Tag

inicio1

Browsing

Os sonhos lúcidos podem nos oferecer benefícios. Os limites disso apenas começaram a ser estudados. Entre os resultados promissores de pesquisas já realizadas e outras possibilidades promissoras, irei tratar no presente texto.

Benefícios dos Sonhos Lúcidos

Desenvolvimento de Habilidades

Em primeiro lugar, os sonhos lúcidos podem servir para melhora de performance em atividades que envolvam habilidades motoras. Foram conduzidas algumas pesquisas com resultados positivos, na Alemanha, boa parte delas por Daniel Erlacher¹. Desde a década de 80 essa tese já vinha sendo defendida pelo pesquisador alemão, Paul Tholey. Esses experimentos evoluíram consideravelmente nas ultimas décadas.

Prazer

Por outro lado, é inegável o caráter lúdico ou do prazer que o sonho lúcido pode proporcionar. Em outras palavras, mesmo para não praticantes de sonhos lúcidos, o prazer fica explícito como sendo uma das primeiras coisas que podem ser oferecidas no sonho. Seja reencontrando uma pessoa querida, realizar atividades sexuais ou desfrutar de cenários e personagens mirabolantes… o limite para isso sempre será a própria imaginação.

Liberdade

Entrementes, a liberdade que pode ser sentida no sonho lúcido, possui uma qualidade sem comparação. Só para ilustrar, quando estamos acordados, vivemos sob um regime de leis e convenções sociais típicas de uma espécie submetida ao convívio social. E de fato, precisamos desse regramento. Porém nos sonhos, especialmente nos sonhos lúcidos, não existirá qualquer tipo de restrição externa. Por conseguinte, o tipo de liberdade que será sentida ou vivenciada não terá comparação alguma. Uma espécie de liberdade absoluta.

Controle de Pesadelos e Autoconhecimento.

Os sonhos lúcidos podem servir para uma introspecção sem paralelo. No momento em que mergulhamos em um sonho, especialmente quando estamos lúcidos, temos a oportunidade de reconhecer elementos que costumam estar escondidos ou invisíveis durante a vigília (estado desperto). De tal sorte que será corriqueiro nos depararmos com personagens e objetos que nos causarão estranheza, alegria, medo, euforia, entre outros sentimentos… invariavelmente certas situações terão causas em nossas próprias razões de ser. Por qual razão essa criatura abominável continua me atormentando nesse ou aquele sonho?! Por que mesmo lúcido, esse tipo de cenário insiste em aparecer??

Em contraste com certos conceitos de sonhos lúcidos que envolvam necessariamente “controle dos sonhos”, defendo a ideia da concepção de sonho lúcido como “consciência no sonho”. Não apenas a consciência, mas a lucidez em elevado grau. Por isso a possibilidade de compreender melhor o que está se passando em nosso interior, afinal durante um sonho lúcido, estamos mais próximos do que nunca, do que realmente está acontecendo em nossas mentes.

Com relação a questão de controle de pesadelos, também defendo a ideia de que o sonho lúcido não deve ser entendido rasamente como controle obsessivo dos sonhos ou mesmo de pesadelos. Os pesadelos podem servir como uma oportunidade para tentar entender o que está se passando conosco.

Criatividade ou Resolução de Problemas

Durante o estado mental dos sonhos, podemos ter acesso a uma maneira diferente de pensar ou lidar com problemas. Existe uma extensa lista de cientistas que obtiveram benefício para seus estudos, por meio dos sonhos, escritores, poetas, músicos, pintores, inventores, entre outros, os quais se utilizaram dos sonhos para ter suas ideias criativas ou chegar a insights poderosos. Por exemplo o caso de Paul McCartney quando acordou com parte da melodia da música Yesterday. É a música mais regravada de todos os tempos! Elias Howe teve a solução para criação de sua máquina de costura de ponto fixo num sonho. Sua invenção causou uma revolução na indústria têxtil. Mary Shelley com a criação de Frankenstein. A cadeia de benzeno de Kekulé, quando sonhou com as cobras… Mendeleiev quando se esforçava para ordenar a tabela periódica e uma infinidade de outros exemplos.

