Tag

Técnicas para induzir Sonhos Lúcidos

Browsing

Artigo por Túlio Athélio

(edição do Coruja).

A hipnose ou o “transe” do estado mental e de relaxamento que pode ser atingido, não é uma espécie ou forma de sono. Os dois estados mentais são claramente diferenciados e as pesquisas com uso de aparato tecnológico, podem comprová-lo por vários meios, como por exemplo, no uso de resultados eletroencefalográficos de ambos, que apresentam ondas cerebrais de formas, frequências e padrões distintos para cada caso. O estado hipnótico é também chamado transe hipnótico.

Hipnose é um tema sempre interessante. Túlio Athélio, estudante de medicina e sonhador lúcido, tem uma bela contribuição para o nosso tema dos Sonhos Lúcidos, com o post que segue:

Você acredita em hipnose?

Hipnose é a indução de um comportamento ou estado mental, em que a pessoa se torna altamente sugestionável, tanto para aceitar quanto para negar sugestões.

Imagem do excelente filme Ecos do Além, com Kevin Bacon.

Por algum motivo, muitas pessoas acham que a hipnose não é possível, tem medo ou a compreendem erroneamente.
Hipnose é uma prática muito antiga, com possibilidades de aplicação e estudos bem interessantes. Principalmente pela possibilidade de acesso ao inconsciente, o que traz uma grande proximidade com o estado mental dos sonhos lúcidos, afinal o sonho é todo estruturado pelo inconsciente.

Não, hipnose NÃO é controle de mente! Nenhum hipnólogo é capaz de fazer você fazer algo que não queira. Essa crença é fruto da indústria de entretenimento que faz dramatizações em que pessoas sob transe fazem das coisas mais absurdas e violentas.


Sleep


Stir of Echoes

— MOVIECLIPS.com

Outra situação é a chamada hipnose de palco onde a ironicamente a hipnose é usada com finalidade de entretenimento. São aqueles shows em que as pessoas ficam imitando galinha, algum cantor, poeta, levantam peso com um dedo, tem parte do corpo paralisada, e por ai vai. Em nenhum desses casos a mente da pessoa está sendo controlada – a pessoa está ali sabendo que é uma brincadeira então na mente dela porque não imitar uma galinha? E Não, a pessoa hipnotizada não dorme – ela entra em transe. Mas é bem fácil ir de um transe para um sono.

Uma coisa muito importante que diferencia transe e sono é a presença de consciência no transe. E transe não é sonho lúcido pelo mero fato de não ser um sonho. Entretanto é possível passar de um transe para um sonho lúcido, que é a técnica WILD.

Hipnose não pode controlar sua mente mas ela pode te ajudar à tomar maior controle da sua mente na finalidade de alcançar os seus objetivo. Ela é capaz de vários feitos como ajudar a parar de fumar, emagrecer, lidar com ansiedade, medos e fobias até mesmo entrar em estados de hipermnésia para lembrar de faces e placas de carro que podem ser usados em investigação policial

André Noir, poderoso mutante da série alemã Perry Rhodan, com extrema capacidade de hipnotizar, rastrear emoções e telepatia.

Assim, fica claro que a hipnose pode te ajudar na indução de Sonhos Lúcidos.

Várias técnicas, em sua essência, possuem fortes elementos de hipnose como Tholey, VILD, e MILD com suas sugestões pós-hipnóticas.

Eu tenho duas sessões de hipnose em aúdio:
Perfect Lucid Dreaming (Sonho Lúcido Perfeito)
Recall Your Dreams (Lembre dos Seus Sonhos)

Infelizmente elas são em inglês e necessário ter uma certa fluência e prática do inglês pra funcionar.
Mas um dica é relaxar bastante ao realizar as outras técnicas conhecidas e sempre fazer a sugestões pós hipnóticas como “Eu vou ter um sonho lúcido hoje a noite”.

