Tag

Reality Checks ou Testes de Realidade

Browsing

Uma vez atingido o objetivo de ter um sonho lúcido, um dos problemas mais recorrentes passa a ser: como ter mais sonhos lúcidos? Nesse sentido, aqui estarão reunidos os fatores mais determinantes para aumentar a frequência da lucidez nos sonhos.

Fatores determinantes

Os fatores determinantes para ter lucidez nos sonhos já foram debatidos num vídeo do Canal Sonhos Lúcidos. Mas sempre é bom relembrar: diário de sonhos, usar uma técnica e a motivação ou propósito.

A princípio esses requisitos defendidos por Stephen LaBerge, devem compor a rotina diária de qualquer candidato a manter frequência boa de sonhos lúcidos. Além disso, quero ressaltar a importância dada pelo neurocientista Sidarta Ribeiro, referente ao despertar mais tardio ou aquela qualidade do sono que te possibilite possuir uma boa qualidade de sono.

Como ter mais sonhos lúcidos

De acordo com o neurocientista brasileiro, em seu livro Oráculo Probabilístico:

1 – Diário de Sonhos; assim sendo, crie esse hábito e o mantenha religiosamente.

2 – Reality Check durante o dia; pergunte-se “Será que estou sonhando?” Desse modo, deve-se aproveitar e olhar para mão, servindo como um bom teste de realidade.

3 – Ter boa qualidade de sono; nesse sentido é crucial conseguir chegar até as últimas fases REM do sono ou as “fases REM tardias”. Pois é nelas que nosso cérebro e mente estarão revigorados, abastecidos de toda carga necessária de neurotransmissores.

Fatores determinantes para ter mais sonhos lúcidos: diário de sonhos, bom sono, uma técnica, motivação.

Conclusão

Como resultado, a reunião dos requisitos sugeridos pelo pioneiro nas pesquisas sobre sonhos lúcidos, Stephen LaBerge, somadas ao fatores elencados por Ribeiro, certamente podem nos beneficiar com um aumento nas chances de ficar consciente nos sonhos. Por fim, o grau de eficiência das técnicas de indução sempre deve ser levado em consideração, como é o caso de técnicas como MILD, WILD, DEILD, FILD, THOLEY, Incubação, entre outras. Assim também como é o caso da técnica Mix, pesquisada por Denholm J.Aspy, pela universidade de Adelaide.

Referências Bibliográficas

1 – Reality Testing and the Mnemonic Induction of Lucid Dreams: Findings From the National Australian Lucid Dream Induction Study (2017) American Psychological Association 2017, Vol. 27, No. 3, 206–231 1053-0797/17/$12.00 http://dx.doi.org/10.1037/drm0000059.

2 – LABERGE, Stephen. Sonhos Lúcidos. 1985 pg. 08   Ed. Siciliano Livros, Jornais e Revistas Ltda. 1990(esgotada)

2 – RIBEIRO, S. O Oráculo da Noite. A História e a Ciência do Sonho. São Paulo: Companhia das Letras. 2019, p.135-140. 

Qual é a técnica mais simples para ter sonhos lúcidos? Em outras palavras, o meio a inúmeras técnicas para tentar induzir sonhos lúcidos, seguem as dicas mais simples e diretas, reunindo o que há de mais interessante e eficiente dos métodos conhecidos:

a-neon-signage-with-two-person-behind-2917442
Photo by Dark Indigo from Pexels

Qual a técnica mais simples para ter sonhos lúcidos?

1 – Faça “Testes de Realidade” ou “Reality Checks”. Ou seja , adote um exercício para fazer de cinco (5) até dez (10) vezes ao dia. Por exemplo: olhe para sua mão ao mesmo tempo questionando “Estou sonhando ou não?”. Além disso, é fundamental fazer esse questionamento, colocando em dúvida a própria realidade.

2 – Programe-se para despertar entre a 5a ou 6a hora de sono. Quando despertar, levante-se e faça mais uma vez o Teste de Realidade – por exemplo, olhando para sua mão com a pergunta “Estou sonhando ou não?”.

3 – Seja fiel ao seu Diário de Sonhos. Nesse sentido, quanto mais fiel você for, maiores as chances de ter um sonho lúcido. Por exemplo, na medida que registramos nossos sonhos, aumentamos nossa recordação do que sonhamos e a capacidade de reconhecer a realidade ou a estrutura do sonho.