Pesquisas da Mente

Por fim, os sonhos lúcidos estão sendo utilizados para pesquisas multidisciplinares, envolvendo neurocientistas, psicólogos e filósofos da mente. Procurar entender a natureza dos sonhos, sua finalidade, quais regiões do cérebro estão mais ou menos ativadas nesse estado mental… trata-se de um modelo muito precioso que está fornecendo caminhos instigantes para o estudo da mente, dos sonhos e da consciência.

Referencias Bibliográficas:

1 – Schadlich, M. Erlacher, D. (2018). Practicing sports in lucid dreams – characteristics, effects implications. Current Issues in Sport Science, 3:007. doi: 10.15203/CISS_2018.007

Desde 2008 em atividade, o site sonhoslucidos.com agora está com uma nova mídia em atividade: agora temos um canal no youtube! Periodicamente irei apresentar um vídeo o qual servirá para enriquecer o alcance e a troca de informações entre onironautas.

Requisitos básicos para ter sonhos lúcidos:

1 – Motivação

2 – Técnicas eficientes

3 – Recordação dos sonhos

Motivação

De acordo com Stephen LaBerge, mais importante do que uma grande vontade de ter sonhos lúcidos é acreditar que vai ter. Não se deve achar que é uma das coisas mais importantes da vida. Apenas a expectativa em mente de que conseguirá será fundamental.

Técnica Eficiente

Deve-se escolher pelo menos uma técnica de indução: MILD, WBTB, Tholey, WILD, FILD, Incubação, entre outras. A ideia é manter a prática de uma das técnicas e isso vai contribuir para que a expectativa do sonho lúcido se mantenha em mente.

Diário dos Sonhos

O nível de capacidade de recordação que LaBerge está tratando é aquela de conseguir se recordar de pelo menos um sonho por noite. Fazer um Diário de Sonhos irá ajudar muito nisso e ainda mais. Permitirá desenvolver uma familiaridade com a estrutura dos seus sonhos. Cada vez mais eles lhe serão ainda mais reconhecíveis, ao ponto de até naturalmente acontecer a percepção de que está sonhando, durante um sonho.

Por fim, para reforçar a importância do Diário de Sonhos, aumentar a capacidade de lembrar os sonhos, poderá impedir de que se esqueça que teve um sonho lúcido, no caso de acontecer. Num próximo texto, irei reforçar as melhores dicas para escrever e melhorar a memória dos sonhos.

Referência Bibliográfica:

LABERGE, Stephen. Lucid Dreaming: A Concise Guide to Awakening in Your Dreams and Your Life. Sounds True Inc. 2009. p. 17-20.

       Depois da visão, o tato é o sentido mais forte que carregamos para os sonhos. Nesse sentido, a sensação tátil pode servir como ferramenta poderosa para ter um sonho  lúcido.  Desse modo, considerando os textos anteriores, o uso do tato é particularmente eficiente.Especialmente para situações em que nos flagramos conscientes, momentos antes da formação do sonho. 
 
 
Mesmo nos momentos de maior escuridão que antecedem os sonhos, com um lampejo de consciência, podemos aproveitar e utilizar a sensação do tato para adentrar o sonho com consciência. Na imagem, cena do excelente filme Matrix.
 
 
         Com o fim de aplicar essa sensível percepção, resolvi fazer mais um experimento. Em um sonho recente, após um despertar pela 5ª hora de sono para beber água, retornei a cama e na medida que adormecia, consegui manter em mente o plano de ficar consciente no sonho. Ao perceber que estava adormecendo, em meio a escuridão esmagadora pré-sonho, procurei utilizar-me da sensação de tato.
O Experimento
 
“Tateei pela escuridão, procurando por alguma porta. Permaneci assim por um tempo, até que finalmente senti a textura do que parecia ser uma porta. Deslizei a mão até a região onde deveria estar a maçaneta. Encontrei-a e girei. A porta se abriu no que parecia ser um gigantesco andar vazio de um prédio.
 