Fontes:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Hipnose

http://www.reocities.com/Area51/corridor/5967/prmenu0.htm

http://prskspedia.de/illustration/dkrueger.php

     A mente possui receptividade para certas técnicas. O experimento com o método de incubação  ou a Técnica da Incubação é um ótimo exemplo. Assim sendo, essa versão,  criada por Stephen LaBerge, conhecido como Técnica da Incubação merece ser alvo de muito mais que um experimento. O caso prático,  dessa vez seria para descobrir quem seria “a mulher ideal para mim”.

 
Salvador Dali em “Muchacha en la ventana” – 1925
O Sonho Lúcido com o Experimento com o método de incubação:

Técnica das Portas

   Venho me questionando bastante ultimamente sobre a razão da bela eficiência do que gosto de chamar de Técnica das Portas. Para quem ainda não travou conhecimento se trata de uma ferramenta para manipular o sonho, interferindo de maneira indireta, sem violentar a estrutura do sonho. Esse mecanismo surgiu para mim naturalmente e me parece muito intuitiva a ideia.

     Basicamente, ela deve ser usada assim: escolha algo ou alguém que deseja encontrar no seu sonho. Assim que ficar lúcido, procure por uma porta e ao abri-la, basta desejar encontrar o que procura. Como já apresentei várias vezes por aqui, podemos usar isso para prolongar o sonho, encontrar algo ou alguém e tornar o cenário mais vívido. A eficiência, ao menos para mim, sempre foi brutal.

Assim que encontrar sua porta, lembre-se de desejar intensamente encontrar o que procura. Pode ser alguém, um objeto, um cenário mais vívido e assim prolongar mais o seu sonho.

Aplicação da Técnica da Incubação

Para alcançar a lucidez ou consciência no sonho, utilizei a Técnica da Incubação. Assim, escrevi no papel:

“Quero encontrar a Mulher ideal para mim.” Dessa vez não fiz desenho ou esboço, para não influenciar qualquer resultado.

A frase seguinte, mais para baixo do papel foi: “Quando sonhar que Quero encontrar a Mulher ideal para mim, vou ficar lúcido”.

Dormi 6h seguidas. Despertei, tomei uma água fui ao banheiro e depois recordei da frase acima completa. Voltei para cama e continuei o soninho bão.

O Diário de Sonhos é crucial para tornar forte nossa capacidade de recordação. Sem ele, pode ocorrer de ficarmos conscientes, mas não lembrarmos do que aconteceu no sonho.

O Sonho Lúcido com o Experimento com o método de incubação:

     Era uma grande reunião que o Marcelo queria fazer ali no banco,  entretanto ninguém se mexia para participar. Assim sendo, atravessei uma porta e caminhei até que passei por uma mesa que tinha sim um pessoal esperando por ele e reparei que até que não seriam tão poucos. Logo depois, fui para o fundo do lugar. Ao passo que já lá dentro e atravessei diversos recintos até chegar numa outra pequena reunião, igualmente com pessoas, porém de cargos de gerentes de área e afins. Imediatamente tentei passar por eles sem ser notado e buscava pelo banheiro. . .

   Posteriormente eu entrei na saleta e estava vazio. De antemão, reparei na mobília típica do banco, mas não havia um banheiro sequer. De repente,alguém surgiu e insinuou algum tipo de ameaça…  contudo resolvi sair dali, curioso para ver se fariam alguma coisa e seria legal se mandassem alguém estilo vigilância ou policiamento. Nesse meio tempo fui mais para longe, chegaram a olhar pra mim eu peguei uma vara de madeira e com a outra mão passei a palma num arbusto fino… simultaneamente com uma gostosa sensação de tato nas mãos…

 
…ao passo que naquela altura eu sabia que estava sonhando(uhuuuu!)…   assim como desejei que viesse alguém da guarda pra me divertir numa luta, mas não foi o caso.
 
   Além disso, resolvi caminhar por sobre aquela grama-arbusto, buscando recordar o que eu queria fazer no sonho… por fim lembrei do experimento de encontrara a mulher ideal..  dessa forma fui até em direção de uma casa muito parecida com a casa dos meus pais… nesse ínterim abri uma porta e ao entrar, pensei que na próxima porta que eu abrisse, faria meu experimento e encontraria a “minha mulher ideal”.
 
