo o Brasil e do mundo para dormirem no nosso laboratório e tentarem ter um sonho lucido. Mas como não temos verba para isso, decidimos estudar os sonhadores lúcidos locais mesmo. De qualquer forma, fica o convite para quem tem sonho lucido frequente, tempo, dinheiro e interesse para vir para Natal nos ajudar!

Sonhadores Lúcidos parecem ser preciosos para que as pesquisas possam fluir com mais facilidade.


5) O que mais lhe fascina no estudo dos sonhos lúcidos? Você já teve alguma experiência nesse estado mental? Como foi?

 Rolim: Comecei a estudar sono com o professor John porque sempre fui de dormir muito = 10 hs, acordar tarde e sonhar muito, mas tive poucos sonhos lúcidos, uns 10. O interessante é que ouvi falar sobre sonho lucido pela primeira vez em 2003 no filme waking life (que aproveito para indicar), mas não dei muita importância porque não me lembrava de ter tido um sonho lucido. Sé depois de ler o artigo do Laberge em 2006 como falei antes, foi que comecei a ter sonhos lúcidos. Lembro que no primeiro fiquei com medo e acordei logo. No segundo já não tive mais medo mas acordei logo porque fiquei muito feliz, daí tirei a obvia conclusão que o segredo é ficar calmo. Nos últimos sonhos lúcidos consegui controlar e voar = não tem nada melhor no mundo! a não ser estudar claro kkkkk

Dr. Rolim já teve sonho seus sonhos lúcidos e curtiu muito a sensação de voar conscientemente nos sonhos.




6) Até pouco tempo atrás, essa área era um terreno pouco explorado, mas nos últimos anos parece ter ganho mais atenção da comunidade científica. A que se deve isso?

 Rolim:: Excelente pergunta.. não sei! Que vcs acham? Talvez como provocação diria que é porque a realidade está dura ou chata demais e esse universo dos sonhos, ou a matrix onírica, seja mais divertido… gostaria de saber a opinião dos leitores nos comentários





7) Existem pesquisas relacionando o estudo dos sonhos lúcidos com o desenvolvimento de habilidades motoras, na psiquiatria para ajudar no tratamento de certas psicoses… que benefícios você entende como possíveis, com as pesquisas envolvendo o estudo da consciência nos sonhos?

Rolim: Para mim os sonhos lúcidos são importantes por 5 motivos: 1 – filosófico e existencial = autoconhecimento, 2 – recreacional = diversão, 3 – aprendizado = possibilidade de simular ações num ambiente virtual plenamente seguro, como numa matrix, 4 – cientifico = para entendermos o que é a consciência, e daí termos uma melhor idéia das doenças que perturbam a consciência como no caso da esquizofrenia e 5 – terapêutico = no caso dos pesadelos recorrentes, aprender a ficar lucido nos sonhos pode diminuir o medo e a ansiedade relacionado a esses sonhos ruins

8) As máscaras de indução de sonhos aparentemente não se revelaram tão eficientes… será possível uma tecnologia eficiente para indução de sonhos lúcidos? Como seria?

 Rolim: Ainda no doutorado, ou talvez no pós-doutorado, gostaria de tentar induzir o sonho lucido com técnicas como TMS = transcranial magnetic stimulation ou TDCS = transcranial direct current stimulation (em colaboração com o Bruno Grego que está estudando essa técnica), que servem para estimular áreas específicas do cérebro de forma não invasiva, sem dor. Como o sonho lucido está relacionado a uma ativação frontal, a ideia é estimular a região frontal durante o sono REM para ver se dá para induzir um sonho lucido

Bruno Grego, biomédico e doutorando, é sonhador lúcido colaborador nas pesquisas do Rolim, sob orientação de Sidarta Ribeiro.

9) O material bibliográfico para pesquisa desse tema não é muito fácil de se encontrar, especialmente os mais técnicos, de caráter científico. Pode dar alguma orientação de fontes ou sites que costuma pesquisar?