Por fim, são três fatores fundamentais que irão aumentar bastante suas chances de ter um sonho lúcido. Quanto ao Diário de Sonhos, mesmo que no início saiam poucas lembranças ou apenas pequenos flashes, é recomendável insistir religiosamente, pois ao cabo de uma semana, seguindo esse exercício, a capacidade de recordação dos sonhos aumentará de tal modo que será difícil escolher o que será anotado. Ah! Procure fazer as anotações imediatamente ao abrir os olhos. Sem movimentar muito o corpo, de preferência ainda na cama, inicie as anotações.

Referências:

https://sonhoslucidos.com/sonhoslucidos/importancia-do-diario-de-sonhos/
https://sonhoslucidos.com/sonhoslucidos/mild-significa-mnemonic-induction-of/
https://sonhoslucidos.com/sonhoslucidos/a-mao-que-traz-consciencia-reality/

    Um novo estudo (2017), conduzido por Denholm J. Aspy¹, pela Universidade de Adelaide, procurou realizar um comparativo, em termos de eficiência, envolvendo três métodos de indução de sonhos lúcidos bem conhecidos:  reality checks (testes de realidade), MILD e WBTB.

Photo by Magda Ehlers from Pexels

      Existem algumas considerações sobre o estudo que merecem atenção. Apesar  de não ter sido o foco da pesquisa, a técnica WILD foi considerada mais complexa, exigindo maior experiência para indução do sonho lúcido e também levando em conta possíveis efeitos adicionais/colaterais como a paralisia do sono. Particularmente eu apontaria ainda nesse possível “combo”, a possibilidade de alucinações hipnagógicas/ hipnopômpicas. Ressaltando que é curioso notar que para boa parte das pessoas interessadas em sonhos lúcidos – e aqui estou me referindo a uma parte dos frequentadores do Site/ Fórum/ Grupo do FaceBook –  essas experiências parecem não causar qualquer apreensão, ao invés disso, parecem até desejarem que aconteçam.

    A pesquisa dividiu e fez um comparativo entre as seguintes técnicas de indução: Reality Checks, MILD e WBTB, separando-as em 3 grupos da seguinte maneira:

  • Grupo 1 praticando Reality Checks isoladamente;
  • Grupo 2 aplicando Reality Checks com a Técnica WBTB; e
  • Grupo 3 utilizando Reality Checks com WBTB e MILD.

   Os resultados indicaram maior eficiência para o Grupo 3 que praticou Reality Checks, conjugado com as técnicas de indução WBTB e MILD. Vale ressaltar que mais de 60% dos voluntários dessa pesquisa, declararam-se não praticantes de qualquer técnica de indução de sonhos lúcidos até o início dos experimentos. Verificou-se uma intensificação na capacidade de recordação dos sonhos, para os praticantes da técnica MILD. A técnica MILD, de acordo com as conclusões do estudo, mostrou-se bastante apropriada para aqueles sem experiência prévia com técnicas de indução.

     Uma descoberta em especial referente a técnica MILD chama atenção: os voluntários, quando decidiram voltar a dormir e levaram menos de 05 minutos para cair no sono, foram aqueles com maior índice de ocorrência de sonhos lúcidos. A pesquisa aponta essa descoberta como o maior fator indicativo de incidência de sonhos lúcidos. Resumindo: no momento que o voluntário/sonhador, o qual estava aplicando a técnica MILD, resolvesse deitar para dormir, caso levasse menos de cinco minutos para entrar no sono, as chances de ter um sonho lúcido aumentavam consideravelmente.

Referências Bibliográficas:

1 – Reality Testing and the Mnemonic Induction of Lucid Dreams: Findings From the National Australian Lucid Dream Induction Study (2017) American Psychological Association 2017, Vol. 27, No. 3, 206–231 1053-0797/17/$12.00 http://dx.doi.org/10.1037/drm0000059.

