Tag

Limbo

Browsing

Existe um momento durante o estado mental dos sonhos em que percebemos estar sonhando, porém observamos que o cenário do sonho ainda não se estabilizou. Outra situação é quando lutamos para recordar o que planejamos no estado desperto(vigília) e ficamos em dificuldades para acessar essa memória. Por fim, as armadilhas do falso despertar. O texto abaixo é um relato da sucessão de sonhos lúcidos que tive e talvez possa auxiliar na superação dessas situações.

Imagem inspirada no livro Encontro com Rama, de Arthur Clarke. Imagem de Andre Freitas, e efeitosde  CGI produzidos pela Lightfarm Studios created “The Verge

Meus últimos sonhos lúcidos aconteceram na semana passada, enquanto tentava realizar um “Desafio Lúcido”, uma brincadeira entre os sonhadores lúcidos, na qual o objetivo era visitarmos um cenário de sonho com “O Mundo daqui 1.000 anos”.

Fiquei consciente num lugar extremamente escuro. O sonho ainda não havia se formado. Tentava tatear no chão para manter a
consciência e de repente alcançar um lugar mais claro. Tateava pelo chão,
corpo, paredes… resolvi fazer umas flexões também. Continuei a passar a mão pelas
paredes até sentir o trinco de uma porta. Consegui.

     Abri a porta invisível – sentida pelo tato –  e fui para um lugar
um pouco mais claro. Era uma sala grande. Procurei lembrar o que havia
planejado fazer. Qual experimento ou plano… e caminhava, atravessando portas,
corredores, porém a recordação não vinha. Acabei tendo um falso despertar.

Uso da Técnica das Portas sempre produzem a mais alta eficiência para mim em meus experimentos. Na imagem, capa de um dos excelentes livros de Stephen King, da Saga da Torre Negra.

É interessante notar como ter um objetivo planejado no estado desperto, nos ajuda a manter firmes com a consciência durante o sonho. Trata-se de um foco, algo que serve de combustível para se embrenhar no sonho, aceitando a estrutura natural de nosso inconsciente, possibilitando se divertir com ele e fazer alguns experimentos, sem qualquer ação ou controle forçado. Mesmo submetido ao falso despertar, consegui voltar com consciência(veja abaixo)!…

     Era escuro novamente. Percebi estar ainda sonhando.
Recomecei o processo de tatear o chão, o corpo e as paredes. Fiz assim até
encontrar a maçaneta de uma porta. Abri-a desejando que o lugar estivesse
claro.

A utilização do sentido do tato nos sonhos, parece ajudar sobremaneira, quando a estrutura do sonho ou o cenário, ainda não se encontram concluídos. Tenho anotado uma considerável quantidade de sonhos lúcidos, nos quais me utilizei dessa ferramenta para adentrar no sonho, mantendo estável a consciência.

E consegui!… A casa estava mais clara e me esforcei para lembrar o que
tinha planejado fazer. Dessa vez eu conseguiria. Tinha lembrado antes
rapidamente, mas me escapou a lembrança… então veio forte. Era visitar o futuro
daqui a MIL anos. Saí atrás de uma porta. Encontrei uma abertura de porta, sem
ela que dava para fora. Desejei visitar o mundo daqui MIL anos e saí para uma
floresta. Eram árvores enormes, com troncos bem compridos. Fui saltar por uma
delas e dei um salto gigante. A gravidade do lugar era menor. Estaria numa
nave, estilo RAMA(o livro de Arthur Clarke, Encontro com Rama)?! Saltei por várias daquelas árvores. Os galhos eram
proporcionalmente bem menores e ficavam muito acima, mas os troncos
grandalhões. Então despertei.

Sonho lúcido, dois dias depois:

Estava numa casa, tentando lembrar o que havia planejado fazer no
sonho. Caminhava de um lado para o outro, martelando a mente em busca do
que tinha planejado. Tudo muito claro e nítido. Esforçava-me para
manter o foco e não despertar. E o foco era recordar o “Desafio Lúcido”.
Finalmente fui inundado com a lembrança de “visitar o mundo daqui 1000
anos”.

Abri uma porta desejando encontrar aquele
futuro e saí para uma grande sacada. Lá avistei prédios monumentais.
Eram fortalezas várias vezes maiores do que os prédios de hoje. Alguns
coloridos e com janelas gigantes. Via tudo com grande nitidez. Acordei.

   Após diversas queixas sobre sonhos de onironautas frustrados com situações que desejavam acordar e não conseguiam, eis que finalmente fui surpreendido pelo mesmo tipo de sonho.

Experiência de Calabouço Mental ou Limbo Onírico pode ser algo bem instigante.

   Tenho uma boa hipótese sobre a causa do problema e vou começar relatando brevemente, como foi a experiência e em seguida apresentarei minha idéia sobre a possível causa da experiência desagradável.

   Fui dormir, por volta das 21h, completamente cansado, exausto e cheguei a brincar com meus familiares, sobre quem havia me chapado com alguma coisa, pois o sono era esmagador! Não conseguia fazer mais coisa alguma e só queria saber de dormir o sono dos justos.

