Tag

Sonecas para ter sonhos lúcidos

Browsing

A soneca e o sonho lúcido possuem uma relação bem próxima .Eventualmente desprezadas, além de poder servir para ajudar a compensar uma noite mal dormida, elas também servem para induzir a lucidez nos sonhos. Nesse sentido, algumas técnicas para ter sonhos lúcidos já estão naturalmente adaptadas para essa situação.

Embora as sonecas possam significar um débito de sono em andamento e portanto uma qualidade de sono comprometida, Peter Fenwick sugere que esse momento pode ser aproveitado para ter um sonho lúcido.Uma vez que a soneca signifique sono atrasado, é bem provável que ao dormir você receba rápidos flashes de alucinações. Com efeito, essas imagens são alucinações hipnagógicas e os sonhos se formam muito mais rápido do que no sono comum. Nesse sentido estamos tratando do rebote de fase REM. Por consequência do cérebro tentando compensar o ciclo de sono que foi anteriormente comprometido.

Sugestão de Técnicas

Algumas técnicas de indução de sonho lúcido merecem destaque no momento de uma soneca. Sendo assim, são elas: VILD, FILD e WILD. Em outras palavras, sempre que sentirem que vão tirar uma soneca, aproveitem para praticarem qualquer uma dessas três técnicas. Ao passo que todas três técnicas possuem elementos adequados para quem vai fazer uma jornada rápida de sono.

Sob esse ponto de vista, é importante ressaltar a orientação dada pelo pesquisador do sono, Mathew Walker. De acordo com o neurocientista, as sonecas que buscam compensar o sono atrasado e que sentimos normalmente durante o dia, devem ser evitadas após as 15h.Isso ocorre, de acordo com Walker, em função do prejuízo ao sono posterior que irá ocorrer, caso o sono se prolongue após as três da tarde. Ou seja, evite dormir depois desse horário ou tirar sonecas, para que seu sono noturno não fique prejudicado. Mas aproveite para novas incursões de sonhos lúcidos!

Referências Bibliográficas

Fenwick, P. & Fenwick, E. The Hidden Door: Understanding and Controlling Dreams. Headline. 1998.

WALKER. M. Por que nós dormimos. A nova ciência do sono e do sonho. Rio de Janeiro: Intrínseca. 2018,

    Extraído diretamente do livro Sonhos Lúcidos, de Stephen LaBerge, pode-se encontrar esse interessante Método de indução da consciência no sonho. Nunca foi chamado de Método em si, pelo menos até onde li a respeito. Resolvi denominar assim, porque a descrição no livro é mesmo interessante o suficiente, para que mereça uma denominação própria.

O Método Rapport pode nos conduzir gentilmente para o estado mental dos sonhos, mantendo  a centelha da consciência.

    Nathan Rapport, um psiquiatra americano, ressaltou esse prazer de sonhar conscientemente em um artigo intitulado “Bons Sonhos!”: 

     ” a natureza dos sonhos pode ser estudada do melhor modo possível nas raras ocasiões em que a pessoa percebe que está sonhando”.

     LaBerge aponta que Rapport se utilizou de um caminho para indução de sonhos lúcidos análogo ao de Ouspensky:
  

      O Método  Rapport:

     “Quando a pessoa está na cama esperando que o sono venha, a cada poucos minutos interrompe os pensamentos, esforçando-se por recordar a informação mental que vai desaparecendo, antes de cada intromissão causada por aquela atenção curiosa”.


      De acordo com LaBerge, quando estabelecemos ou condicionamos esse hábito de introspecção, ele acaba acontecendo dentro do sono em si. 
      Isso me lembrou de imediato, o Método da Contagem  que já publiquei por aqui. Porém, trata-se de levar o pensamento questionador e curioso para dentro do sonho, na medida em que conseguimos impregnar nossa mente dele. Acredito que boa parte dos onironautas em geral já deve ter feito isso. É engraçado acompanhar o turbilhão de pensamentos que parecem brotar involuntariamente quando estamos na iminência de cair no sono.
      Particularmente eu lembro de inúmeras vezes estar tentando aplicar o Método da Contagem e me flagrar pensando em outras coisas!… 

O Método Rapport é essencialmente uma maneira de condicionarmos nossa mente a  interromper seu fluxo espontâneo de pensamentos enquanto adormecemos. Com ele, corremos o ótimo risco de repetir esse processamento durante um sonho.

      
      O Método de Rapport é de uma simplicidade surpreendente. Deve-se ressaltar que não é necessário se esforçar de maneira ansiosa tentando manter a consciência. Pelo contrário! Basta apenas ir acompanhando os pensamentos. Serenamente.

