Tag

Como Enfrentar Pesadelos

Browsing

Ryan Hurd é um sonhador lúcido muito gente fina. Além de colaborar na divulgação do tema dos Sonhos Lúcidos, possui Mestrado em Estudos da Consciência e Certificado de Estudo dos Sonhos pela Universidade de John F. Kennedy. Também é graduado em Arqueologia . Passou vários anos escavando ruínas na América do Norte, antes de se voltar para as pesquisas dos sonhos e da mente. Também mantém um site sobre a consciência nos sonhos e assuntos relacionados.

Ryan Hurd 

1) Como você se interessou por sonhos lúcidos?


Ryan Hurd: Sou um  sonhador lúcido desde adolescente. Primeiro eu tinha alguns pesadelos e então alguns sonhos sexuais divertidos na época que descobria minha sexualidade.  Foi a época que surgiram os sonhos lúcidos.

2) Quando foi sua primeira grande experiência com sonhos lúcidos  e você poderia nos contar qual foi sua experiência mais marcante?


Ryan Hurd: O primeiro sonho lúcido totalmente mais intenso foi um pesadelo. Um monstro saiu de uma televisão. Eu falei para ele voltar de onde tinha vindo. Muito intenso. Como minha experiência mais marcante, fica difícil dizer. O que me ocorre agora é uma série de sonhos lúcidos quando eu conheci minha avó e outros ancestrais e nós todos ficamos envolvidos numa experiência de amor. Aquilo foi profundo, difícil de descrever, mas foi um sentimento como se eu tivesse mergulhado, por meio das recordações dos meus ancestrais até o começo dos tempos.

É interessante notar como os pesadelos marcam bastante presença na infância dos sonhadores lúcidos.

3) Atualmente você tem usado alguma técnica em especial, como Tholey, MILD, WILD, CAT…? Você tem preferência por algum reality check(teste de realidade)? O que você acha das dicas especiais como usar um Diário… poderia nos dizer algo sobre rotinas ou técnicas especiais?


Ryan Hurd: A técnica mais eficiente pra mim é combinar práticas de sono com exercícios mentais. Por exemplo, despertando no meio da noite e fazendo 15 minutos de meditação ou lendo sobre sonhos lúcidos. Então eu tento voltar a dormir aplicando WILD. Mas em geral eu tenho incorporado práticas lúcidas na minha rotina diária e tem se revelado mais eficiente a longo prazo. A mente tem continuidade do estado desperto para o sonho, então treine sua mente para ficar consciente quando acordado(a)!. Nos Estados Unidos, isto é conhecido como viver lucidamente e todos usam suas próprias praticas de acordo com sua vida e/ou espiritualidade. É algo pessoal.

4) Com que freqüência você tem sonhos lúcidos por semana ou por mês? Normalmente como é sua rotina quando você atinge uma alta freqüência de sonhos lúcidos? Isso acontece quando você tem grandes problemas pessoais pra resolver ou em um período mais pacífico… quem sabe praticando mais exercícios como corrida…?


Ryan Hurd: Existem muitas pessoas que tem mais sonhos lúcidos que eu! Quando eu não estou incubando ou tentando ficar consciente nos sonhos – a maior parte do tempo – eu tenho 2 ou 3 sonhos lúcidos por mês. Eles tendem a vir juntos num intervalo de tempo de 10 dias, em vez de espaçados, acabam vindo tudo junto. Mas pode ser cansativo, especialmente tentando encontrar tempo para escrever todos eles!

Arte de Jeremiah Morelli 
http://www.morjers-art.de/index.htm 

5) Alguns sonhadores lúcidos enviam emails para mim pedindo auxílio porque eles tem experiências ruins algumas vezes. Eu tento explicar como é importante entender a causa dos pesadelos(mesmo nos sonhos lúcidos). Eu sei que você tem boa experiência explorando sombras e o “botão do horror” nos sonhos lúcidos. O que você normalmente sugere?