Provavelmente a minha situação seja a de muitos interessados em ter sonhos lúcidos. Alguns já experimentaram ótima frequência de incursões em sonhos conscientes e agora mal lembra qual foi o seu último. A sugestão que segue servirá tanto para aqueles que nunca tiveram um sonho lúcido, como para os mais experientes.

janela-suspensa

 

Vou sugerir um plano para voltar a ter sonho lúcido. Também num próximo post, será analisado em detalhes as técnicas e rotinas aplicadas, como isso ocorreu e por fim, verificar quanto tempo isso irá levar.

A aplicação do plano abaixo envolve o uso de alguns minutos durante o dia e não há como abrir mão disso. Existirão as seguintes atividades:

1 – Diário de Sonhos

2 – Reality Checks ou Testes de Realidade

3 – Uso de uma Técnica (Incubação, MILD, Tholey, WBTB… ).

 

1 – Diário de Sonhos

Mantenha o seu Diário ao lado da sua cama. A primeira coisa a ser feita sempre que acordar, será anotar o que estiver na sua memória, referente aos sonhos que lembrar. Especialmente nos primeiros dias, todo e qualquer fragmento de sonho será muito importante de anotar.

Essas anotações irão ficar maiores com o decorrer dos dias. De acordo com uma pesquisadora renomada na área dos sonhos, a psicóloga Gayle Delaney, logo ao fim da primeira semana será difícil anotar tudo o que está recordando, portanto será preciso escolher.

A importância de anotar é fundamental, pois é possível ocorrer de ter um sonho lúcido e não lembrar. Outro motivo é a nossa habilidade de reconhecer a estrutura do próprio sonho. Quanto mais for fiel ao exercício de anotar, mais será exercitado a habilidade de reconhecer aquela realidade.

cadeira-sala-sombras

 

2 – Reality Checks ou Testes de Realidade

No meu caso eu gosto e prefiro o “reality check” das mãos. É muito eficiente e simples. Durante o dia, basta olhar para sua mão e se questionar, reflexivamente: “estou sonhando ou não?”.

Enquanto fizer o seu reality check, olhe a sua volta questionando se há algo estranho e como chegou até aquele lugar. Se reparar algo bizarro ou perceber lapsos de memória irá flagrar que está num sonho. Faça pelo menos 5 vezes  ao dia.

Caso, tenha sonhos recorrentes(Ver Tholey), pode ainda algumas veze durante o dia, imaginar/visualizar o tema do sonho recorrente, como se ele estivesse acontecendo naquele momento. E ao mesmo tempo, lembre-se de fazer seu reality check questionando se está sonhando ou não.

 

coruja-livros-corvo-e-lobo

 

3 – Escolha uma Técnica ou Método de Indução

 

Pode ser a Incubação, MILD, Tholey, WBTB, WILD, etc.. uma rápida pesquisada nesse site e será possível encontrar diversas técnicas de indução. Escolha a que lhe parecer mais interessante ou compatível com sua rotina.

 

Existe uma pesquisa que procurou fazer uma análise das técnicas de indução mais eficientes. As mais altas notas de eficiência ficaram com: Incubação e Tholey. Farei uma revisão dessa pesquisa num próximo post. Particularmente eu gosto muito da Incubação, MILD e Tholey. Pelo menos para mim elas possuem grande eficiência.

 

Fontes:

https://sonhoslucidos.com/sonhoslucidos/importancia-do-diario-de-sonhos/

https://sonhoslucidos.com/sonhoslucidos/all-about-dreams-o-livro-de-ouro-dos/

https://sonhoslucidos.com/sonhoslucidos/proposito-na-inducao-de-sonhos-lucidos/

A Técnica dos Testes de Realidade ou Reality Checks é uma das técnicas mais conhecidas para ter sonhos lúcidos. Encontrada no livro “Exporing the World of Lucid Dreaming” de LaBerge,  parece uma adaptação do Método de Tholey. Ainda não tinha voltado minha atenção para ela por apreciar muito as orientações de Tholey, porém considerando que a adaptação é feita por Stephen LaBerge, imagino que assim como eu, existirão outros interessados por ela.

laberge

1 – Planejar quando testar sua realidade

Escolha de cinco a dez diferentes situações durante o dia para testar seu estado ou realidade. Deverão ser circunstâncias parecidas de alguma maneira com os seus sonhos. Toda que vez que estiver em contato com algo que lembre traços ou elementos dos sonhos, teste sua realidade. Seja na situação de algo surpreendente ,estranho, que o emocione ou alguma experiência incomum… teste sua realidade. Se você tem sonhos com temas recorrentes, aproveite-os sempre quando ocorrerem no estado desperto.