       Vou tentar colocar nas minhas palavras, caso o texto extraído do livro do LaBerge, tenha ficado confuso. Aproveito para eu gravar melhor esse método também. ;P

       Método Rapport(em minhas palavras):
       
       Quando estiver deitado, pronto para adormecer, procure em curtos períodos, interromper seus pensamentos e refletir sobre o que vinha pensando. Faça isso até adormecer.
       Inicialmente, deixe seus pensamentos fluirem… então interrompa o fluxo e reflita sobre o que exatamente pensava. Deixe fluir novamente e depois interrompa novamente procurando mais uma vez refletir sobre o que pensava, antes de interromper o fluxo. Faça isso sucessivamente até cair no sono.


       Muito provavelmente essa idéia seja ainda mais interessante de ser aplicada, quando for tirar uma soneca ou caso esteja aplicando o MILD, WBTB ou algum outro Método de Indução de Sonho Lúcido que se utilize do macete de acordar após 6h de sono.

Uma boa dica é aplicar o Método Rapport quando for tirar uma soneca ou ainda quando acordar pela 6ª hora de sono e voltar a dormir.

      
       Vale ressaltar ainda o entusiasmo do psiquiatra que era um sonhador lúcido, pela área da consciência nos sonhos. Nas palavras de Naportt:

       “Quanto às glórias misteriosas oferecidas pelos sonhos e tão pouco relembradas, por que tentar descrevê-las? Essas fantasias mágicas, os jardins estranhos mas lindos, esses esplendores luminosos, são desfrutados somente por quem está sonhando que os observa com interesse ativo, espiando-os com uma mente acordada e apreciadora, agradecido pelas glórias que ultrapassam até as que os dotes mais requintados conseguem conceber na realidade. A beleza fascinante encontrada nos sonhos compensa amplamente o seu estudo. Mas existe um apelo maior: se dermos atenção aos sonhos, o estudo e a cura da mente que está fora de contato com a Realidade podem ser auxiliados. E quando arrancamos segredos do mistério da vida, muitos deles terão sido descobertos em sonhos agradáveis.”



Bibliografia:

LABERGE, Stephen. Sonhos Lúcidos. 1985
Ed. Siciliano Livros, Jornais e Revistas Ltda. 1990(esgotada)

   As recomendações a seguir, foram elaboradas por pesquisadores especialistas em Medicina do Sono, conforme fonte bibliográfica no rodapé. São orientações para todos interessados em uma boa noite de sono, com reflexos claros para nós onironautas. Foram denominadas de “Higiene do Sono”:
Recomendações especiais elaboradas por especialistas no estudo do sono, podem ser cruciais para possibilitar bom sono e por conseguinte, nossos sonhos lúcidos!
– Procure se deitar e levantar em horários regulares todas as noites.
– Vá para a cama somente quando estiver com sono, não usando a cama para leitura, ver televisão ou alimentar-se; para essas atividades, prefira a sala ou outro ambiente.
– Evite ficar na cama sem dormir; se necessário, levante e faça uma atividade calma até ficar sonolento novamente. Ficar nacama rolando de um lado para outro gera estresse e piora a insônia.
– Tente realizar atividades repousantes e relaxantes depois do jantar. Tome um banho e diminua a luminosidade do quarto enquanto se prepara para deitar.
– Evite o uso de álcool e de cafeína pelo menos 6h antes do seu horário de dormir.
– Evite o uso de medicamentos para dormir sem orientação médica.
– Evite cochilos durante o dia; eles atrapalham o seu sono à noite.
– Não leve problemas para a cama.
– Faça atividades físicas regularmente, porém evite exercícios intensos pelo menos 4h antes de dormir.
Nada de atividades intensas pelo menos 4h antes de dormir…
      Pessoalmente, acredito que a soneca da tarde pode ser bem-vinda, principalmente quando o sono da noite foi comprometido. Digo isso por experiência própria, pois nos dias em que tenho aula, sou obrigado a quebrar meu sono ainda na 4ª ou 5ª hora de sono. Nesses dias sei a grande diferença que faz dormir mais um pouquinho após o almoço, numa bela soneca, para completar aquelas poucas horas de sono da noite.
        Outra situação, são pessoas que tomam medicamentos sem acompanhamento médico especializado para dormir e dormem de tarde?! Aí vemos uma aplicação perfeita da chamada de atenção das recomendações higiênicas. Trata-se de um exemplo criminoso de malefício que a pessoa faz contra o próprio corpo(e mente).
         Os exercícios colaboram muito pra gente fazer bombar nossos hormônios naturalmente e isso também procuro manter nas minhas rotinas. Seja com minha musculação, corridas e caminhadas. É crucial não se tornar um sedentário. Afinal um afinamento cerebral, com seus hormônios neurotransmissores trafegando fluidamente, logicamente te dará muito mais chances de conseguir êxito nos seus experimentos de consciência nos sonhos.