 Rolim: Acho que pesquisando por lucid dream no pubmed = http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed?term=lucid%20dream ou no google scholar dá para pegar muitos artigos científicos sérios sobre o tema. Gostaria de terminar a entrevista com uma citação que sempre lembro e falo do Nietzsche: “Nos primórdios do nascimento da cultura, o homem acreditou que estava descobrindo um segundo mundo real no sonho, e aqui é a origem de toda metafísica. Sem os sonhos, a humanidade nunca iria inventar tal divisão do mundo… em corpo e alma… bem como acreditar em fantasmas, e aparentemente também, em deuses…”

Nietzsche, FW (1878) – Humano demasiado. O que vocês acham heim!? Muito obrigado pelo convite e um grande abraço!     


Grande doc! Agradeço demais pela entrevista e também em nome de todos interessados e sonhadores lúcidos frequentadores do www.sonhoslucidos.com  obrigado mesmo!

     Um feito extraodinário realizado por alguns onironautas feras em manter a consciência nos sonhos: conseguiram se comunicar de dentro dos seus sonhos, durante complexos exames de ressonância magnética e monitoramento cerebral.

O objetivo da pesquisa foi verificar os registros das atividades cerebrais de sonhadores lúcidos que avisaram quando iniciaram movimentos com suas mãos enquanto sonhavam.

     O objetivo do aparato tecnológico em cima dos sonhadores lúcidos, era flagrar o comportamento do cérebro, quando os onironautas decidiam fazer movimentos com as mãos nos sonhos. Que diferenças seriam provocadas na ativação cerebral, uma vez que os voluntários estavam conscientes, mas ainda no estado mental dos sonhos?

     Foram seis voluntários que ao se submeterem aos exames, conseguiram realizar a comunicação, com os olhos, avisando que estavam sonhando e conscientes. Em seguida avisaram do início das experiências e iniciaram movimentos com as mãos, ainda sonhando.

    Para assombro de muitas pessoas, os registros das atividades cerebrais colhidos se equivalem ao de uma pessoa movimentando a mão!.. Porém esses sonhadores se encontravam no estado REM do sono. Estavam sonhando e como são sonhadores lúcidos, foram capazes de assumir a narrativa do sonho, realizando os movimentos com as mãos.

Cypher: eu disse que lá dentro aquele bife suculento era tão ou mais prazeroso que aqui fora!

    O mapeamento pela ressonância magnética e demais equipamentos de medição, captaram os registros de atividade cerebral dos movimentos das mãos, realizados pelos sonhadores.
    Martin Dresler do Instituto Max Planck na Alemanha faz interessantes observações sobre os resultados:
    “Sonhar não é apenas olhar para um filme do sonho. As áreas do cérebro que representam movimentos específicos do corpo são realmente ativadas.”
     
     O cientista aponta uma interessante perspectiva para os sonhos lúcidos:
     “O sonhador lúcido tem insights em um estado muito complexo: dormindo, sonhando, mas estando consciente do estado de sonho. Isso pode nos dizer muito sobre os conceitos de consciência”.

 Fontes:


Globo.com: cientistas conseguem ler sonhos em estudo alemão.

Diário da Saúde

Info Abril: por que os sonhos parecem tão reais?

Newscientist

Current Biology: estudo original!

       Sexta-feira passada, dia 14 de outubro, no programa Globo Repórter, foi ao ar uma reportagem sobre o estudo dos sonhos lúcidos que é realizado no Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
       Segue link com o vídeo da reportagem:
Vídeo da reportagem no Globo Repórter sobre Sonhos Lúcidos.

Reportagem do Globo Repórter do dia 14/10/2011 sobre sonhos lúcidos, conforme link acima.

       A reportagem é bem introdutória sobre o estudo dos sonhos lúcidos, mas é muito bem feita, de linguagem acessível e muito interessante para tomar conhecimento de que o Brasil não está comendo poeira nessa área de pesquisa. Especialmente porque há gente de peso envolvida diretamente nesse estudo, como o neurocientista Sidarta Ribeiro, a quem com certa frequência cito nos textos aqui no blog. 

Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, onde se desenvolvem os estudos sobre sonhos lúcidos, apresentados na reportagem.

