Tag

Arte para inspirar sonhos lúcidos

Browsing

     Uma das áreas mais interessantes nas pesquisas sobre sonhos lúcidos, são os estudos que envolvem o aperfeiçoamento da performance em atividades físicas. Esse tema começou a ser tratado durante a década de 80, pelo psicólogo alemão Paul Tholey ¹. Seu interesse pelos tema dos sonhos e pela ciência desportiva não demoraram a se cruzar. Tholey de fato estava convencido de que era possível desenvolver habilidades motoras, através de treinamentos durante os sonhos lúcidos. Até hoje sua técnica de indução de sonhos lúcidos, é uma das mais praticadas ( ver Técnica de Tholey).

children-1822688_1920

   Algo bastante curioso sobre essa relação entre as pesquisas com sonhos lúcidos e a ciência desportiva é uma informação de um texto do pesquisador alemão, Daniel Erlacher², referente ao fato de que Paul Tholey era um experiente desportista. Tholey fazia experimentos em seus sonhos lúcidos, com o objetivo de melhorar suas habilidades em práticas como monociclos, skateboards, entre outros…

 

Paul Tholey
Paul Tholey praticando atividades que provavelmente exercitou durante seus sonhos lúcidos. https://www.luciddreamcoaching.com/post/2019/03/31/paul-tholey-practiced-complex-movements-in-lucid-dreams-advised-others-to-do-the-same

  Com o decorrer do tempo, mais pesquisas foram surgindo e as implicações dos resultados sugerem uma relação considerável entre o treinamento nos sonhos lúcidos e a melhora na eficiência de performance.

     Destaca-se, em especial as recentes pesquisas produzidas por Daniel Erlacher, Melanie Schadlich, Stumbrys, Schredl,Vergeer, Roberts, entre outros, relacionadas ao desenvolvimento de performance de atividades físicas, durante o estado mental do sonho lúcido.

    Além da melhora em habilidades que envolvam atividade física, como exercícios ou esportes, também foram verificados, de acordo com Schadlich³, indícios de benefícios como: aumento da flexibilidade, confiança, insights e emoções positivas.  Dentre os relatos selecionados dos atletas, encontra-se a possibilidade de praticar movimentos mais arriscados, a sensação de  experimentar e sentir execuções ainda não praticadas no estado desperto.

  O uso dos sonhos lúcidos, permite uma prática mais agressiva de exercícios como em downhill com bicicleta ou esqui. Descrições dos participantes, direcionam-se para uma experiência de sentir com mais intensidade e detalhes, os movimentos executados. Praticantes de diversas modalidades participaram do estudo (Schadlich, 2018), bem como nado, ginástica, karatê, taekwondo, alpinismo, entre outros…

     As pesquisas sobre os benefícios dos sonhos lúcidos para a prática de atividades físicas prosseguem. O aumento de performance, já foi objeto de publicação por aqui.

 

 

Referências Bibliográficas:

1 – Tholey, P. (1983). Techniques for inducing and manipulating lucid dreams. Perceptual and Motor Skills, 57(1), 79–90. https://doi.org/10.2466/pms.1983.57.1.79

2 – ERLACHER, D. (2018). “Complicated movements should be practiced in dreams” Paul Tholey about sports, lucid dreams and consciousness. International Journal of Dream Research, 11(2), 230-233. https://doi.org/10.11588/ijodr.2018.2.51340

3 – Schadlich, M. Erlacher, D. (2018). Practicing sports in lucid dreams – characteristics, effects implications. Current Issues in Sport Science, 3:007. doi: 10.15203/CISS_2018.007

     Visitando a livraria Curitiba do Shopping Palladium, aqui de Curitiba, a procura de um bom livro de suspense sobrenatural de Stephen King, eis que encontro o Pesadelos e Paisagens Noturnas desse grande mestre. Fiquei sabendo agora, pesquisando para esse texto que existe até seriado!… Bem, esse livro é ótimo e estou devorando ele antes das férias.
     O momento tesão, na livraria, foi quando me dirigia para pagar o livro do Mr. King, quando minha visão bateu no livro “O Sonho de Eva”. Eu amo sonhos. Seja aqueles de comer, com uma boa goiabada ou quando dormimos… e a contra-capa fez o livro grudar nsa minhas mãos: “sonhos lúcidos”, “Dreamgame”… induções por meio de mensagens subliminares!

     O livro é precursor – pelo menos nacionalmente – ao tratar uma bela história envolvendo o tema dos sonhos lúcidos. Bastante suspense, tecnologias bem verossímeis num futuro não muito distante, sociedades secretas, conspirações e um ritmo de narrativa de prender o leitor.

      Passo longe de ser um crítico de leitura, no máximo tenho uma carga razoável de leitura de ficção científica, suspense-terror e fantasia. Nada que me torne uma autoridade pra julgar a habilidade de Chico Anes para escrever. Mas posso dar minha opinião, como fã do gênero e sonhador lúcido, com boa experiência no tema.

      Para quem curte uma boa trama de suspense e é interessado por sonhos em geral ou mais ainda, por sonhos lúcidos, não deixe de ler esse belo livro: O Sonho de Eva.