Caminhei pelo andar vazio e comecei a observar diversas cadeiras e mesas nos cantos. Parei a caminhada e comecei a flutuar. Segui em frente, flutuando em pé. Estiquei meus braços para os lados apontando para as diversas cadeiras e elas fora arremessadas para o ar. Apontei para as mesas e flutuaram da mesma maneira. Segui flutuando em frente e observando um espelho, ao passar por ele virei-me para conferir qual seria dessa vez minha imagem… e vi a indumentária do Darth Vader em mim. Com capacete e tudo, continuei flutuando e arremessando todas cadeiras e objetos que estavam por ali. Sentia-me incrivelmente no controle desse sonho, como há muito tempo não acontecia.
 
 
 
 
Em seguida encontrei uma mulher de cabelos compridos sentada numa cadeira em uma pequena mesa. Aproximei-me do personagem e ao sentar devo ter caído em algum falso despertar ou simplesmente não recordo mais o que aconteceu.”

Conclusão

Em resumo, naqueles momentos que antecedem a formação do sonho – os quais podem ser mais facilmente verificados quando tiramos uma soneca – o uso da percepção tátil pode servir de maneira fabulosa para ter um sonho lúcido. Por conseguinte, durante a aplicação de técnicas como a MILD, Tholey, FILD, DEILD, entre outras… sempre quando nos utilizarmos daquela despertada pela 5a ou 6a hora de sono, o tato jamais deve ser esquecido. Ele parece ter efeitos poderosos na nossa transição ou equilíbrio para o estado mental do sonho lúcido. Por isso, durante o estado desperto, recomendo dar a devida atenção para suas sensações táteis. Desfrute desse sentido, para melhor aplicação nos seus sonhos!

   A impressão que eu normalmente tenho, logo após ter um Supersonho Lúcido, é de que os jogos do futuro serão assim. Não existe game ou qualquer droga capaz de reproduzir o que nosso cérebro é naturalmente capaz de fazer, especialmente considerando, a ausência de efeitos colaterais.

   O mais próximo do que esse futuro poderá ser, foi apresentado em Vanilla Sky e o Passageiro do Futuro. Também o gênio da ficção científica Phillip Dick nos apresentou simulações fascinantes com Vingador do Futuro e Os Três Estigmas de Palmer Edricht. Matrix também nos trouxe algo bem interessante.

   Mas como ainda estamos apenas engatinhando nessas tecnologias mirabolantes, resta-nos aproveitar o que encontramos no presente, ou seja nossas tecnologias já desenvolvidas.

Cena do ótimo filme “O Passageiro do Futuro”, baseado num livro do Stephen King.

Métodos de Indução


   Nossos métodos de indução, desenvolvidos por LaBerge, Tholey e várias outras, derivadas dessas(ou não) por diversos sonhadores lúcidos experientes, servem como uma das principais ferramentas de indução.
Vamos citá-las, pois todas estão bem difundidas pelo blog: MILD, Tholey, WBTB, WILD, DEILD, CAT, FILD, VILD E SSILD.

   Além das técnicas de indução, temos várias outras surgindo a todo momento, por criação de novos ou experientes sonhadores lúcidos. Nesse ponto é importante ressaltar a importância da troca de experiências que procuramos fazer no Fórum e no Grupo do Face.

A troca de experiências entre os sonhadores lúcidos segue como uma das mais poderosas ferramentas no desenvolvimento da habilidade de induzir sonhos lúcidos. 

Máscaras de Indução


   Outra linha interessante que já está no mercado, são as máscaras de indução. Aparentemente elas lembram qualquer máscara tapa-olho de dormir, comumente usados em viagens de avião ou mesmo para dormir em quartos não tão escuros. Essas máscaras já foram analisadas aqui no blog. Eu mesmo adquiri a versão européia REM – Dreamer e assim que tiver os resultados com ela irei apresentar aqui.
    A tão falada Remee, apesar de barata, parece que deixou muito a desejar no sentido de ser um retrocesso tecnológico e não apresentar recursos que a Nova Dreamer e a REM – Dreamer já possuiam.

Em português o filme foi denominado “Sonhando Acordado”. Trata por meio de um drama o tema dos sonhos lúcidos e problemas de relacionamento. 