Ryan Hurd: Primeiro, eu gosto de dizer que pesadelos são parte natural desse trabalho. Eles vem com o território e eles não são uma falha do sonhador. Normalmente essa é a parte mais assustadora para os sonhadores: quando eles percebem que existem forças nos sonhos que além do Eu. Isso é uma coisa boa e um passo importante. Encarar o terror é sobre a edificação da coragem, mas requer algo mais, como cultivar a compaixão. Se você pode enfrentar o que lhe assusta(a coisa em si e para si mesmo), então você conhecerá o sonho em pé de igualdade e essas aparições assustadoras se tornarão menos assutadoras e mais instrutivas.

    Baseado em dúvidas recorrentes de onironautas e interessados por sonhos lúcidos e paralisia do sono, resolvi fazer um pequeno texto, exclusivo sobre como fazer uma Paralisia do Sono virar um Sonho Lúcido.

A sensação de imobilidade pode ser bem ruim, especialmente para quem desconhece a paralisia do sono.  Nessa situação, estamos conscientes, mas incapazes de movimentar o corpo. Na imagem, mais um duelo entre o cabeça-de-teia e o Homem-Areia(personagens da Marvel).

    A paralisia do sono, é aquele momento, no início ou ao final dos ciclos do sono, em que a pessoa sente o corpo em total rigidez, ao mesmo tempo em que se sente desperta. Essa imobilidade do corpo é um mecanismo natural que ocorre normalmente nas fases REM, enquanto estamos dormindo. É conhecida tecnicamente por “atonia muscular da fase REM”. Sem isso, durante nossos sonhos, poderíamos executar perigosamente os movimentos. Imagine a situação de estar sonhando que vai voar de um prédio, quando na verdade teu corpo está mesmo na sacada do seu apartamento!…

   Vale ressaltar que sonambulismo não se trata da situação descrita acima, pois o distúrbio não acontece na fase REM. Porém tenho minhas dúvidas se a pessoa, nesse caso, de fato não está sonhando com algo. Já presenciei sonambulismo e o que vi era alguém interagindo com um cenário! rsrsrsrs

Arte de Ivan Kramskoy: the Sleepwalker. Sonambulismo não é paralisia do sono.  

    No caso da paralisia do sono, são sintomas típicos a sensação de estar paralisada(o) e sufocamento. Podem acontecer sintomas como alucinações visuais e/ou auditivas. Pode-se sentir essa paralisia, além da total incapacidade de se mexer, como também uma forte pressão sobre o peito, cabeça, pernas etc..

     Quando a paralisia está acontecendo com muita frequência, pode se tratar mesmo do distúrbio(da paralisia do sono). Caso não seja possível converter isso em sonho lúcido e continue a incomodar, o recomendável é procurar um médico da área do sono. Provavelmente poderá resultar na ida num laboratório de sono para analisar melhor o caso.

      A Conversão:

Procure imaginar, algumas vezes durante o dia, um cenário que seja agradável pra ti. Imagine-se estar sonhando com tudo aquilo. Teu sonho e interagindo com tudo, explorando serenamente, com muita paz, amor e tranquilidade.

No próximo evento de paralisia do sono, resgate esse cenário que você imaginou bastante no estado desperto. Lembre-se dele! Inunde tua mente com o que tu exercitou.

Ainda durante a paralisia, já visualizando o cenário, sinta-se interagindo com ele, fazendo coisas simples, seja caminhando por ele, observando e sentindo o que exercitou quando estava acordada(o).

Finalmente atingirá o sonho lúcido. Teu sonho, com tuas criações mentais. Só na paz, amor e toda experiência e muito prazer, possível e imaginável… sem limites!

Adentrando teu sonho, tua exclusiva criação mental… teus construtos e vontade. Na imagem, Mr. Anderson, totalmente transformado em Neo, atingindo sua superconsciência, no filme Matrix.

