Tag

Filmes sobre Sonhos

Browsing

Existem filmes importantes para quem se interessa por sonhos lúcidos. Há tempos eu vinha tentando me lembrar desse filme, da “Era de Ouro” das vídeo-locadoras(década de 90). O título em português é “Sonho Fatal”. Em inglês Dream Lover(1986).

Sonho Fatal era um dos poucos filmes sobre sonhos dos anos 80-90 e lembro que me marcou bastante, assim como A Morte nos Sonhos. Fica longe da produção desse último, mas tem uma abordagem diferente e instigante.

A sinopse do filme é sobre uma moça que após ter seu apartamento invadido, reage com violência e sofre de pesadelos recorrentes, numa espécie de intensos pesadelos pós-trauma. Recebe ajuda de um pesquisador na área dos sonhos…

Lembro que há uma pegada científica ou pelo menos uma honesta tentativa nesse sentido. Num dos vídeos que encontrei pela internet é possível visualizar menção ao laboratório de sono da Universidade de Yale, coordenada pelo Mark R. Rosekind.

O Filme tem produção simples, mas a atriz principal Kristy McNichol manda superbem no suspense.

O filme que eu lembre, não chega a abordar a consciência nos sonhos, mas apenas um tratamento inovador do pesquisador e da relação existente entre a psique do estado mental desperto com os sonhos. Um estado mental interferindo no outro.

É um filme muito difícil de se conseguir, pois ao que parece não existe em DVD por aqui, mas apenas em VHS. Cheguei a encontrar um site onde pode se pagar para assistir ou adquirir o filme: http://www.vudu.com/movies/#!overview/78134/Dream-Lover

Caso eu volte a assistir, retorno para mais comentários e quem sabe editar mais detalhes desse curioso filme sobre sonhos.

    Terminei de assistir há pouco essa obra-prima. Quanto carinho na elaboração desse anime! Por trás da obra estão gigantes do oriente: Yasutaka Tsutsui e Satoshi Kon(Perfect Blue e Tokyo Godfathers) Esse último, falecido em 2010. Uma perda enorme.

     Para aqueles que se ressentem de Inception – A Origem, por este não ter mergulhado de fato na inesgotável infinitude imaginativa que é o universo mental dos sonhos, está aqui uma bela oportunidade para sentir algo muito próximo disso e que acontece também em Waking Life.

     A trama se dá com o desenvolvimento de um aparelho que permite compartilhar sonhos e possibilitar tratamento psíquico aos pacientes de uma forma revolucionária. A invenção, obviamente não se limita apenas a isso e mentes ambiciosas e sedentas por poder, logo entram em cena.

     Há sacadas magistrais, como o momento em que um dos personagens faz a reflexão: que num mundo tão inundado pela tecnologia, nossos sonhos se tornaram o último santurário da nossa espécie. Uau!

     Chris Nolan já admitiu que Paprika teve influencia sim sobre Inception. Especialmente sobre a personagem interpretada pela Elen Page(Arquiteta). Sonhos dentro de sonhos, cenas contagiantes de vôo, corredores que se desfazem, portas que se abrem para cenários inusitados… podemos encontrar de tudo um pouco nesse admirável filme sobre sonhos.

      Uma das coisas que mais gosto em Paprika é o contexto fortemente onírico. Por vezes é difícil acompanhar se ainda estão num sonho ou não. É o equivalente aos nossos “falsos despertar” e o filme é bom nisso. A exploração dos ambientes típicos dos sonhos em que tudo pode se deteriorar fácil, não há leis ou lógica vigente e os personagens mais experientes podem fazer valer suas habilidades de controle dos sonhos!…

      Por fim a tecnologia em si,  o pequeno aparelho que permite aos usuários compartilhar seus sonhos e também seu uso como ferramenta de tratamento psicológico. É algo que define a obra como ficção científica. Imagine que prato cheio o psicanalista ou terapeuta podendo adentrar no subconsciente de seu paciente!…

     Aos interessados pela exploração da consciência nos sonhos, filmes como Waking Life, Inception, Sonhando Acordado, Vanilla Sky… são sessões imperdíveis! São filmes que abordam diretamente os sonhos lúcidos.
     Existem ainda, aqueles filmes que nos fazem mergulhar para além da estrutura do real. Promovem situações surpreendentes, apresentam histórias que nos arrancam de nossas posições e brincam  com perspectivas, por vezes, assombrosas!… 

     Como numa boa ficção científica, com um pé na realidade e outro nas possibilidades que a mente humana pode oferecer, promovido pelos avanços na ciência, o filme Source Code(traduzindo literalmente fica Código da Fonte), com o título em português Contra o Tempo, é um desses filmes.