Suplementos
   
   A galantamina(já tratada por aqui) segue sendo vendida nos EUA como suplemento, enquanto aqui no Brasil ainda é vendida como remédio e com retenção de receita médica. Ainda estou tentando entender direito porque isso acontece. Não acredito que a medicina/bioquímica possam ser áreas tão pouco científicas e divergirem de modo tão gritante, num tema que é delicado.
   Em todo caso já experimentei o suplemento e de fato, em 5 experimentos, consegui ficar consciente tendo um Supersonho Lúcido, um sonho lúcido normal com média duração e nos outros 3 apenas lembrei bem dos meus sonhos.
   Ainda farei experiências, envolvendo um controle mais rígido e provavelmente, numa segunda fase, envolvendo a máscara de indução.

Aplicativos


  Através do I-Phone e do Android, é possível se utilizar de programas que podem monitorar e/ou estimular a indução de sonhos lúcidos. Também já abordei o tema aqui no blog, mas ainda não realizei experiências com eles. Acho incrível os relatórios que podem ser gerados pelos programinhas e ainda estou recebendo feedbacks de sonhadores lúcidos sobre suas experiências com esses recursos.

É possível fazer sexo nos sonhos lúcidos? Essa última semana tem sido de forma surpreendente, a mais intensa para mim, em termos de frequência e experimentos com sonhos lúcidos. Uma sequência espetacular de noites em que estou realizando experiências com a memória, consciência e… sexo!

Sexo no estado mental dos sonhos conscientes pode ser uma experiência inesquecível.

Antes de mais nada, vale ressaltar parecer existir uma certa dificuldade, para nós homens, em obter orgasmo enquanto estamos no estado mental dos sonhos lúcidos. Isso pode parecer irônico, afinal durante o estado desperto a situação é completamente diferente. Durante os sonhos comuns obviamente também não é o caso. Eu mesmo lembro que tive meu quinhão dessas experiências. São as denominadas “poluções noturnas”, comuns para a maioria de nós, principalmente no período da adolescência (acho que isso foi uma confissão desnecessária… ).

Apesar de que nos sonhos lúcidos a história é bem outra. Em laboratórios de sono, pelo menos até agora, os resultados foram mais favoráveis as mulheres. O desafio é deveras instigante. Por quê raios as mulheres que já possuem a habilidade ou a tendência de obter orgasmos múltiplos, também conseguem com mais facilidade o clímax, quando estão conscientes que estão sonhando?!?

Sonhos Lúcidos, de Stephen LaBerge apesar de esgotado é o livro mais completo sobre o tema dos Sonhos Lúcidos, publicado em português.

No livro Sonhos Lúcidos, de Stephen LaBerge, podemos encontrar a pesquisadora Ph.D,
Patrícia Garfield relatando que dois terços dos seus sonhos lúcidos, apresentam conteúdo sexual e quase a metade culmina em orgasmo. Enquanto no livro Pathway to Extasy ela diz que seus orgasmos de sonho têm intensidade profunda. “Com uma totalidade de si mesma que só às vezes é sentida no estado acordado”, encontrou-se “rebentando em explosões de es¬tremecer  corpo e   alma”.
É ou não é totalmente excelente?!

Pelo menos para o sexo feminino parece estar sendo! O trecho a seguir foi extraído do livro do LaBerge, supra-citado e relata um orgasmo feminino. A sonhadora lúcida é denominada “Miranda” e ela executou durante a experiência sinais ou movimentos previamente combinados, com os olhos, para quem a monitorava no laboratório. Tudo isso, com todo aparato tecnológico conectado na moça para comprovação:
Cerca de cinco minutos depois do quinto período de sono REM(fase do sono “rapid eye movement”) daquela noite, Miranda teve um  sonho lúcido que durou três minutos, em que se desempenhou da tarefa exatamente como havíamos combinado.