Em último caso, caso não consiga bons resultados, é recomendável procurar um médico da área do sono. Existem muitos medicamentos e hormônios sintéticos.

      Muitos onironautas que esporadicamente ou com mais frequência, acometidos pela paralisia, optam pelos métodos WILD e VILD.

      Para outras informações sobre paralisia do sono, como interromper um episódio ou como evitar, recomendo outro post:
https://www.sonhoslucidos.com/2011/01/o-que-e-paralisia-do-sono.html

     Volta e meia retorno ao tema da recordação dos sonhos. Faço isso devido a grande influência que aprender a lembrar os sonhos, exerce sobre o desenvolvimento da habilidade de ficar consciente neles. É um pilar que precisa ser bem construído, por todo aquele que deseja ter sonhos lúcidos.

Provavelmente o primeiro passo a ser dado, no desenvolvimeno da habilidade de ficar consciente nos sonhos é compreender a importância de aprender a recordar os sonhos.

      Existem fatores que são bem importantes na determinação da capacidade de recordar um sonho. Já abordei os fatores externos(modo de acordar, períodos do sono etc..) e passo agora às condições de vida.

Condições de Vida

      Não é incomum encontrar pessoas que tiveram suas primeiras experiências com controle de sonhos, a partir de pesadelos durante a infância. Beverly D’Urso foi assim, para os senóis isso era uma prática corriqueira, típico da sua cultura e eu também tive meu início desse modo.

Pesadelos são invariavelmente um dos tipos de sonhos mais fáceis de recordar.

      Quando estamos submetidos a situações de crise, problemas difíceis a serem enfrentados ou diante de grandes conflitos é natural perceber a ocorrência de pesadelos ou sonhos mais intensos. Essa linha de pensamento, segue a teoria de que uma das funções dos sonhos é servir de preparação para o enfrentamento da realidade. Quanto mais dificuldades a serem sobrepujadas, maiores as chances de sonhos relacionados acontecerem… e portanto sonhos mais dramaticamente fortes.

       De acodo com a psicóloga e professora da Universidade de Zurique, Verena Kast:
“É mais provável lembrar-se de sonhos e de compreendê-los durante crises existênciais.(…)Nessas situações a maioria das pessoas é mais permeável, espera pelos sonhos e deseja que estes lhe prestem auxílio.  Os sonhos são compreendidos à luz da atual situação complicada e vinculados a ela. Isso nos dá a impressão de que podem ser compreendidos com mais facilidade do que em situações onde a vida apresenta várias temáticas emocionalmente significativas com quais um sonho pode ser relacionado.  Eventualmente os sonhos também podem ser compreendidos melhor nas situações de crise, pois há menos mecanismos de defesa em ação(…).”


      Uma conclusão interessante que podemos tirar disso tudo é que emoções fortes no dia-a-dia seria bem mais conveniente para o onironauta do que uma rotina enfadonha. Procurar vivenciar de maneira mais intensa as experiências do cotidiano, ficar menos no “automático” e buscar uma vida mais “lúcida”. Como diria Spock… “Fascinante”.


Bibliografia:

KAST, Verena. SONHOS – A Linguagem Enigmática do Inconsciente. Editora Vozes. 2010

É  muito fácil se deixar levar pela narrativa do sonho e isso equivale a dizer que nossa consciência é tragada pela força do sonho em si. Parece uma contradição, pois tudo que acontece no sonho faz parte da nossa mente. Os personagens que aparecem, o cenário, o enredo louco… e muitas vezes, até nós podemos deixar de ser aquele personagem e assumir outra forma. Perdi a conta de formas de ser que já assumi sonhando: árvore, mulher, zumbi, Hulk, cachorro, o Denzel Whashington, … até história sem um EU  o_O

Nos sonhos podemos perder a consciência facilmente e nos transmutarmos em qualquer outro personagem. Um dos meus prediletos foi uma árvore que na próxima “encarnação” queria ser uma árvore “Dodô” que no sonho, era sábia e imortal 😉

A natureza do sonho é o resultado do que está pulsando aleatoriamente em nossa mente enquanto dormimos. Caso as preocupações sejam fortes demais, o negócio é se preparar para o combate. Pois os pesadelos não tardarão a surgir. Melhor ainda: usar o pesadelo para compreender o que de fato acontece. Quem sabe, lutar por uma solução(Elias Howe que o diga!).