       Uma agradável surpresa, é ver um onironauta ali em ação no laboratório do sono: Bruno Grego é o nome dele. Relata na reportagem ter uma bela média de dois sonhos lúcidos por semana. A melhor novidade: que já conseguiu se comunicar, durante o estado mental dos sonhos, com os pesquisadores do laboratório! Bruno é biomédico, 29 anos e está fazendo seu doutorado(curioso pacas para saber se é relacionado a essa área).

Bruno Grego é o onironauta voluntário que já conseguiu êxito em se comunicar de dentro do seu sonho, com os pesquisadores do laboratório do sono.

        Outra informação que achei bem interessante da reportagem é que há parceria nesses estudos com os pesquisadores alemães. Daniel Erlarcher é um dos nomes que mais encontro nos artigos científicos, com as pesquisas mais recentes e instigantes. A experiência que o Sidarta Ribeiro se refere na reportagem, sobre o experimento com as moedinhas sendo arremessadas num copo, já foi publicada aqui em primeira mão no blog.

        O Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte está fazendo uma importante pesquisa sobre os sonhos. Quem puder contribuir respondendo ao questionário deles, segue o link:
Pesquisa sobre os sonhos lúcidos

   Fonte:
http://g1.globo.com/globo-reporter/noticia/2011/10/biomedico-consegue-se-comunicar-com-cientistas-durante-sonho-lucido.html

        Uma conquista científica para deixar qualquer um babando: foi dado um importante passo, no desenvolvimento da tecnologia de conversão de imagens mentais em movimento, para filmes. O professor Jack Gallant é uma dos principais cientistas envolvidos no grande projeto, na Universidade de Berkeley.
        
        O principal objetivo desses estudos, é conseguir usar as atuais tecnologias de medição e análise das atividades cerebrais, para reconstruir as imagens mentais em movimento, observadas por uma pessoa. Resumidamente, ao assistir um vídeo, a tecnologia do laboratório da Universidade de Berkeley, é capaz de reproduzir o que se passou no cérebro do observador. A tecnologia está em desenvolvimento, mas o vídeo abaixo mostra o salto que já conseguiram nas pesquisas:

O vídeo à esquerda representa o que foi assistido por uma pessoa, enquanto estava submetida ao aparato tecnológico do laboratório. Pode-se observar no vídeo da direita como foi essa reconstrução, obtida a partir das atividades cerebrais do voluntário.

         A reconstrução das imagens foi conseguida, partindo da atividade cerebral decodificada e usando um monumental banco de dados do youtube, no qual  não estava incluído o vídeo mostrado originalmente para essa pessoa.
          O programa com base nos registros das atividades  cerebrais  fornecidas,  passou a rastrear as imagens que mais se aproximavam do vídeo assistido por aquela pessoa:

Por fim, a questão mais fascinante e diretamente vinculada ao assunto que devoramos por aqui. O professor Gallant respondeu a seguinte pergunta:

“Em algum prazo futuro, quando a tecnoliga estiver mais desenvolvida, será possível decodificar sonhos, memórias e visualizações da imaginação?


Neurocientistas geralmente assumem que todo processo mental tem um fundamento neurobiológico. Partindo desse pressuposto, tão logo nós tivermos boas medições da atividade cerebral e bons modelos-padrões computacionais do cérebro, isso deverá ser possível, em princípio para decodificar imagens de processos mentais como os sonhos, memória e imaginação.(…)”


Esse texto de divulgação científica, foi realizado com base num comentário do onironauta “Beowulf” que trouxe em primeira mão a notícia. E a fonte original das informações(incluindo a entrevista completa com o Professor Gallant) estão abaixo.