       Gostei pacas da dupla de entrevistadores. Pena que o áudio com o Chico Anes não ficou bom. Mas é possível ouvir.


      O estado mental dos sonhos é pródigo em contribuir para soluções de problemas enigmáticos, criatividade em pinturas exuberantes, idéias para livros com histórias monumentais, melodias de músicas encantadoras e muito mais.

      Existem diversos outros exemplos, os quais rotineiramente gosto de citar: Kekulé, o matemático hindu Srinivasa Ramanujan, Mendelev, Mary Shelley com Frankenstein, Wagner com Ring Cycle, o poema de Kubla Khan… Salvador Dali e o Mr.Hyde de Robert Louis Stevenson!… São exemplos fascinantes que nos inspiram a explorar o fascinante mundo do estado mental dos sonhos.

O escritor Robert L. Stevenson foi despertado de seu pesadelo por sua esposa, pois o marido gritava. Ao ser desperto  questionou: “Por que me acordou? Eu estava tendo um ótimo conto com um monstro.” De acordo com a senhora Stevenson, o marido acordara logo após a primeira transformação.

      Entrementes, vale ressaltar um denominador comum entre a esmagadora maioria desses casos fantásticos: esses brilhantes sonhadores estavam sempre focados nas suas áreas.

     Durante o estado desperto, O autor do Médico e o Monstro, Robert L. Stevenson estava revisando uma obra sua, na qual eram, possivelmente, os primeiros passos para concretização do “Estranho caso do Dr. Jerkyll e Mr. Hyde”. Mary Shelley também estava voltando suas atenções, em vigília, para contretização de Frankenstein…

Frankenstein foi obra de Mary Shelley, após sonhar com um cientista horrorizado com o terrível ser que ele mesmo havia criado.

… René Descartes foi um exemplo magistral. Virou de ponta-cabeça o modo de pensar da humanidade. Nas palavras desse filósofo, na sua obra Meditations on the First Philosophy:
“Agora estou acordado, e percebo algo real; mas como minha percepção não é suficientemente clara, ao dormir desejo que meus sonhos possam me representar o objeto da minha percepção com mais verdade e clareza”.

    Os sonhos podem servir como uma máquina fabulosa, um computador magnífico, capaz de fazer nossa mente trabalhar de uma maneira diferente do estado desperto, onde por vezes, poderá resultar em soluções, insights ou criações até então não imaginadas durante a vigília.

Será possível atingir uma fórmula ou assinatura mental, na qual teremos acesso ao estado consciente nos sonhos, onde poderemos manipular simulações, aprimorando o estudo sobre objetos do nosso interesse?

   Interessante notar como tudo isso reflete a própria maneira de funcionar nosso cérebro, durante os sonhos. Reparem na natureza dos reality checks: interruptores, a quantidade de dedos na mão, a precisão de um relógio digital(com segundos) ou com ponteiros(idem).

    Sabemos que podemos sonhar as coisas mais psicodélicas ou surreais. Podemos atravessar paredes, saltar sobre prédios, voar ou nos transformar em qualquer criatura que habite nossa imaginação. Porém a lógica e o mecanicismo da vigília terão pouco espaço. Será praticamente impossível ler qualquer página de livro num sonho. Igualmente para o marcador de segundo num relógio. Caso tenha contado dez dedos na sua mão, olhe para o lado e observe novamente suas mãos!

  Um elemento primordial do estado mental dos sonhos que é corriqueiramente desprezado: as emoções. Especialmente os sonhos presentes na fase REM. Nesses sonhos, estaremos a mercê de uma carga de emoções muito mais intensa do que no estado desperto.

Aprender a refletir mais sobre as emoções que sentimos no estado desperto, pode se revelar numa poderosa ferramenta de indução de sonhos lúcidos.

      As emoções podem se revelar, como a mais poderosa ferramenta de indução de sonhos lúcidos. Na medida que somos obrigados a lidar com elas em nosso estado desperto, podemos tentar refletir com mais frequência, sobre o que realmente se passa conosco nessas situações. Sabemos que elas tendem a ecoar em nossos sonhos.

      Quanto maior for o impacto delas no estado desperto, proporcionalmente maior serão as chances de surgirem enquanto sonhamos. O psicoterapeuta alemão Paul Tholey sabia muito bem o que estava fazendo, ao sugerir em seu método, para nos questionarmos, refletirmos durante o estado desperto sobre esses sentimentos. Beverly D’Urso provavelmente obtém sua grande frequência de sonhos lúcidos aplicando isso. Parafraseando a doutora, é necessário uma vida mais lúcida, para obter sonhos lúcidos.

   
   
Fontes:

http://en.wikipedia.org/wiki/Strange_Case_of_Dr_Jekyll_and_Mr_Hyde

http://en.wikipedia.org/wiki/Frankenstein

Selecionei esses três vídeos especiais, relacionados com os sonhos. Nenhum específico sobre sonhos lúcidos, mas não tenho dúvida que vai ajudar a relaxar nossas mentes ávidas por sonhos lúcidos. O primeiro é um clip da Madona. A rainha do pop lançou esse álbum em 1994, com a alcunha de BEDTIME STORY, cujo clip da música, título
do album, aparenta bastante com a obra inspirada nos quadrinhos do SANDMAM(opinião minha né).Madonna
aparece deitada e ligada a um tipo de aparelho enquanto dorme.O refrão diz let’s get unconscious,honey(vamos ficar inconscientes, querido(a), enquanto ela
parece viver em uma realidade alternativa/onírica.