Os sonhos:

    Numa casa enorme, bem decorada, eu estava numa sala, com grandes sofás confortáveis. Percebi que se tratava de um sonho. Sequer houve gatilho ou reality check. Simplesmente soube. Comecei a brincar de movimentos de Kung Fu, bem ao estilo Matrix.



Ainda não entrei numa escola de Kung Fu, mas tem sido uma das minhas diversões prediletas em meus sonhos lúcidos.

    Depois saí dali e fui abrir uma porta. Adentrei em outro recinto e pouco depois tudo se apagou. Porém eu logo em seguida percebi que estava em outro sonho. E assim se sucederam vários outros rápidos falsos despertar. Minha consciência se mantinha firme atravessando os diversos sonhos até que após um sonho mais longo eu tive receio de quanto tempo eu estava ali preso nesse verdadeiro labirinto mental. Parecia ter passado muito tempo e isso me assustou um pouco. Resolvi despertar. E o resultado foi cair em outro falso despertar. Mais um sonho, bem ao estilo das diversas queixas de alguns onironautas e do filme Walking Life(filme obrigatório para todo interessado em sonhos lúcidos).

Despertar e algumas reflexões

    Finalmente consegui acordar. Despertei ainda bem cansado. Não tanto quanto fora dormir e meu primeiro interesse foi descobrir quanto tempo havia se passado desde o início do sono até aquele despertar. Apesar de ainda ser noite, minha esposa dormindo ao lado, eu apostava em algo em torno de 5h ou 6h da matina…

    Encontrei meu relógio de pulso digital e para minha surpresa ainda era 00:36h !!! Uau! Isso significava que ficara preso naquele verdadeiro Calabouço Mental Onírico em sonhos das primeiras fases REM…  mas como aquilo tinha acontecido? Como era possível? E minha consciência nos sonhos… parecia estar um pouco estranha. Não conseguira sequer pensar nas minhas experimentações com memória, coordenação motora ou nível de consciência…

   Refleti um pouco sobre como eu ainda estava bem cansado, louco para cair na cama de novo e como estava minha qualidade de sono.

   De fato eu havia tido uma sequência de vários dias dormindo no máximo 7h de sono. A maioria menos que isso. Meu ideal pelo que tenho notado, fica por volta de 8h até 9h de sono.

Uma hipótese promissora

   A melhor resposta para o problema possivelmente era: eu havia tido um incrível rebote de REM. Também conhecido como ricocheteio de REM. Eu diria que fui ricocheteado, mesmo consciente, de um falso despertar para outro, em função daquela sequencia de noites mal dormidas. O acúmulo de débito de sono provoca uma antecipação da fase REM no ciclo do sono.
 
  Resumindo, quando ficamos com o sono muito atrasado, por noites mal dormidas ou má qualidade do sono, ao conseguirmos finalmente ter um dia para dormir de maneira decente, mergulhamos rapidamente na fase REM. É por isso que não é incomum tirar uma soneca de tarde, mal fechar os olhos e já ser inundado com sonhos.

 Outro elemento interessante de toda experiência foi a consciência alterada. Jamais cogitei estar num sonho e querer acordar. Norlmalmente eu me sinto forte e tenho pleno domínio de minha capacidade de reflexão, desejo de fazer experimentações e no mínimo de lambuja, brincar um bocado!

 Os cenários mudavam rápido naqueles sonhos. Apesar de um e outro sonho se prolongarem, a sucessão de sonhos chamou a atenção. E quando finalmente eu passei a me preocupar com o tempo que eu estava por lá, feito um batedor errático, tive dificuldade de despertar rsrsrsrs pior: eu quis despertar!…

Método CAT pode favorecer a entrada no “Limbo”.

 Vale lembrar que o método CAT visa explorar esse tipo de efeito. Eu diria que realmente é um método bem promissor, mas senti minha consciência ou força mental enfraquecida, em função do débito de sono acumulado. Mas é especulação minha, teria que experimentar rigorosamente os passos do método para ter certeza.

Conclusões

Para os interessados em mergulhar numa espécie de Limbo, recheado de falsos despertar(não, não são sonhos em camadas) ou talvez numa emulação de Calabouço Mental… eu sugiro que após o período por volta de uma semana de débito de sono, como o Método CAT sugere, experimente tentar os sonhos lúcidos em seguida.

Foi a melhor montanha-russa que já experimentei na vida! A consciência alterada ou falta de força mental talvez seja o que melhor simule a sensação de limbo. Lembra muito a cena final(ou inicial), do filme Inception- A Origem, quando o Mr. Cobb(Leonard DiCaprio) está com o Saito(bem velhinho – Ken Watanabbe) frente-à-frente numa mesa, em pleno limbo, tentando recuperar a memória do que haviam combinado.

PS: para quem ainda não leu, a reportagem sobre sonhos lúcidos da revista Exame está no site: Reportagem sobre sonhos lúcidos