 
 
   Adentrei mais para o fundo da casa e abri uma porta mas nada encontrei… era um recinto vazio… e pensei… bom, vou fazer de um jeito um pouco mais desejável… de maneira mais visceral eu desejei muito encontrar minha mulher ideal.
 
   Abri a mesma porta agora lá de dentro daquele recinto onde seu estava, estiquei minha mão para que a minha mulher ideal a tomasse e… desejando intensamente que essa fosse minha mulher ideal…  eis que surgiu uma mulher loira, de cabelo curto, pele clarinha e sedosa a qual acariciei com minha mão. E com vibrantes olhos escuros ela me fitava!… nesse momento acordei 😀
 
 

Em primeiro lugar, é importante ressaltar como é fácil influenciar a indução de um tema nos sonhos. A princípio isso pode ser bem mais fácil que induzir um sonho lúcido. Além disso, existem dissertações e teses analisando a eficiência de algumas técnicas bem interessantes. Nesse sentido, considerando  a elevada eficiência atingida por alguns tipos de incubação, que tal partir para a incubação de um sonho lúcido?!

A técnica de Incubação de Sonho Lúcido funcionará de maneira tão eficiente, quanto for o propósito que você tiver em mente para realizar no sonho. Imagem do excelente filme Source Code – Contra o Tempo.

Dessa forma, no livro Exploring the World of Lucid Dreaming(sem edição traduzida), Stephen LaBerge, aproveita a ferramenta de incubação de tema nos sonhos e aplica na incubação de Sonhos Lúcidos.

Por outro lado, sou ávido leitor sobre sonhos, já havia me deparado com a “Técnica da Incubação”, em especial aquelas desenvolvidas pela psicóloga Gayle Delaney, em seu livro, All About Dreams(No Brasil: O Livro de Ouro dos Sonhos). Em suma, já havia até publicado um post por aqui, aproveitando essa idéia de unir a incubação de tema nos sonhos aos sonhos lúcidos.

Porém, mais uma vez sou surpreendido pelo LaBerge, quando verifico que no seu livro, não só utiliza da incubação, como também adapta uma técnica própria de incubação. Sendo assim, passo a ela na íntegra aos sonhadores lúcidos/onironautas de plantão:

1 – Determine seu propósito

Antes de mais nada, pouco antes de dormir, escreva uma frase simples, com a questão ou o tema que deseja sonhar. Por exemplo: “Eu quero visitar o Egito”.  Logo depois, escreva a frase e se quiser, desenhe algo ilustrando sua vontade. Posteriormente, memorize a frase e a imagem relacionada ao desejo. Caso tenha uma ação em especial a qual queira sonhar, como por exemplo, contar para sua amiga que você a ama( “Eu quero contar para minha amiga que eu a amo”.).

 
É crucial ter algum propósito ou desejo em especial que gostaria de realizar. Outra imagem do filme Contra o Tempo.

Logo em seguida, escreva uma segunda frase, a qual vai reunir a frase recém formulada, com a seguinte: “Quando eu sonhar que  quero contar para minha amiga que a amo,  lembrarei que estou sonhando.”

2 – Vá para cama

    Logo depois, sem fazer mais coisa alguma, apenas apague as luzes e vá para cama.

3 – Concentre- se na sua frase e propósito, para ficar lúcido (a).

Nesse meio tempo recorde sua frase e a imagem que desenhou. Posteriormente visualize você mesmo eu seu sonho, sobre o tema desejado e se tornando lúcido(a). Da mesma forma, continue se concentrando na frase e no propósito desejado até cair no sono. Em contrapartida, não deixe outros pensamentos se aproximarem. Por outro lado, caso aconteça, retorne aos pensamentos sobre sua frase, o tema desejado e se tornando lúcido(a).