Fonte:
https://sites.google.com/site/gallantlabucb/publications/nishimoto-et-al-2011

      Um dos artigos mais instigantes que li sobre o tema dos sonhos, assinado pelo neurobiologista Ph.D, Sidarta Ribeiro e por Miguel Nicolelis, um dos maiores neurocientistas da atualidade, apresentam um trecho que eu não poderia me furtar de compartilhar no blog.
      O texto trata das teorias das funções dos sonhos, menciona casos famosos(Kekulé, Mendelev, Elias Howe etc..) de grandes soluções para problemas, por meio do estado mental dos sonhos. Há dois parágrafos que acho especialmente fascinanes que finalizam o artigo, publicado na revista MenteCerebro*, os quais fazem referência aos sonhos lúcidos e cogitam, ou melhor, fazem um exercício de imaginação especulativo, para alguma aplicação prática futura dos sonhos lúcidos:
Especula-se a possibilidade dos sonhos lúcidos servirem como aprendizado virtual.
      “É interessante especular sobre como serão os sonhos dos seres humanos no futuro, à medida que as pressões seletivas sobre nossa espécie continuem a mudar. Uma possibilidade é a generalização social do sonho lúcido, um estado de simulação onírica consciente praticado há muitos séculos pelos iogues tibetanos por meio do controle da respiração e da postura. Os sonhos lúcidos ocorrem durante episódios de sono REM de alta intensidade metabólica, e se caracterizam pelo fato de o sonhador assumir controle parcial ou total da narrativa onírica.
       Apesar dos abundantes depoimentos subjetivos sobre o uso dos sonhos lúcidos para o treino de habilidades usadas na vida real, o potencial cognitivo desses sonhos ainda está por ser sistematicamente explorado pela ciência. Se confirmado e disponibilizado para o público em geral, o uso dos sonhos lúcidos para o autoconhecimento e aprendizado virtual pode vir a representar um salto de grandes proporções para a evolução da consciência humana.”
“O potencial cognitivo desses sonhos ainda está por ser sistematicamente explorado pela ciência”.
        Esse último trecho quando li, lembrou-me uma cena espetacular do filme O Passageiro do Futuro, baseado numa obra de Stephen King, no qual um jardineiro com atraso mental(Jef Fahey) serve de cobaia para o cientista(Pierce Brosnan) que através de um grande aparato tecnológico de uso da realidade virtual, junto com substâncias químicas inovadoras, provocaram um assombroso upgrade mental no jardineiro.
        Delírios cinematográficos à parte, a divulgação desse conhecimento já está acontecendo mais rapidamente. Pelo menos há uma diferença significativa de alguns anos atrás para agora, em termos de fontes de pesquisa e informação sobre o assunto. O que inicialmente se limitava há alguns poucos livros sobre o tema, agora já podemos encontrar muitos sites sobre o tema, revistas, livros, artigos etc..
          Pode-se encontrar atualmente máscaras e algumas ferramentas tecnológicas como vídeos com mensagens subliminares, músicas e outros que objetivam induzir a consciência nos sonhos. Verifica-se uma crescente desvinculação na mídia do assunto com relação aos temas esotéricos.
          Percebe-se que a área vem sendo cada vez  mais explorada, desde a sua comprovação científica na década de 80, por Keith Hearne e Stephen LaBerge. Parece inevitável que a habilidade de ficar consciente nos sonhos conquiste mais e mais pesquisadores, voltados para as investigações do comportamento da mente nesse estado alterado de consciência.
           O mesmo artigo supra-citado faz referência a diversidade dos tipos de sonhos de acordo com as necessidades da espécie. Dentro das teorias da função dos sonhos, nossa espécie se encontra em situação privilegiada frente aos demais animais. Nossos sonhos já há muito deixaram de se resumir em reflexos de preocupações/temores/simulações de atividades básicas de sobrevivência e reprodução. Talvez nossos sonhos realmente se direcionem para áreas até então sequer imaginadas. Melhor ainda… que novos terrenos podem ser desbravados com a exploração dos sonhos lúcidos? Experimentos com memória?, Experimentos com a percepção do tempo?, Sonhos lúcidos para o aprendizado?, Novas formas de prazer?, Um simulador mental como oráculo onírico de possibilidades? O leque está apenas se abrindo. 😉

*Fonte:
RIBEIRO, Sidarta e NICOLELIS, Miguel. Nas asas do sonho. Revista Mente & Cérebro – Edição Especial nº 13 pg. 28-35. Ediouro – Duetto Editorial Ltda.
http://www2.uol.com.br/vivermente/