     Não dá para falar muito do filme sem estragar as melhores surpresas… mas recomendo para todo aquele que se interessa pela exploração da mente ou consciência. Uma daquelas boas experiências cinematográficas que nos fazem sobrepujar junto com o protagonista o tecido da realidade.

     São películas que com alguma frequência, bebem na fonte de grandes pensadores como Platão, Descartes, Baudrillard e trazem um pouquinho daquela mágica filosófica para os nossos pensamentos. 

Dark City – Cidade das Sombras é um dos filmes que  exploram a frágil  estrutura do que pode ser entendido como  o real.

      Há diversos filmes que seguem essa linha e são especialmente indicados para provocar ou instigar devaneios, trocar idéias com amigos, discutir o que seria o real etc.. 

      Meus prediletos:

– Cidade das Sombras
– Matrix
– Inception
– Contra o Tempo
– 13º Andar
– …
 
      Abordarei alguns desses também. Especialmente porque são filmes que contribuem para fortalecer nosso posicionamento mais lúcido frente a vida. 
       Levar uma vida com uma consciência mais forte é aprimorar nosso espírito questionador, rompendo com convencionalismos fúteis. Uma das implicações disso, para aqueles que se comprometem a um viver mais lúcido, é uma mente mais preparada para a percepção do estado mental dos sonhos.
      

A única coisa pior que uma prisão para a sua mente é uma prisão para a sua mente que você nem sabe exisstir; portanto uma prisão de onde você nem tenta escapar.”* Matrix explora de modo exemplar o Mito da Caverna de Platão.

*Fonte:
IRWIN, William. Bem-Vindo ao Deserto do Real. Madras Editora Ltda – São Paulo: 2003.

     Demorei para fazer um texto sobre Vanilla Sky, mas o filme está sim relacionado diretamente com o tema dos sonhos lúcidos. Quem ainda não assistiu e curte sonhos lúcidos, assista antes de ler esse texto. Não dá para comparar com um Waking Life ou Inception, mas garanto que para aquilo que o filme se propõe, está bem realizado sim. A trilha sonora é um bônus e tanto!
Vanilla  Sky é um filme indispensável para os apreciadores do tema dos sonhos lúcidos.
     Trata-se de uma versão norte-americana, inspirada no filme espanhol Abre los Ojos (no Brasil, Preso na Escuridão) de Alejandro Amenábar (o mesmo diretor de Os Outros). Abre los Ojos não assisti e pelo que dizem supera a versão hollywoodiana. Porém a abordagem parece ser diferente. Terei que assistir para poder comparar. Quem viu, por favor não deixe de fazer os comentários comparativos!
      Recomendo o filme não apenas para o apreciadores do tema da consciência nos sonhos, mas para quem gosta de um filme com boa história. Há um quebra-cabeça na trama que precisa ser montado e apesar do desfecho esclarecer tudo, de fato é um entretenimento bem além da média dos “filmes-pipoca” que vem saindo por aí.
Versão original espanhola em que foi baseado Vanilla Sky.
      Pode-se perceber no decorrer da história aquelas sensações de não saber o que realmente está acontecendo. O protagonista está morto? Está insano? O que diabos está acontecendo?! Assim ficamos grande parte do filme. Repo Men tomou carona nesse desfecho e uma pena que não tenha desenvolvido melhor a história. 
      Até que ponto podemos viver dentro de nossas mentes?… Corriqueiramente vivemos sonhos intensos, impressionantes e há pesadelos quase traumáticos. O filme faz um mergulho numa pequena parte desse tema e pode levar os apreciadores do assunto a curiosas reflexões.
     “When you close your eyes… the adventure begins!…” – Quando você fecha seus olhos… a aventura começa!… o filme pode ter envelhecido com o tempo, mas a essência de explorar o mundo dos sonhos como tema está lá ainda bem forte. Dando sequencia aos filmes que exploram a temática dos sonhos, após Inception(A Origem), Waking Life e Sonhando Acordado(The Good Night), vale a pena saber que existe “A Morte nos Sonhos(Dreamscape).
Dreamscape – A Morte nos Sonhos(1984) é o primeiro filme que lembro que aborda o tema dos sonhos de maneira tão original.
      Nunca esqueci esse filme e lembro perfeitamente como ele me marcou pelas possibilidades que se abriam ao poder explorar o mundo dos sonhos. O próprio vilão atormentado e surpreendentemente poderoso, dava a chave para o protagonista interpretado por Denis Quaid(Alex). Dizia assim: É um sonho Alex! Você pode fazer o que quiser aqui!” E virava um monstrengo em seguida(Sneackman – o Homem Serpente? uau!).
Uma das primeiras experiências de Alex(Dennis Quaid), consciente e dentro de um sonho.
      Da mesma maneira que Inception, a idéia central não é o fato de poder explorar o mundo dos sonhos, de modo consciente. Os personagens adentram a realidade onírica facilmente, como a coisa mais natural do mundo e… partem para as experiências de sonhos compartilhados.
     O clima de pesquisa no laboratório e no instituto em que se passa parte da história é bem ambientado. É bem curioso observar a tecnologia dos computadores da época, os monitores e aparelhagens.
     Gostei muito de duas partes, em que Alex auxilia um menino que sofria com pesadelos terríveis e a maneira como o próprio vilão revela o segredo(embevecido pelo poder e arrogância) das possibilidades no mundo dos sonhos.
     O tema do filme permeia o perigo da 3ª guerra mundial ou a guerra nuclear… como um contexto, claro, mas há imagens bem simbólicas, retratando aquele perigo terrível que a humanidade passou bem perto.
O contexto do filme é bem marcante, época da guerra fria entre URSS e EUA.
      Há a presença de grandes atores como Max Von Sydow, Christopher Plummer e Dennis Quaid.
     Posso adiantar para quem ainda não viu o filme que há uma trama contra alguém da cúpula do governo, utilizando os sonhos como instrumento. Como eu disse, o filme envelheceu bastante em certos aspectos, como efeitos especiais e claro, por vezes, a narrativa fica ingênua, mas a brincadeira com a exploração dos sonhos está lá, bem viva, original e divertida.
      Interessante lembrar que a época de 1984, além do perigo de uma guerra nuclear mundial, foi também quando Stephen LaBerge e Keith Hearne divulgavam suas comprovações científicas sobre manter o estado consciente durante os sonhos. Hollywood pelo jeito já se antenava com o que havia de novo e extraordinário no mundo científico.
     