O próximo é do The Cranberries: Dreams. Para mergulhar forte no sonhos. A voz dela é de enfeitiçar!… Vamos lá, todos juntos, saltando firme em nosso mundo onírico:

“Oh minha vida


Está mudando todos os dias


De todas as maneiras possíveis


Embora meus sonhos


nunca sejam exatamente como parecem


Nunca exatamente como parecem(…)”

O tipo de música que me encanta e coloca minha assinatura mental num nirvana de monge tibetano… os efeitos revelam um psicodelismo onírico bacana, mas o que importa é apenas o fluir da melodia que seduz, de maneira singela, profunda e vai até a alma… uma alma que clama por muito mais sonhos, sejam eles intensos ou lúcidos! 😉

     Aos interessados pela exploração da consciência nos sonhos, filmes como Waking Life, Inception, Sonhando Acordado, Vanilla Sky… são sessões imperdíveis! São filmes que abordam diretamente os sonhos lúcidos.
     Existem ainda, aqueles filmes que nos fazem mergulhar para além da estrutura do real. Promovem situações surpreendentes, apresentam histórias que nos arrancam de nossas posições e brincam  com perspectivas, por vezes, assombrosas!… 

     Como numa boa ficção científica, com um pé na realidade e outro nas possibilidades que a mente humana pode oferecer, promovido pelos avanços na ciência, o filme Source Code(traduzindo literalmente fica Código da Fonte), com o título em português Contra o Tempo, é um desses filmes.

     Não dá para falar muito do filme sem estragar as melhores surpresas… mas recomendo para todo aquele que se interessa pela exploração da mente ou consciência. Uma daquelas boas experiências cinematográficas que nos fazem sobrepujar junto com o protagonista o tecido da realidade.

     São películas que com alguma frequência, bebem na fonte de grandes pensadores como Platão, Descartes, Baudrillard e trazem um pouquinho daquela mágica filosófica para os nossos pensamentos. 

Dark City – Cidade das Sombras é um dos filmes que  exploram a frágil  estrutura do que pode ser entendido como  o real.

      Há diversos filmes que seguem essa linha e são especialmente indicados para provocar ou instigar devaneios, trocar idéias com amigos, discutir o que seria o real etc.. 

      Meus prediletos:

– Cidade das Sombras
– Matrix
– Inception
– Contra o Tempo
– 13º Andar
– …
 
      Abordarei alguns desses também. Especialmente porque são filmes que contribuem para fortalecer nosso posicionamento mais lúcido frente a vida. 
       Levar uma vida com uma consciência mais forte é aprimorar nosso espírito questionador, rompendo com convencionalismos fúteis. Uma das implicações disso, para aqueles que se comprometem a um viver mais lúcido, é uma mente mais preparada para a percepção do estado mental dos sonhos.
      

A única coisa pior que uma prisão para a sua mente é uma prisão para a sua mente que você nem sabe exisstir; portanto uma prisão de onde você nem tenta escapar.”* Matrix explora de modo exemplar o Mito da Caverna de Platão.

*Fonte:
IRWIN, William. Bem-Vindo ao Deserto do Real. Madras Editora Ltda – São Paulo: 2003.

    Quem já teve um sonho lúcido intenso com música, sabe como a gente pode ficar embevecido, extasiado, louco ou apaixonado por essa arte durante o estado mental dos sonhos. Mesmo para aqueles que não dominam qualquer arte ou instrumento musical(meu caso), esse prazer pode se apresentar de modo surpreendente.

        Yesterday é considerada uma das mais belas e mais regravadas músicas da História. Paul McCartney sonhou com Yesterday:

“Numa manhã de maio de 1965, Paul acordou com uma melodia na cabeça que tinha todo o frescor de um sonho. Imediatamente ele foi para o piano que havia no seu quarto em Wimpole Street, em Londres, e tocou a música inteirinha, completa, com primeira e segunda parte. Ainda não tinha letra e ele a chamou de Scrambled eggs. Mas Paul ficou encucado, achando que já tinha ouvido aquela melodia em algum lugar. Então passou vários dias mostrando para os amigos e perguntando se eles já não a conheciam. Não, ninguém nunca tinha escutado aquilo antes.”




       As emoções e a criatividade costumam correr forte nos sonhos. A lógica e a razão cedem espaço para um turbilhão imaginativo que pode fazer vingar o lado criativo. Nossa assinatura cerebral se torna algo muito especial, repleto de conexões diferentes do estado desperto.


       Existem mais exemplos de músicas extraídas de sonhos, mas vamos por partes, ficando por aqui com a ótima música do Franz Ferdinan com o título “Sonhos Lúcidos”:




Fonte:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Yesterday