Fonte Bibliográfica:

Neurociência da Mente e do Comportamento
Robert Lent, coordenador – Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008

 

       Sabe-se que os sonhos lúcidos costumam acontecer nas fases REM do sono. E que esses períodos, em que mexemos nossos olhos ávidamente de um lado para outro, vão se prolongando na medida em que o sono vai progredindo. Quanto mais completo o sono, atingindo a 7a e 8a hora, muito maiores serão as fases REM, preenchidas com intensos sonhos vívidos.

É possível passar direto do estado acordado para os sonhos de maneira consciente.
        Stephen LaBerge, relata a experiência que fez com uma sonhadora, Laurie C., nos seus laboratórios de sono, em que a mesma apresentava habilidade para iniciar seu sono se mantendo consciente. O método que se mostrou eficiente para Laurie foi dormir fazendo a seguinte contagem: 1, estou sonhando, 2 estou sonhando, 3 estou sonhando… e assim sucessivamente até se flagrar consciente no sonho!…

        O relato está presente no livro de Stephen LaBerge, Sonhos Lúcidos e eis o interessante relato de Laurie:

         “Estava num supermercado, indo por um dos corredores; só que estava de pé num carrinho de compras que corria tanto que até zunia. Quando passei pelas garrafas de Coca e Pepsi, percebi que estava dormindo. Lembrei-me de olhar para as mãos mas parece que elas não queriam chegar ao nível dos olhos”

        

Impossibilidade de visualizar as próprias mãos podem significar não estar numa fase REM do sono.
           Essa dificuldade de Laurie em conseguir enxergar as próprias mãos, é um forte indício da comprovação da hipótese de  LaBerge de que a manutenção da consciência no estágio inicial do sono, implicaria numa estrutura de sonho inferior ao dos sonhos pertencentes aos períodos REM. “Nos sonhos lúcidos do período REM quem está sonhando normalmente tem um controle volitivo do corpo de sonho.” – afirma LaBerge. Ainda assim o pesquisador, faz a ressalva que é necessário pesquisar mais para se chegar a uma conclusão.

         Stephen LaBerge portanto nem chega a denominar isso como um Método. Trata-se de uma interessante abordagem feita por ele para pesquisar os sonhos iniciais do sono e a manutenção da consciência, ou melhor, a passagem mais direta da vigília ou estado desperto, para a consciência nos sonhos.
         O pesquisador defende ainda ser mais adequado experimentar isso durante as sonecas da tarde, período em que ele experimentou os melhores resultados:

        “Mas a hora ótima para entrar nos sonhos lúcidos REM diretamente do estado acordado pode ser à tarde. Baseio esta sugestão no fato de meu registro pessoal indicar que a proporção de sonhos lúcidos iniciados no estado acordado é seis vezes maior nas minhas sonecas da tarde do que no sono noturno.”

         De minha parte, relato a minha experimentação com o Método da Contagem, num sonho que ocorreu antes do término da minha primeira hora de sono. De início achei que tinha sonhado fora da fase REM, pois analisando os gráficos das fases REM, notei que sempre se inícia nos minutos finais dos primeiros 90 minutos de sono. No meu caso eu acordei e haviam passado apenas 52 minutos.
         Apesar da minha conclusão inicial ter sido que eu havia sonhado fora da fase REM, agora coloco isso seriamente em dúvida, pois o nível de detalhamento foi muito superior ao sonho de Laurie C. e principalmente, a duração foi bem mais que alguns segundos:
         

     “Uma criatura sombria estava grudada em mim. Não me largava e eu tentava não me assustar. A contagem do LaBerge havia dado certo! E sabia que me livraria desse monstrengo. Voava e ela permanecia grudada em mim. Engalfinhada, mas após algumas chacoalhadas e muito autocontrole, me livrei!
Imagem aproximada do que me atormentou no início do sonho lúcido rsrsrs

     
No chão me deparei com uma praça. Muitas árvores ao centro dela. Eu estava próximo de uma casa e flutuei até uma calçada ali no centro pensando numa resposta de um experimento(que é secreto hehehehehe).

      A  resposta veio e assim que a obtive comecei a cantar ela para não esquecer, pois era muito longa.