       (…)deitada na cama, ainda acordada, com alguém lhe esfregando as mãos no pescoço.   Reconhecendo   a   improbabilidade   de   haver mais alguém no quarto, suspeitou que estivesse sonhando e testou o próprio estado procurando flutuar no ar. Logo que se viu flutuando, convenceu-se de estar sonhando e, atravessando pelo ar a parede do quarto de dormir, fez o sinal combinado. Não encontrando ninguém na sala do polígrafo, continuou a flutuar e saiu por uma  janela fechada.  Continuando, encontrou-se sobrevoando um campus parecido com o das Universidades de Oxford e de Stanford. Continuou voando no ar frio da noite, livre como uma nuvem, parando aqui e ali para admirar as lindas esculturas das paredes. Mas depois de uns minutos resolveu que estava na hora  de começar a experiência.   Sempre  voando, atravessou uma  arcada e viu um grupo de pessoas, aparentemente visitantes que estavam percorrendo o campus. Investindo contra o grupo, escolheu o  primeiro homem que estava ao alcance. Deu-lhe um tapinha no ombro e ele foi na direção dela como se soubesse exatamente o que se esperava que fizesse. Nesse ponto ela deu mais um sinal, indicando que a atividade   sexual estava  começando. Diz que já devia estar excitada por causa do vôo, porque em apenas quinze segundos sentiu-se como se já estivesse chegan¬do ao clímax. Fez o terceiro sinal, indicando que havia tido um orgasmo, quando as ondas finais começaram a diminuir de intensidade.   Logo depois disso  deixou-se acordar   e logo que se sentiu de novo na  cama fez o quarto  sinal, conforme o plano. Disse que o sonho de orgasmo não havia sido extenso nem intenso mas foi certamente um orgasmo real.”

    

  Terrivelmente tomado pela inveja com a perfomance dessa sonhadora lúcida citada no livro, resolvi aproveitar meu ritmo alucinante de sonhos conscientes e dedicar pelo menos uma incursão sexual nos sonhos. Quem sabe não sou eu quem vai descobrir uma técnica revolucionária de orgasmo masculino em sonhos lúcidos?! Não custava tentar.

Acordei após 6 horas de sono, tomei uma água, fiz um xixizinho  e voltei a dormir(programando o relógio para despertar após mais 90 min de sono), desejando ficar consciente nos próximos sonhos…

“Percebi que estava sonhando(sem reality check), era numa casa(tenho sonhos recorrentes com casas) e resolvi que ia fazer a experiência de sexo no sonho lúcido, objetivando o orgasmo. Havia diversas moças lindas na casa e minha “fome” me guiava para qualquer uma delas. De repente sem que eu escolhesse, mas apenas me fitando um pouco mais, uma das loiras veio em minha direção e nos agarramos. Baixei sua blusinha e… … … … … …
… …
. Sabia da fragilidade do orgasmo masculino no sonho lúcido. O sexo estava ótimo, … ….      … por aqueles … e ela arqueava … maravilhoso… quadril para … e  para … em movimentos frenéticos…. até que começou a mudar… ficar mais clarinha, esmaecer.. não não não não não nãoooo… mas eu sabia que minha fase REM tinha bem mais tempo, então não era preciso me preocupar, pois iria continuar em outro sonho!…
Acordei num calçadão. Cheia de gente caminhando pra lá e pra cá. Bwahahahhahahhahah olha eu aqui di novo gente! J E aqui vou eu na minha missão tarada, bizolhando essas mulheres lindas… muitas delas caminhando aqui ali e de repente uma balzaquiana, encorpada, de curvas dadivosas chegou junto a mim. Era uma alemoa, de cabelos compridos, muito elegante a qual agarrei e nos entrelaçamos em mais um arquejante ritmo de cópula onírica, por um tempo considerável, parecido com o anterior e com o mesmo trágico fim. Sim. Mais uma vez não me importei tanto assim, pois sabia que tinha cartucho nesse REM pra queimar. Aham! “Olá Trevas, minhas velhas amigas!” Puf!
Acordei numa casa. De madeira, num quarto e uma porta entreaberta. Desejei que viesse por ela. E veio uma encantadora morena. Atlética, mas sem perder as sedutoras curvas femininas! Mesmo comigo de pé, ela agarrou firme de frente em meu pescoço e entrelaçou suas coxas em mim. Em sonhos, foi o sexo mais longo de todos os tempos. Eu me … bastante, apalpava os …, sentia a …, numa adorável cadência até acordar de vez.