 
A Incubação de Tema nos sonhos pode servir para indução de sonhos lúcidos. Quanto mais intenso for o propósito, mais chances de ficar consciente no sonho. Cena do filme… que vocês já devem ter reparado como eu adorei. 🙂

Ao conseguir a lucidez:

4  – Execute o seu propósito no sonho

Ao ficar lúcido(a) no sonho, aplique o que havia planejado. Diga a sua amiga que a ama ou experimente visitar o Egito… conforme o que havia desejado fazer. Aproveite para verificar seus sentimentos e observe bem os detalhes desse sonho.

5 – Quando atingir seu objetivo, lembre-se assim que acordar, recordar e anotar o sonho.

Isso deve ser feito de imediato, logo ao despertar. É importante buscar recordar os detalhes, sentimentos e observações, seja para resolução do seu problema, dúvida ou experimento planejado.

Fonte:

LABERGE. Stephen. RHEINGOLD. Howard. Exploring the World of Lucid Dreaming. Ballantine Book – New York. 1991.

A escolha de uma Técnica de Indução de Sonho Lúcido requer a análise de alguns fatores. Por exemplo, a forma do sono, a rotina no dia-a-dia, a estrutura dos sonhos e afinidade.

Cenários, personagens, emoções repetitivos podem ser utilizados para induzir a consciência nos sonhos. Na imagem, cena do excelente filme Questão de Tempo.

Para aqueles com Sonhos Repetitivos:

Para aqueles com uma estrutura de sonhos, com temas repetitivos, o Método de Tholey é a grande barbada. Paul Tholey, o criador dessa técnica, foi um psicoterapeuta alemão que pesquisou e aplicou seus estudos e experiências, em seus pacientes por mais de 30 anos.

O plano para quem tem esses tipos de sonhos recorrentes é dar atenção maior ao passo 5:

“5) Caso acontecimentos ou algum(ns) temas sejam repetitivos ou recorrentes nos seus sonhos – por exemplo o sentimento de medo ou a presença de um gato – aproveite quando estiver desperto, para se questionar “Estou sonhando ou não?”, sempre que avistar um gato ou se sentir ameçado(ou quando se defrontar com a situação repetitiva dos sonhos enquanto desperto).”

Vou citar o caso de uma amiga minha. Ela volta e meia está sonhando situações em que está afastada de seu bebê e sente um medo danado de que algo de mal aconteça ao filho. A idéia então cai como uma luva.

Imagem do filme “About Time – Questão de Tempo”.

Minha amiga irá algumas vezes durante o dia – especialmente quando não estiver próxima de baby, pensar intensamente na sensação de que está longe, do medo/preocupação com ele e fazer a reflexão olhando para suas mãos: “Estou sonhando ou não?”.

No meu caso, eu tive um período em que me chamou a atenção, o fato de eu sonhar tanto com situações de vôo. Eu voava muito mais do que caminhava, corria ou saltava. Qualquer ocasião que precisasse me movimentar, lá estava eu voando!…

Diante disso, resolvi aplicar o Tholey e durante alguns dias, fiz algumas visualizações, imaginando-me num sonho, vivenciando a experiência de estar voando e naquele mesmo momento me questionando “estou sonhando ou não?”. A aplicação detalhada do passo 6:

“6) Alternativamente a situação anterior, se os temas mais recorrentes nos seus sonhos são experiências que raramente ou nunca ocorram no estado desperto, procure então se imaginar vivenciando aquelas cenas e dizendo para si que está sonhando.”

Poucos dias depois eis que no meu sonho, alguém me perseguia e saí voando. Logo ao flutuar fui invadido pelo pensamento reflexivo: “Estou sonhando ou não?” e sequer precisei olhar para minhas mãos ou fazer qualquer reality check, pois eu já tinha certeza estar sonhando.

É claro que os demais passos do Método de Tholey não devem ser desprezados. Muito menos o uso de um Diário de Sonhos. Por fim ainda acrescentaria aquela despertada pela 6a hora de sono, levantar e tomar um copo d’água e último reality check com a reflexão e se visualizando/sentindo a situação.