Acometido por pesadelos nas duas últimas noites, não perdi as oportunidades para refletir bem  sobre os mesmos e também claro para ficar lúcido 😉

Acometido por certas preocupações, eis que nas duas últimas noites, tive no meio de dois grandes sonhos, situações críticas em que fui agredido. E… eu não estava lúcido…

Vou relatar como reagi a esse último em que eu era um membro da máfia:

“Estava envolvido num duelo de quadrilhas de mafiosos. Uma quadrilha vinha tentando metralhar um dos nossos. Eu como novato, nao sabia  bem como reagir. Os inimigos vinham, invadiam a frente do lugar e disparavam as metralhadoras tentando pegar “aquele um dos nossos”. Dessa vez viram um retrato de quem eles queriam e dispararam. Atacaram com violência atirando e conseguiram finalmente pegar ele.
Dessa vez eu era um membro da máfia, em meio a uma guerra violenta.
Nosso chefe ficou furioso e corremos atrás. Eles escaparam por um bueiro pequeno. O chefe queria sair à caça deles. Eu estava querendo era ir embora e estava preocupado pois minha família, minha esposa me esperavam. A frustração do cabeça da quadrilha era intimidante e resolvi seguí-lo. Mas no caminho fui convencendo ele que não valia a pena somente nós partir pro confronto. Que precisávamos de mais canos de arma! Que qualquer ajuda era bem-vinda nessa guerra.
Então quando passamos pelo Queixada(amigo da época da escola), convidei ele para se unir a nós. Ele e o pai dele pareciam ter ficado lisonjeados de entrarem para aquela família da Máfia. Eles tinham peixes muito exóticos ali e eu ia alimentando com pequenos pedaços de algodão doce. Disseram que não tinha problema e eu ia jogando. A irmã do Queixada pediu para eu dar cobertura enquanto ela saia de casa se juntando a nós.
Já formávamos um grupo melhor. Essa irmã do Queixada era estilo Trinity, uma guerreira de primeira.
 
Com a chegada da Trinity, tudo parecia melhorar!
 
Ao chegarmos na base da quadrilha inimiga encontramos um sistema de defesa terrível. Havia uma montanha russa com muitas metralhadoras que atiravam para todo lado. E nossa primeira tentativa fora um fracasso. Mas pelo menos ninguém morrera.
 
Uma vasta quantidade de armas nos esperava na base inimiga.
 
 
Na segunda tentativa exploramos a própria montanha russa, instalando explosivos e metralhadoras escondidas, tudo muito sorrateiramente.
Ao chegarmos novamentene, eles pareciam ter adivinhado nosso plano e não atacaram mais frontalmente como antes. Nossso plano fora por água abaixo. Os ataques vieram de outros lados e logo ficamos em situação difícil. Parecia  que estava tudo perdido quando eu percebi que era sonho. Comecei a pegar aqueles capangas pelas mãos e a desintegrar eles. Fazia murchar como pequenos balões.
A consciência me atravessou e eu sabia que nada no sonho podia me fazer mal e que eu dominava tudo. 
 
Dizimei alguns dos inimigos com meu toque destintegrador e então resolvi virar um Super Sayagin, dos DragonBallz. Tive que me esforçar. Eu queria minha aura brilhante e nada… gemia e gritei, meio com medo que meu corpo gritasse na cama. Mas a aura brilhou e eu me ergui no ar soltando raios poderosos.
Destrui tudo e encontrei umas sementinhas mágicas da série animada. Vieram umas crianças da linhagem inimiga oferecendo as sementinhas, explicando quais faziam mal e tudo ficou bem. Acordei.”
         Nos dois sonhos, o que me fez surtar, surgindo a consciência, foi a agressão a alguém que eu amava ou protegia. No outro sonho a agressão fora direta contra minha esposa. Imaginem como minha consciência brotou forte 😉  Mas deixarei o relato para o tema de sonhos criativos(foi um sonho totalmente sci-fi! hehehehe).

