Tag

Sonhos Lúcidos podem auxiliar no tratamento de psicoses

Browsing

   Há alguns anos atrás, comentei sobre uma entrevista¹ do pesquisador Silvio Scarone, da Universidade de Milano, acerca da possibilidade das pesquisas com sonhos lúcidos contribuírem no estudo de certas psicoses. Quero ressaltar a relevância disso mais especificamente para com a esquizofrenia.
Vou me valer da recente tese de doutorado² do Sérgio Rolim, para esclarecer essa magnífica possibilidade.

As pesquisas relacionadas aos mecanismos envolvidos no sonho lúcido talvez possam trazer alguma contribuição no estudo da esquizofrenia. Na imagem, o excelente filme Uma Mente Brilhante.

    De acordo com Freud e Kraepeli , a psicose pode ser compreendida como uma invasão do sonho no estado desperto. O que é o inverso do mecanismo do sonho lúcido, quando temos a invasão da consciência, durante o estado mental dos sonhos.
   Numa experiência com camundongos, com uso de dopamina, resultando num aumento de dopamina na fenda sináptica, verificou-se a fusão do estado mental desperto com o estado de sono REM(ou vigília+SREM).

   Acompanhando essa perspectiva, a esquizofrenia poderia ser identificada como “o sonho durante a vigília”. Enquanto o Sonho Lúcido poderia ser entendida como “a vigília no sonho”. Percebendo-se assim uma clara inversão ou como o Sonho Lúcido inversamente relacionado com a Esquizofrenia.

Sonhador Lúcido sendo submetido ao mapeamento por ressonância magnética, durante  um sonho lúcido.

    Por meio de pesquisas de mapeamento do cérebro, verificou-se que na esquizofrenia há uma atrofia frontal generalizada, sendo que no sonho lúcido se nota uma intensificação da atividade frontal, mais especificamente no córtex pré-frontal dorso-medial – região diretamente ligada a autoconsciência.

    Na medida que forem compreendidos os mecanismos de estabelecimento da consciência, durante o estado mental dos sonhos, talvez novas possibilidades se abram no enfrentamento do seu estado reverso, no caso a esquizofrenia. Recentemente um mapeamento neuroanatômico mais preciso foi conseguido, acompanhando em detalhes o funcionamento do cérebro de sonhadores lúcidos, através do uso de máquinas de ressonância magnética. Essa pesquisa pode ser encontrada aqui.

Fontes:

1 – https://www.sonhoslucidos.com/2011/07/sonhos-lucidos-podem-auxiliar-no.html

http://phys.org/news168024914.html

2 – https://www.sonhoslucidos.com/2012/12/aspectos-socio-demograficos-cognitivo.html

http://www.sigaa.ufrn.br/sigaa/public/programa/defesas.jsf?lc=pt_BR&id=367

      O estado mental dos sonhos conscientes ou lúcidos é uma área que vem sendo desbravada pela ciência, mais especificamente a partir da década de 70. De lá para cá, as investidas nesse campo tem conseguido alguns resultados surpreendentes, servindo até mesmo para inspiração em temas de vários filmes. Uma possibilidade fascinante, apontada por Silvio Scarone(¹), da Universidade de Estudos de Milano, é a que traça uma estreita relação entre o estado mental dos sonhos lúcidos e a possibilidade de tratamento de psicoses e outros transtornos.
      Quando conseguimos ficar conscientes durante um sonho, de acordo com as pesquisas em laboratórios do sono(²), estamos normalmente dentro do que se chama fase REM “fásico”. Isso significa que não estamos falando de “sono leve”, mas sim sono intenso e profundo. Porém nesse estado, cria-se um distinto padrão de atividade cerebral, que possui bastante semelhança com os padrões verificados na psicose e algumas condições psiquiátricas.

Comparativo de uma análise topografica de atividade cerebral entre os estados mentais quando acordados(o superior), no estado do sonho lúcido(meio) e em fase REM comum(não lúcido).

    De acordo com a pesquisadora Ursula Voss, da universidade da Alemanha, essas descobertas confirmam a conexão já presente nos livros de neurociência, de que quando sonhamos lucidamente, o cérebro esta num estado dissociado. Essa dissociação é normalmente caracterizada pela perda de controle consciente sobre o processo mental, como o pensamento lógico ou reações emocionais. 
   Ora, já é bem sabido por boa parte dos onironautas interessados pelo tema dos sonhos lúcidos, como está presente o embotamento da capacidade de raciocínio e tomada de decisões durante os sonhos. Nos sonhos lúcidos se supera esse embotamento.
   A comparação que se estabelece é que em algumas condições psiquiátricas esse “estado dissociado” também é conhecido por ocorrer quando as pessoas estão despertas.
   
   “No campo da psiquiatria, o interesse dos sonhos dos pacientes tem diminuído progressivamente tanto no campo clínico quando das pesquisas. Mas esse novo trabalho parece mostrar que nós devemos estar aptos para fazer comparações entre os sonhos lúcidos e algumas condições psiquiátricas que envolvam uma anormal dissociação da consciência quando acordados, como acontece na psicose, despersonalização e pseudoconvulsões”, afirma Silvio Scarone, da Universidade de Estudos de Milano.

    Não é a toa a quantidade de estudos e livros publicados nas últimas décadas referente ao estudo dos sonhos lúcidos. Algumas condições de certos pacientes passaram a ser alvo de interesse, pelo tratamento com terapia dos sonhos em algumas clínicas. É o caso por exemplo de pessoas que sofrem de pesadelos constantes. Em alguns casos podem ser ensinadas a sonhar lucidamente.

    “Por um lado, a base das pesquisas com sonhos, poderia agora aplicar seu conhecimento para pacientes psiquiátricos, com o objetivo de construir uma ferramenta útil para psiquiatria, revitalizando o interesse nos sonhos para o tratamento de seus pacientes”, diz Scarone. “Por outro lado, as investigações da neurociência poderiam explorar como ampliar seus trabalhos para as condições psiquiátricas, usando abordagens das pesquisas do sono para interpretar informações de casos de psicose e outros estados dissociados do cérebro-mente.”

     Outra verificação interessante dessa pesquisas, foi que as desilusões paranóides e outros fenômenos alucinatórios, ocorrem quando os estados dissociativos dos sonhos envolvem repetição de situações de ameaça a serem concretizadas na vigília.

     “Exposição para eventos de real ameaça supostamente ativam o sistema onírico, no qual produz simulações realísticas dos eventos ameaçadores em termos de percepção e comportamento” explicou Scarone. “Essa teoria funciona com base no ambiente e com o cérebro humano envolvido com eventos perigosos e frequentes que ameaçam a reprodução humana. Isso teria sido uma séria pressão seletiva para as populações ancestrais da espécie humana e teria ativado totalmente os mecanismos de simulação de ameaça.”

Fontes e Referências Bibliográficas:

– NEUROCIÊNCIA da Mente e do Comportamento. LENT, Roberto(Coordenador).
 Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.

 (1) http://www.physorg.com/news168024914.html e

(2) LaBerge, Stephen.O Mais Alto Grau de Consciência.

. Revista Viver Mente&Cérebro- Edição Especial – n.4: Duetto 

 (3) http://two.xthost.info/superkuh/Library/Lucid%20Dreaming

_%20A%20State%20of%20Consciousness%20with%
20Features%20of%20Both%20Waking%20and%20Non-Lucid%20Dreaming_%20voss_jSleep.pdf

 😉