Método de Tholey:
https://www.sonhoslucidos.com/2011/08/supremacia-tholey-o-metodo-de-tholey.html

Existe uma linhagem de sonhadores lúcidos que gosta muito e prefere a técnica WILD para indução de sonhos lúcidos. A melhor e mais detalhada descrição de aplicação desse método que eu vi até hoje, foi realizada pelo “Zombie”. Assim ele é conhecido no nosso Fórum de Sonhos Lúcidos e Tyler(antigo Orkut). O Zombie é um veterano e já compartilhou valiosas experiências. Tais como o “controle indireto nos sonhos” e a sua aplicação do WILD. Essa técnica de indução é que será dissecada nesse post, utilizando um tópico publicado pelo próprio onironauta no nosso Fórum.

A técnica de indução de sonhos lúcidos, conhecida como WILD, foi dissecada nesse post pelo sonhador lúcido Zombie. Na imagem, cena da espetacular série FRINGE (única série na história que está me fazendo devorar todos episódios, na companhia do meu paizão).

Como foi o texto foi publicado originalmente no nosso fórum, a linguagem está mais informal e procurei manter o mais próximo possível da publicação original.

“Eu vou dividir o WILD em 5 passos distintos, deixando claro que isso não é uma divisão oficial e universalmente aceita. É apenas a minha forma de entender a experiência. Essa lista de passos foi feita por mim, com ajuda claro de pesquisa de materiais alheios salteados, então qualquer discordância que vocês quanto a quantidade de passos ou nomeclantura/objetivos…. paciência.

Existem diversas maneiras de se aplicar o Método de Indução conhecido como WILD, assim como existem diversas realidades possíveis ou planos dentro de planos… como nas surpreendentes e absurdamente criativas histórias de Phillip Dick. Na imagem, capa do livro UBIK.

Basicamente uma boa técnica de WILD, na minha opinião, precisa ter:

1- WBTB, 2- Relaxamento corporal, 3- Uso de uma Âncora, 4- Relaxamento mental e 5- Acelerador de separação.

1 – WBTB

Essa técnica consiste em dormir por algumas horas, acordar por alguns minutos e depois voltar para cama. Nas primeiras horas da noite as fases REM (sono com sonhos) são curtas e muito espaçadas, por isso qualquer indução feita nesse período será muito difícil e instável. O ideal é dormir de 4 a 6 horas (aos poucos você vai encontrando seu optimal point) e ficar fora da cama por alguns minutos. Ao voltar a dormir retornará diretamente para o sono REM e seus sonhos serão mais profundos e duradouros.

O quanto você precisa ficar acordado varia de uma pessoa pra outra. Mas o objetivo é ficar acordado o suficiente para não estar sonolento demais (com o risco de perder a consciência durante a indução), e nem alerta demais( com dificuldade para voltar a dormir). É um período muito pessoal, mas em geral não deve ser preciso mais do que 15 ou 20 min (pra alguns bem menos).

Vale lembrar que dormir no meio do dia pode facilitar a indução, especialmente se você estiver sonolento e não tiver dormido mais do que 8 horas durante a noite. Nesses cochilos obviamente não é necessário usar WBTB.

2 – Relaxamento Corporal

Agora que você já passou alguns minutos acordado e voltou pra cama, o próximo passo é ficar o mais relaxado possível. Existem técnicas de relaxamento aos montes na net, mas basicamente o que importa é se colocar confortável e intensificar ao máximo esse conforto.

Deixando claro que esse passo não é indispensánvel, tratando-se apenas de um facilitador. Em outras palavras, pode-se pular, mas vai ser mais difícil ter sucesso. Especialmente sendo novato. Quanto mais experiente, mais você pode pular partes chatas e apressar passos já desenvolvidos. No começo paciência e disciplina contam mais.