Recado final – uma dica para quem estiver interessado em acessar um site sobre “significado dos sonhos” : https://www.segredosdosonho.com.br/significado-dos-sonhos/

     Assim como diversos relatos de sonhadores lúcidos, o começo do meu interesse por sonhos também aconteceu em função de fortes pesadelos durante minha infância. Reparem como até Beverly D’Urso, uma das pessoas com maior habilidade pra manter a consciência nos sonhos, também teve seu interesse inicial por sonhos, despertado por seus pesadelos!
    No meu caso, também eram sonhos aterradores, como por exemplo familiares me perseguindo com um machado, meus pais morrendo e coisas do gênero.
     Um divisor de águas para mim e que me fez passar a enfrentar os pesadelos, foi a leitura de um texto sobre a maneira como os senóis, habitantes selvagens da Malásia, encaravam o mundo dos sonhos.
Eu literalmente acabei virando o Hulk ao enfrentar meu primeiro pesadelo!
 
Teve um trecho que li nesse livro(eu era um pivete, lá pelos anos 80) que nunca mais esqueci:
“Os senóis acreditavam que toda pessoa devia tentar controlar seu próprio universo espiritual sonhando, exigindo e recebendo a cooperação de todas as personagens e forças nele existentes. Essas personagens e forças são reais. Quando se mostram ameaçadoras, o sonhador deve combatê-las, chamando pelo socorro de imagens oníricas de amigos se necessário(personagens oníricas são perigosas apenas enquanto temidas). “
       Agora o trecho especial que me marcou: ” Se o sonhador vence a batalha, o espírito inimigo se torna seu aliado ou servo que poderá lhe ajudar em sonhos futuros e durante a vigília.
        Quando li tudo isso, eu já era um ávido leitor de quadrinhos Marvel/DC. E outra orientação fabulosa desse livro eram as orientações de “incubação de temas nos sonhos” de ninguém mais, ninguém menos, do que minha psicóloga predileta e escritora: Gayle Delaney!… o_O Bom isso só vim a saber por agora, depois que passei a reler o livro.          
        Lembro que na época, após ler sobre ser possível a gente influenciar o tema dos sonhos, passei a sonhar com muita frequencia com personagens que se tornavam super-heróis e eram criados ali mesmo durante meus sonhos. Depois ao acordar, os transportava para meu universo de historinhas(e o de um velho amigo), com meus bonecos humanóides, andróides e alienígenas.

           Meu primeiro pesadelo enfrentado:
           “Um assaltante estava me perseguindo na nossa casa e eu procurava de todo jeito fugir dele, mas não conseguia despistá-lo. Até que cheguei num sótão da casa e não tinha mais para onde fugir.
            Quando o criminoso se aproximou eu lembrei que poderia enfrentar ele, pois afinal tudo aquilo era um sonho!… E então me transformei no Hulk! Virei o gigante esmeralda rapidamente e dei um  murro monumental que o fez sair voando pela janela!!”
Livro que me inspirou na infância ao relatar o exemplo das tribos senóis que ensinavam os filhos a enfrentar seus pesadelos, transformando seus inimigos em futuros aliados.
        Obviamente o foco do livro vai para o lado esotérico. O próprio título de Seleção Esotérica já deixa claro. Porém há de fato informações bem valiosas, como por exemplo pesquisas na área do sono e dos sonhos.
       