Ainda que tenha acordado sem orgasmo. Por um lado frustrado, por não ter conseguido atingir o objetivo, mas ao mesmo tempo feliz. Seja por de ter conseguido duas vezes seguidas abraçar o desabamento do sonho e voltar com minha consciência; de maneira incólume, logo no sonho seguinte. Por três vezes manter a consciência, sentir prazer, controlar sutilmente a narrativa do sonho, realizando o experimento. Quem já sonhou conscientemente com sexo sabe muito bem da dificuldade que estou falando. Porém o enigma segue inabalável… qual será o segredo da facilidade do orgasmo feminino nos sonhos lúcidos??

Referencia Bibliográfica:
LABERGE, Stephen. Sonhos Lúcidos. 1985
Ed. Siciliano Livros, Jornais e Revistas Ltda. 1990(esgotada)

O conceito

Sonhos Lúcidos são os sonhos nos quais sabemos que estamos sonhando. Trata-se de sonhar, mantendo a percepção e consciência de que tudo é um sonho. Sendo assim, é possível vivenciar a experiência mantendo a consciência e percepção de que tudo naquela realidade é apenas criação mental de quem está sonhando.

 Além disso, no sonho lúcido, deixa-se de estar apenas “assistindo um filme” que talvez será recordado ao despertar, para viver toda essa experiência, mantendo a capacidade de raciocínio, memória e percepção da estrutura do sonho.

Como funciona o sono?

    Nesse sentido, todos nós sonhamos quando dormimos uma boa noite de sono. Assim como, são de 4 a 6 ciclos que se repetem, contendo as mesmas fases ¹. Ou seja, cada um desses ciclos contém o que se chama fase REM(rapid eye movement – movimento rápido dos olhos) e é nessa fase que nossos sonhos são mais intensos.

 

      Bem como os registros em laboratórios do sono, as literaturas das pesquisas efetuadas, divulgadas até agora, apontam para  presença de ocorrência dos sonhos lúcidos nos últimos ciclos do sono. Ou seja, são as fases REM tardias, em que o período de sonhos mais intensos é maior. Significa que numa noite de sono, é preciso dormir mais do que 6h, para começar a atingir as melhores fases do sono e ter chances de ficar consciente enquanto sonha.

Como ter sonhos lúcidos?

    Vários métodos de indução como o MILD, WBTB, FILD entre outros, se aproveitam desse conhecimento. Inegavelmente orientam para o despertar após a 6h de sono e a continuação do sono, com o objetivo de ao voltar a dormir, estar mentalmente mais apto para acessar o sonho de modo consciente.

   Os monges tibetanos praticam sonhos lúcidos há séculos, enquanto no ocidente, alguns registros esporádicos sobre as experiências foram se acumulando. O primeiro a usar o termo foi Van Eden em 1913, mas em 1867 o professor e marquês de Saint Denys já realizava auto-experimentações e por mais de 20 anos, anotou suas incursões oníricas, sempre buscando aprimorar essa habilidade.

A partir da década de 70, os sonhadores lúcidos passaram a frequentar os laboratórios de sono, comunicando-se através do movimento dos olhos(enquanto sonham), com os pesquisadores que permanecem no monitoramento.

Comprovação científica dos sonhos lúcidos

    A partir da década de 70, o estudo dos sonhos lúcidos fincou raízes como área de pesquisa científica. De tal forma que sua comprovação em laboratórios do sono, aconteceu a partir dos estudos de Stephen LaBerge pela Universidade de Standford(EUA) e Keith Hearne pela Universidadde de Hull(Inglaterra). 

    O crédito pela comprovação, ficou posteriormente com LaBerge, o primeiro a publicar perante a comunidade científica, as conclusões de seus estudos sobre os sonhos lúcidos. A primeira evidência veio com o doutor Hearne, no qual o voluntário Allan Worsley foi a primeira pessoa a conseguir se comunicar por meio do movimento de seus olhos, enquanto sonhava.

Stephen LaBerge, Ph.D, foi o primeiro pesquisador a comprovar cientificamente, perante a comunidade científica a existência de sonhos conscientes.

As pesquisas sobre sonhos lúcidos

     Atualmente as pesquisas seguem mais intensas. Em centros como a Universidade de Heidberg, o Centro do Instuto de Saúde Mental de Mannhein, ambos da Alemanha. A saber no Brasil, com Sidarta Ribeiro e Sergio A. Mota Rolim, pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Ursula Voos, Alan Hobson, Romain Holzmann. Também de universidades e centros de estudos da alemanha. Enquanto Stephen LaBerge e novos pesquisadores pela Universidade de Sandford e outros centros.