Recomendo usar um método de relaxamento em que você flexiona de leve e relaxa os músculos, um grupo de cada vez. O relaxamento muscular acontece bem rápido fazendo isso. Outra excelente é uma em que aos poucos se foca na sensação do peso do seu corpo, isso vai intensificando a sensação e gera conforto. Mas enfim, não vou entrar em detalhes sobre como técnicas de relaxamento funcionam porque isso já é outro assunto e tem muito material por aí sobre isso.

Depois do relaxamento, evite ao máximo se mover, imobilidade é essencial. Só não deixe que essa imobilidade se torne motivo de tensão. Caso tenha uma vontade leve e ignorável de se coçar, então ignore e deixe pra lá (esse é o ideal). Mas se você não for capaz, então se coce e continue relaxado. Antes se mover e voltar pra o relaxamento, do que ficar imóvel, mas incomodado e tenso.

3 – Uso de uma Âncora

Agora que você já está relaxado, será necessário uma “âncora”. O que é isso? É alguma coisa em que para ajudar a manter a mente focada enquanto relaxa e adormece. E diferente do passo anterior a âncora é indispensável. Toda técnica de WILD, “projeção astral”, ou qualquer outro nome que vc encontre por aí, possui uma. Estejam os criadores e praticantes da técnica cientes disso ou não.

Os tipos de âncora podem variar muito. Pode ser algum som externo, sua respiração, batimentos cardíacos, visualisões, mentalizações, desconforto e centenas de outras coisas. E âncoras são pessoais, por isso é um trabalho de tentativa e erro até encontrar uma que lhe seja mais compatível.

Para facilitar o trabalho de quem quer encontrar uma, ajuda saber o que é que você está procurando. Basicamente o trabalho da âncora é manter a sua consciência focada em algo, bem levemente. Não pode ser tão levemente que se deixe de perceber aquilo que está focando e nem tão concentrado a ponto de lhe manter acordado. Caso use uma âncora algumas vezes e acabe ficando inconsciente isso significa que sua âncora é “leve” demais, e, por outro lado, se passar 1 hora em claro focado na âncora sem conseguir relaxar ou dormir isso signfica que sua âncora é “pesada” demais. Em ambos o casos, precisa se adaptar, trocando sua âncora por outra ou mudando sua atitude mental em relação aquela que já usa.

Uma que funciona bem pra mim, entre outras, é focar em algum leve desconforto (que eu mesmo crio, tipo colocar a mão debaixo do corpo). A vantagem dessa do desconforto é que não exige esforço mental (como ficar contando ou algo assim) e é quase impossível deixar de notá-la por mais relaxado e sonolento que eu esteja. Mas isso aí é bem pessoal… Para muitos, desconforto em qualquer nível, é pesado demais e não funciona. Mentalizar movimento também é outra que funciona pra mim e foi uma das primeiras que eu aprendi a usar, sendo que nem sabia o que uma âncora era na época.

4 -Relaxamento mental

Esse aqui, embora eu considere um passo ‘a parte, ocorre simultâneamente com o uso da âncora. O objetivo é simples: dormir. Você vai entrar no estado de sonho lúcido, devido a interação desses dois passos, ou seja, manter a consciência alerta (âncora) enquanto adormece (relaxamento mental).

Se vc fez os passos anteriores corretamente, vai estar levemente sonolento e perto das fases REM de maior duração, seus músculos já estarão relaxados, seu corpo confortável e sua consciência focada de forma leve e casual na sua âncora. Então agora só precisa adormecer, afinal de contas não dá pra sonhar lúcido estando acordado.

Nessa fase eu gosto de utilizar um dos chamados Sleep Starters. Existem vários, mas aquele ao qual eu me refiro consiste em simular a forma que você respira enquanto dorme. Se não tiver uma gravação sua  dormindo, o que é perfeitamente normal, então preste atenção na próxima vez que alguém estiver dormindo perto e aprenda a ritmar a sua respiração do mesmo jeito. Usar isso não é obrigatório é apenas um “macete” pra dormir mais fácil e ainda tem o bônus de dar um empurrão no seu sistema interno pra “ligar” a paralisia do sono.