Por exemplo,  caso tenha sonhos com ansiedade, relacionados com altura, deve-se fazer o teste de realidade quando estiver no alto de um edifício, enxergando toda a altura que o lugar proporciona, assim como outras situações, ao atravessar uma ponte ou viaduto…

Outro exemplo, se costuma sonhar algo impossível, por exemplo que está voando: seus testes de realidade podem ser feitos quando estiver acordado(a), imaginando e se visualizando naquela situação de voo e se questionando… “estou voando ou não?”.

2. Teste sua realidade

Pergunte para si mesmo, sempre que possível(pelo menos de cinco a dez vezes ao dia: “Estou sonhando ou acordado?”. Isso não deve ser feito de maneira mecânica, mesmo considerando que você saiba que está acordado, pois isso pode afetar seu julgamento durante o sonho. Olhe para os lados para qualquer coisa estranha ou incoerente que possa ser um indício que você está sonhando. Pense nos eventos recentes, imediatamente anteriores. Você tem algum problema em lembrar o que aconteceu há poucos instantes? Caso sim, você deve estar sonhando.

Em suma, trata-se de uma espécie de adaptação-resumo do Método de Tholey, diversas vezes comentados nesse site. O que parece ser mais interessante é a ideia de concentrar alguns pontos bem especiais, como prestar atenção em situações típicas de sonhos, como eventos estranhos, temas que são recorrentes e intensificar os questionamentos.

LaBerge prossegue nesse capítulo do livro com algumas dicas para fazer seu Teste de Realidade( ou “reality check”). O autor comenta sobre tentar ler alguma palavra e como elas se alteram facilmente nos sonhos, servindo para ele como bom reality check. Do mesmo modo para relógios digitais.

Alguns bons testes de realidade/reality checks: olhar para a mão, acionar um interruptor, puxar o dedo, fechar a boca e o nariz e sentir se continua respirando etc.

Referência Bibliográfica

LABERGE. Stephen. RHEINGOLD. Howard. Exploring the World of Lucid Dreaming. Ballantine Book – New York. 1991.

Um teste de realidade fascinante é fazer um autoquestionamento. Uma cena surpreendente e espetacular, no filme A Origem(Inception), quando Cobb está conversando com Ariadne, numa lanchonete e em meio a conversa, questiona-a: “como você chegou aqui?”

Olhar para as mãos, acionar interruptores, puxar o dedo da mão, prender o nariz e a boca e continuar respirando, olhar para o relógio… todos esses testes de realidade se utilizam da fragilidade da estrutura do sonho, no que se refere a presença da lógica ou mecanicismo. Vale lembrar que quando sonhamos, o que funciona mais forte é nossa criatividade ou imaginação. Por isso é tão difícil ler textos ou números.

Dentre os Reality Checks ou Testes de Realidade mais conhecidos,
questionar-se “Como cheguei aqui?” é um dos mais consagrados entre os
sonhadores lúcidos. Para quem ainda não sabe, um reality check é uma
ferramenta que auxilia na indução da lucidez no sonho. Funciona com base
na falta de continuidade da maioria dos sonhos.

No caso da questão “Como cheguei aqui?”, direciona-se para um ponto fraco especial dos sonhos que é essa fragmentação, falta de linearidade tão comum de se encontrar por lá. Durante os sonhos, quando saímos de uma aula e vamos para casa, raramente temos que fazer todo o trajeto. Em um momento estamos em meio a uma aula e como num salto/flash, pulamos para uma cena já em casa.

Bruno Grego, um sonhador lúcido experiente – com entrevista publicada aqui no blog –  o qual participou da pesquisa de doutorado do Dr. Sérgio Rolim é um adepto dessa técnica. Sua eficiência, era na época, de média de 2 sonhos lúcidos por semana.

Minha sugestão é unir dois Reality Checks em um só. Ao observar sua mão durante o dia(de 5 até 10 vezes por dia está ótimo), questione-se: “Como cheguei aqui?”. Serão dois pontos sensíveis dos sonhos sendo analisados ao mesmo tempo. Continuidade da narrativa e a lógica do número e forma dos dedos nas mãos.