        Um belo dia minha supermãe comentou comigo ao telefone: “Ei! Estamos assistindo um filme que o protagonista está falando daquele assunto que tu adora…”.
         Caramba! Um filme que não assisti e que tem sonhos lúcidos?!… E não é que o assunto é tema no filme mesmo?! Voltando ao tema dos filmes que abordam os sonhos lúcidos(já tratamos aqui de Waking Life e Inception), eis que há esse filme não muito conhecido: Sonhando Acordado(The Good Night – no original).
Sonhando Acordado é um filme simples e bacana com o tema dos sonhos lúcidos marcando presença.
 
         Há bons atores no filme como Danny de Vito, Gwyneth Paltrow e Penélope Cruz. Produção simples, mas que funciona muito bem. Fica longe de uma história surpreendente como os já citados no blog e outros como Vanila Sky, Paprika e Morte nos Sonhos… mas para quem tá afim de curtir um filme que envolva o tema dos sonhos lúcidos, é uma boa opção.
          Pode-se encontrar um pouco de técnicas e dicas para ter sonhos lúcidos. Muito pouco pra ser mais exato. Ainda assim é interessante porque a história é narrada de uma maneira bem realista. O centro da narrativa é na verdade a crise conjugal do protagonista(vivido por Martin Freeman).
Danny de Vito interpreta o especialista em sonhos lúcidos no filme The Good Night – Sonhando Acordado.
        
          Danny de Vitto é o personagem que provalvemente vai despertar mais a atenção de quem for assistir, pois interpreta o “expert” nos sonhos lúcidos. Fiquei seriamente preocupado quando percebi que sou quase tão bagunceiro quanto aquele personagem! o_O
          É engraçado presenciar as primeiras experiências do personagem principal, Gary Shaller, sua alegria ao perceber que pode induzir essas experiências e a maneira como fica “surtado”, procurando obsessivamente a coisa.
A consciência nos sonhos pode proporcionar experiências apaixonantes para qualquer um.
       Talvez para alguns sirva de alerta para procurar aprender a experimentar esse brinquedo sem se perder pelo caminho. Afinal, quando na vigília as coisas não vão muito bem(como é o caso no filme), transformar os sonhos lúcidos em mera ferramenta para escapismo não é muito difícil, haja vista o fato de que podemos conseguir sensações bem embriagantes ao atingirmos a consciência nos sonhos.