“A reputação de equilíbrio psicológico atribuída aos senóis vem do seu trabalho com os sonhos, cujo significado os orienta nas decisões relativas à vida tribal. (…) Se uma criança senói sonha que está sendo atacada, a família a encoraja a voltar ao sonho e enfrentar o agressor. (…) Eles acreditam que ´lutando até a morte´ num sonho, libera-se uma energia positiva da parte da consciência que formou aquelas imagens.”

Soozi Holbeche em:
“Como os sonhos podem nos ajudar”, Ed Cultrix

       Até hoje nunca houve qualquer notícia de algum sonhador lúcido com sequelas porque experimentou a consciência durante os sonhos. Volta e meia a questão entra em discussão nas comunidades, mas é interessante dar atenção para deixar bem claro algumas coisas.
       Uma delas é que os sonhos lúcidos, vem sendo praticados naturalmente há séculos atrás. Os yogues tibetanos dominam secularmente as técnicas e a menos que a gente aceite o estilo de vida deles como insanidade ou loucura, eles continuam levando a vida deles numa buena.
Yogues tibetanos praticam sonhos lúcidos há séculos, sem quaisquer efeitos colaterais.
       No ocidente há relatos bem conhecidos, de séculos atrás, seja como o do marques Saint Denys e do psiquiatra Holandes, Fredrick Willelms Van Eeden(sonhos anotados desde os 13 anos – 352 sonhos lúcidos num período de 14 anos) que pesquisavam e exercitavam seus sonhos lúcidos.
        Existem sonhadores lúcidos com altíssima frequencia de consciência nos sonhos, como a Beverly D’Urso, Worsley, LaBerge e esses caras são estudiosos e muitos deles com doutorados e Ph.D… o_O ô mentezinhas perturbadas heim! Um relato ou mensagem da pesquisadora e sonhadora lúcida, Ph.D, Beverly D’Urso pode ser encontrado aqui:
Beverly D’Urso, Ph.D, pesquisadora que colaborou com a comprovação da existência dos sonhos lúcidos na década de 80, nos laboratórios de sono da Universidade de Standford, com Stephen LaBerge, é uma das maiores sonhadoras lúcidas do mundo.
        O que me parece mais provável na minha opinião, ressaltando que sou leigo e não tenho formação na área de psicologia ou psicanálise,  é sim que ao voltarmos alguma atenção para os nossos sonhos, certos problemas que haviam passado despercebidos no nosso cotidiano comecem a se manifestar. Basta lembrar que um dos primeiros passos para conseguir lembrar de um sonho é começar a anotar os seus sonhos. Apenas isso já é suficiente pra trazer um relatório do que anda se passando com mais frequencia pela mente enquanto estamos dormindo. Isso nos aproxima de interessantes pensamentos da Dra. Gayle Delaney, uma das maiores autoridades do planeta, quando o tema são os sonhos.




Gayle Delaney, uma das maiores autoridades do tema dos sonhos na psicologia, possui opiniões bem interessantes sobre os sonhos lúcidos.
        Claro que agora estou apenas especulando, mas não parece razoável que ao tentarmos confrontar nosso próprio universo mental, certos medos, problemas de consciência, grandes preocupações possam se manifestar?… Talvez. E caso isso aconteça, isso é uma bela oportunidade para procurar entender porque esse teu problema ainda não foi resolvido. Vale a pena rever um trecho da Dra. Delaney que cito em outro post do blog: https://www.sonhoslucidos.com/2010/04/como-enfrentar-pesadelos.html .

        Deve ficar claro para todo aquele que procura se aventurar nessa nova área, seja por estudo, diversão ou controle de pesadelos que não há quaisquer registros de algum prejuízo mental ou físico, causados pelas experiências do uso da consciência durante os sonhos. Reiterando se tratar de uma prática efetuada há séculos que apenas nas últimas décadas está recebendo atenção da comunidade científica.

AVISO:  adicionei a ferramenta de Seguidores do blog, na forma de  “sonhadores lúcidos”, no canto embaixo a direita. Agradeço as visitas, aos votos na enquete e também aos que adicionarem(seguir)  😉