Nota importante: não pense sobre sonhos lúcidos, WILD, paralasia do sono, etc durante a indução. Criar expectativa e ficar pensando no que vai fazer quando já estiver no sonho, ficar pensando se falta muito, e coisas assim, vão tornar o seu objetivo impossível de alcançar. Se quiser pensar sobre isso pense durante o dia. Tem todo uma explicação evolutiva sobre porque um predador imóvel não dorme enquanto espera que algo aconteça, mas nem vou elaborar. O importante é NÃO PENSE, APENAS DURMA.

No momento da indução, a única coisa que deve existir na sua mente é o momento presente e o máximo de relaxamento possível e bem ao fundo na sua consciência estará a presença suave da sua âncora. Sempre percebida, porém sem que seja dada a ela muita importância. Dormir, no fim das contas, é o passo mais importante do processo.

5 -Acelerador de separação
   O momento de usar isso é quando já estiver em paralisia ou pelo menos perto disso. Difícil explicar quando é o momento certo, é um feeling que se pega com o tempo. Basicamente você vai sentir uma sensação de peso, conforto excessivo, dormência, formigamento, vibração, ou, as vezes, uma espécie de chiado. Uma alternativa é simplesmente esperar até estar em uma paralisia completa, mas essa é uma sensação que nem todo mundo conhece, se for seu caso a única solução é experiência.
   Uma vez que alguma das coisas acima aconteça, o que você vai fazer é intensificar as sensações de sonho. Existem várias formas de fazer isso, sendo que todas tem como objetivo usar um, ou mais, dos seus sentidos como base. Algumas técnicas sugerem visualizações, tipo imaginar que está escalando uma corda, afundando na cama, ou até coisas mais abstratas envolvendo luzes e cores, outras focam na intensificação de sons (imaginários), etc. Todas são válidas e eficazes, sendo importante encontrar o que funciona bem pra você.
   A minha favorita é aquela que considero mais simples. Consiste em intensificar as sensações táteis do corpo de sonho sem mover o corpo real. O que você deve fazer e isso é impossível de ensinar só se aprende fazendo, é mover o seu corpo de sonho sem fazer força com seu corpo real (tensionar os músculos na realidade te fará acordar). Essa distinção de movimentos é uma sensação bem específica que você aprende naturalmente a conhecer. E o ideal é começar com movimentos pequenos e suaves, a não ser que esteja em uma Paralisia do Sono já bem profunda.

Comece mexendo o braço de sonho, sem mexer o braço real, e aos poucos vá aumentando os movimentos até sentir firmeza no que está fazendo e então comece a se mover de forma mais livre, afaste-se do local e não se preocupe mais com a realidade. Isso agiliza a sobreposição do sonho e lhe insere nele mais depressa e 100% lúcido.

   Vale lembrar que esse é outro passo que não é essencial, mas torna tudo mais fácil e rápido. Se  não quiser se dar ao trabalho de “acelerar”, simplesmente continue relaxando. Você vai passar direto pela paralisia (talvez sem nem perceber) e depois poderá ir se deixando adormecer aos poucos. Se fizer certo, eventualmente, vai se perceber em um ambiente de sonho já formado. Mas fique ciente de que sem usar o “acelerador” vai levar um tempo bem mais longo para concluir a indução, o que aumenta o risco de estragar tudo (por medo, falta de paciência, ansiedade, etc).
    Outra dica, que vale a pena implementar: logo que você sentir um dos sinais de aproximação da paralisia (sensação de peso, conforto excessivo, dormência, etc) utilizar um Sleep Trigger. Eu gosto de usar um em que você move os olhos (fechados) pra cima e pra baixo, em movimentos curtos e rápidos. Isso faz com que a paralisia se complete mais depressa e te deixa no ponto pra mudança de “fase”. Não sei explicar o porquê disso funcionar. Suponho que é porque durante o sono REM seus olhos fazem movimento rápidos similares a esses, inclusive esses movimentos são o motivo da sigla REM.