     Desperta muita atenção as pesquisas referentes ao aprimoramento das habilidades em atividades que exigem coordenação motora, sobretudo como aquelas desenvolvidas por Daniel Erlarcher e outros cientistas.

Sidarta Ribeiro é o neurocientista brasileiro que encabeça as pesquisas no Brasil, sobre o estudo da consciência nos sonhos(imagem do programa Globo Repórter).

Cuidado com a euforia

   Todas essas pesquisas estão gradualmente remodelando a maneira de se encarar o ato de sonhar, mas afinal, qual a utilidade de poder controlar e ficar consciente durante os sonhos? Antes de mais nada, a obsessão pelo controle do sonho, trata-se de algo reservado aos incautos. Ainda que basta lembrar como fica muito mais frágil a estabilidade do sonho ao se forçar o controle, aumentando as chances do despertar.

Desse modo, a grande conquista provavelmente está em conseguirmos entender e desenvolver  estudos sobre a consciência no estado mental dos sonhos. Assim sendo, pequenos desafios ou experimentos, mesmo em casa, em nossa cama, sem qualquer aparato de laboratório de sono, pode de alguma maneira acabar contribuindo para novas descobertas. De fato, as fronteiras dos frutos dessas pesquisas, ainda não estão sequer definidas.

Desenvolvimento de habilidades motoras, solução de problemas, criações artísticas monumentais,  auxílio no tratamento de psicoses, controle de pesadelos… a lista está longe de uma limitação.

Benefícios dos sonhos lúcidos

   Estamos conseguindo acessar nosso cérebro num estado diferente da vigília; estamos despertos ele funciona de uma maneira, mas enquanto sonhamos, nosso pensamento lógico cede espaço para criatividade e conexões diferentes.

    Os sonhos são fontes de grandes descobertas ou soluções para problemas científicos, bem como criações artísticas magistrais: Elias Howe com a revolução na indústria têxtil, Mendelev com a tabela periódica, Kekulé com a cadeia de benzeno, Mary Shelley com Frankenstein, Paul McCartney com Yesterday… o sonho que salvou o filósofo Russell  de cometer suicídio…

Em outras palavras… que frutos podemos almejar ao obtermos livre acesso, num estado tão desconhecido da nossa mente? De tal sorte que a própria consciência pode ser alvo de intensos estudos…

Descartes, num ensaio relatou que seus 3 sonhos, numa noite, em 1619, foram capazes de revelar para ele a base de uma nova filosofia, uma forma de conhecer a verdade que eventualmente o levaram ao método científico. Durante um de seus sonhos, conseguiu questionar se estava sonhando ou não e interpretou seu sonho durante ele.

Novas fronteiras da ciência


Existem muitas possibilidades na área de estudo dos sonhos lúcidos, afinal são pesquisas que se iniciaram com mais intensidade em fins dos anos 70 e que nas últimas décadas, cresceram vertiginosamente na Neurofisiologia/Neurociência/Medicina, Filosofia e Psicologia.

Nesse sentido, além das pesquisas conduzidas por Erlarcher e outros, envolvendo o aprimoramento de performance motora, também há estudos sobre as diferenças de percepção do tempo, além de possíveis benefícios para vítimas com estresse pós traumático envolvendo pesadelos crônicos e também há uma linha de pesquisa que relaciona possível auxílio no tratamento de algumas psicoses, como a esquizofrenia.

Fontes:

LABERGE, Stephen. Sonhos Lúcidos. 1985 pg. 08   Ed. Siciliano Livros, Jornais e Revistas Ltda. 1990(esgotada)

DELANEY, Gayle. O Livro de Ouro dos Sonhos – All about Dreams, Rio de Janeiro: Ediouro, 2001.

https://www.sonhoslucidos.com/2011/05/o-marques-dos-sonhos-leon-dhervey-de.html#comment-form
https://www.sonhoslucidos.com/2010/03/van-eeden-e-os-sonhos-lucidos.html
https://sonhoslucidos.com/sonhoslucidos/sonhos-lucidos-poderao-desenvolver/