      Enquanto cantarolava a minha resposta do experimento, lembrei-me de um desafio proposto num tópico “Desafio Lúcido” aqui da comunidade, estipulado na nossa comunidade:

     PRECISO DE UM ESPELHO… e lá fui eu! Encontrei uma casa com uma porta e um vidro bem espelhado. Eis que meu reflexo era de uma moça!… uma moça morena, de pele branquela e bonita! Fiquei pensando se não seria meu lado feminino hehehehehe e então minha imagem apareceu logo atrás.
     Continuei cantarolando a musiquinha da resposta e lembro que cantarolava a maior parte e guardava numa espécie de segunda memória visual o resto. 0_o
      Flutuei até a praça, atravessando a rua e chegou um picolezeiro. Peguei uma caixa de isopor dele e fui batucando a musiquinha… com a minha resposta 😉
      Havia uma lunimonisade muito forte se aproximando e flutuei até uma sacada, para encontrar uma porta e ir para… tentei dar uma pensanda no que desejava encontrar do outro lado, mas cantarolando minha resposta e visualizando uma parte final, peguei na maçaneta e abri para o meu despertar.

           Atenção:   Postagem editada.




Fonte:

LABERGE, Stephen. Sonhos Lúcidos. 1985
Ed. Siciliano Livros, Jornais e Revistas Ltda. 1990(esgotada)


        Peter Fenwick, um renomado neuropsiquiatra, pesquisador há décadas de temas como o cérebro, consciência, mente e experiências de quase-morte, recomenda tirar uma bela soneca como uma maneira para obter sonhos lúcidos. Em 1999 publicou um livro(não há tradução para o português) sobre o tema: The Hidden Door: Understanding and Controlling Dreams.

Uma sonequinha de tarde pode ser uma maneira fantástica de conseguir ter sonhos lúcidos.

 
      No livro Get a grip on Dreams – Fique por dentro dos sonhos – há referência dessa orientação:
       “Fenwick sugere que, como a tarde é um ponto de pico no ciclo de vigília, é menos provável que você adormeça profundamente e, portanto, estará mais sujeito a ter sonhos lúcidos. Talvez seja bom tentar na sua mesa de trabalho?”

        Vale ressaltar, assim como Stephen LaBerge deixa claro na sua obra Sonhos Lúcidos que não se trata de “sono leve”, mas sim de uma soneca que te carrega rápido para os sonhos(talvez o ricocheteio de REM) que ainda estou devendo um texto no Blog. Quer dizer, temos um sono provavelmente um pouco atrasado e a soneca leva a esse passeio rapidamente.

        Pela minha experiência o que posso relatar é que os resultados podem ser bem animadores:

         Eu estava deitado após o almoço, numa deliciosa soneca da tarde. Posição: deitado de costas(decúbito dorsal), mãos em posição confortável, sobre o peito, pés um pouco cruzados nas pontas – rsrsrsr tipo cadáver! kkkkk

      De repente meu sono ficou profundo rapidamente, em função de ter dormido apenas 5 horas durante a noite.

      Eu estava com uma guitarra estranha e dedilhava nela, fazendo brotar uma melodia espetacular! Eu não toco instrumento musical algum! Nem gaitinha de boca. Foi a chave da minha lucidez. To sonhando! Ebaaaaaaaaaaaaa!…

Meu primeiro sonho com música tão intensa. E principalmente, eu me sentido um músico!!!

      Interessante que o local onde estava no sonho, era a cama onde eu sabia  estar deitado, dormindo. Estava lá sentadão com aquele instrumento musical, fazendo jorrar música da mais sublime!
   
     Experimentei diversos toques diferentes naquela superguitarra e a música que saía era embriagante… caramba, como pode eu conseguir fazer isso e… eu nunca havia escutado música dessa maneira num sonho. Pelo menos não lembrava. E era um questionamento frequente na vigília.

      Devo ter tocado umas 3 músicas inteiras. Uma mais impressionante que a outra. Quando interrompi em definitivo, escutei o ar condicionado do quarto. Era um barulhão! Eu estava dormindo, no maior breu no quarto, escutando o barulho do AC e resolvi sair da cama usando uma das táticas do WILD… 

      De repente eu não estava mais com a guitarra na mão e sim deitado. Em decúbito dorsal.

      Eu experimentei deslizar da cama. Cheguei a me preocupar se não ia cair da cama, mas lá fui eu. Uuuuooooooooowww! Planei pelo quarto em direção à porta, na mesma posição como eu estava na cama. E daí levei um chute na canela?!… rsrsrsr minha esposa tocou em mim enquanto ela dormia e acordei kkkkkkkk