Conclusão
Parece ultra-complicado descrevendo assim, mas na verdade tudo isso acontece bem rápido. Numa indução minha explicada de forma mais concisa, eu faço o WBTB (as vezes sem querer, tipo acordando por acaso no meio da noite), deito confortavelmente, foco uma âncora e relaxo para dormir (Sleep Starter da respiração pra ajudar). Só isso já é suficiente pra entrar em SL direto algumas vêzes, mas caso eu entre em um princípio de paralisia, uso o Sleep Trigger (movimento dos olhos) e depois acelero a “separação” estimulando o o corpo de sonho. E isso é tudo.
Para quem tem paralisia do sono de forma acidental, dá próxima vez que acontecer, basta usar os passos 4 e 5. Relaxar pra dormir e acelerar a separação. Já pra quem precisa induzir tudo do princípio, o mais difícil é sair da estaca zero, depois que você começa a obter progresso e pegar o feeling das etapas, a coisa vai fluindo aos poucos.
De qualquer maneira, para quem não tem disciplina mental ou paciência pra lidar com as sutilezas desse tipo de indução, recomendo dar uma pesquisada, aqui mesmo no site, a respeito de DEILD, MILD, Tholey, etc.. É bem fácil praticar os exercícios que essas ténicas pedem e são todos feitos durante o dia quando se está plenamente acordado. A desvantagem é que usando essas técnicas, os sonhos lúcidos são ramdômicos e ocasionais, mas é bem provável que praticando um pouquinho diariamente rola pelo menos um Sonho Lúcido em menos de um mês.
Eu mesmo tendo preferência natural por WILD (devido as minhas paralisias do sono), as vezes faço uns reality checks aleatórios e pratico um pouco de MILD antes de dormir. Isso gera alguns SLs inesperados o que sempre é bem-vindo.
Boa sorte na induções e bons sonhos a todos.”

Fonte:

http://sonhoslucidos.forumeiros.com/t19-wild-zombie-way?highlight=zombie

Uma das técnicas com maior sucesso para indução da consciência nos sonhos, em experimentos em laboratórios de sono, foi a utilização em conjunto de: propósito ou intenção, a reflexão e a autossugestão.

A pesquisa que aponta para o grande sucesso da combinação desses três elementos, envolveu 5 grupos, com 34 homens e 56 mulheres, o estudo, realizado em 1992, foi conduzido por Schlag-Gies, pela Universidade de Saarland na Alemanha.

O propósito de voar sempre pode ser uma opção para uma bela noite de sono… Na imagem, uma das espetaculares cenas de vôo do excelente filme Man of Steel.

O “escore” alcançado, numa escala de 1 até 27, foi de 18 pontos/requisitos, o que se pode considerar de alto nível, quando comparado as demais técnicas MILD(4-6), WBTB(5/6) etc..   Vale lembrar que cada ponto atingido na escala era equivalente ao cumprimento de algum requisito em especial.

Fazendo um comparativo, o Método de Tholey  chegou a 15 pontos. Esse último foi recentemente comentado aqui e é inevitável perceber que são bem semelhantes, afinal o Tholey de certo modo, também envolve propósito, autossugestão e reflexão!…

A pesquisa atingiu score equivalente a eficiência de 15 pontos/requisitos, classificando-a como de eficiência “moderada”, sendo que essa pontuação, reunia uma série de 27 pontos/requisitos. Métodos como MILD, WBTB e Reality Checks variaram entre 5 e 8 pontos apenas e foram considerados de baixa eficiência.

Saarland University, Alemanha, onde mais uma vez os alemães sairam na frente, com pesquisas envolvendo  técnicas de indução da consciência nos sonhos.

Nos posts seguintes, buscarei tratar com esses elementos, para favorecer maior ocorrência de sonhos lúcidos.

Fonte:

STUMBRYS, Tadas e outros. Induction of lucid dreams: A systematic review of evidence. 2012. Conciouness and Cognition 21.