Tag

Psicodelismo

Browsing

Texto gentilmente cedido pelo onironauta Zooth00 :

   Acho relevante desmistifcar um erro que acomete uns 90% da população de sonhadores lúcidos.
Se quiserem ler a discussão toda, remetam-se aqui.

     O que é paralisia do sono? “Uma assustadora forma de paralisia que ocorre quando a pessoa de repente percebe a si mesma incapaz de se mover por alguns minutos. A maioria desperta ou acorda.” Até aqui tudo simples certo? Sabemos(e provavelmente a maioria já experimentou) que a paralisia quer no início da fase REM do sono, quer no final da mesma.

Complementando: “Paralisia do sono é a sensação de não conseguir movimentar o corpo que acomete algumas pessoas geralmente após o despertar. Dura poucos minutos, porém o suficiente para trazer um certo desconforto. Decorre de um despertar parcial durante o sono REM, persistindo a atonia muscular já em estado de vigília.” *

Zooth00 é um onironauta, membro do Fórum de Sonhos Lúcidos. Na imagem, cena do filme Matrix… acho que o Zooth00 era um dos “Potenciais” 🙂

 
Por que acontece? “… trata-se de uma irregularidade ou estado transicional que acontece entre o estado do sono e o estado desperto.” Isto é um ponto fundamental. Quando há paralisia de sono, salvo casos muito raros, não há o “e acabou e comecei a mexer-me outra vez”. Há uma interrupção efetiva do fluxo de certos neurotransmissores, e isso resulta num bloqueio da atividade motora. Uma das razões (para além das alucinações aterrorizantes) para causar tanto medo/desconforto é porque estão efetivamente paralisados. Saber que é paralisia não é o suficiente para vos acalmar, senão os doentes com episódios regulares não teriam tantos problemas com a mesma não é ?!

O que se entende por irregularidade? “Sleep paralysis is the result of premature (or persistent) mind-body disconnection as one is about to enter into (or exit from) REM sleep.” É importante não achar que paralisia de sono é o único caso de mind-body disconnections à medida que vamos a caminho de REM. Tal como o absoluti0n refere, e tenho a certeza que todos nós percebemos com o exemplo dele, mind-body disconnections são perfeitamente normais, dado que o cérebro progressivamente vai desligar certas àreas/funções do cérebro em prol de outras (e aqui temos a suplantação da cognição externa pela sensorial interna). Um caso são as HH, os tremores, as alterações de consciência, as vibrações, (o cão a ladrar no quarto quando nem sequer temos cão xD).

Ciclos do sono, com as fases REM em amarelo.

Então paralisia de sono é própria de que estágio? REM. Porque se refere à percepção da REM atonia, tão simples e directo como isso. “If you become aware before the REM cycle has finished, you may notice that you cannot move or speak.” É por isso que quando saimos de um lúcido não sentimos paralisia de sono: é um fenónemo raro, assustador, e bem distinto das experiências de sintomas N-REM. Quando o sonho acaba é exactamente isso que acontece: podemos estar lúcidos e por falta de concentração ou término da duração desse estágio REM naquele ciclo de sono em particular, mas o REM acaba. Se tivesse o atrevimento de adivinhar, diria que o fim da REM atonia enquanto estamos lúcidos está a acontecer no momento em que reportamos “o sonho começou-se a desvanecer”.

Sonambulismo, vale a pena mencionar? A menos que queiram complicar sem razão, não O sonambulismo é próprio de fases N-REM, e isso é a razão pela qual sabemos que alguém é sonambula: está-se a mexer Para além do mais, é preciso sermos “mauzinhos” demais para assumir que o doente iria experienciar sonambulismo (que ocorre maioritariamente apenas uma vez por noite) e paralisia de sono (que é um fenónemo raro) logo na mesma noite, pobre coitado xD

O que isto significa em termos práticos no WILD? Significa que WILD é a indução de um sonho lúcido ao entrar conscientes na fase REM, e não o acto de entrar em paralisia de sono. O wild começa antes sequer de se deitarem (porque o planeiam fazer). A paralisia de sono não seria um fenónemo raro se todas as pessoas que se recussassem a perder a consciência no sono (sonhadores lúcidos não são os únicos, há pessoas que devido a problemas mentais também fazer o mesmo, ainda que sem querer) conseguissem chegar lá. Para além do mais, se o WILD se referisse à paralisia de sono (e que muita gente teima que sim erradameente), então os relatos seriam muito mais interessantes e não experiências muito mais “smooth” na maioria das vezes como os relatos da comunidade de sonhos lúcidos demonstra (para ficarem mais “convencidos” aqui, façam como eu e metam o nariz numa grande quantidade de relatos de WILD bem sucedidos).

Por último: então se não é paralisia de sono, o que exprimentamos nós tantas vezes? Sintomas N-REM. Nem precisamos de visitar um especialista de sono para reportarmos várias sensações e alucinações quando estamos a adormecer (incluindo quando não estamos a fazer WILD). Estes sintomas são meramente a progressão gradual do sujeito de N-REM a REM. O grupo de fases N-REM tem como principal objectivo o restauro fisiológico do sujeito, e o REM (bem mais complicado diga-se de passagem) já se refere para funções mentais, como a organização de memória, regulação de emoções, etc. Dado que a passagem de um para outro é gradual, é apenas normal que observemos estes “fenômemos”.

Espero que isto tenha ajudado e libertado-nos de muitas confusões. Também só prova que o WILD é uma questão de mentalidade. Provavelmente muita gente o falha porque, citando um outro contribuinte para a discussão, é importante fazer a distinção entre “HOLY SHIT I CANNOT MOVE AND THERE ARE STROBE DEMONS EATING MY FEET!” e “Suddenly my body is vibrating all crazy-like and my senses are going super fuzzy. Oh look! Dream imagery!” Perseguir a paralisia de sono é um erro, o objetivo é (ou devia de ser para aqueles que querem aprender a WILD) mantermo-nos conscientes e cientes do nosso propósito de não perder a consciência enquanto passamos por “esta cambada” de sintomas N-REM.

Nota do blogueiro-editor(Márlon, vulgo Coruja rs): não sou um especialista em WILD. Tive minhas experiências, mas fiquei encantado pela precisão do onironauta Zooth que nos brindou com esse ótimo texto nas discussões no nosso Fórum de Sonhos Lúcidos.

Por fim, creio ser possível em alguns casos, atravessarmos à paralisia rapidamente. Tratam-se das situações que estamos com o sono atrasado e o rebote de REM acontece.

*  NEUROCIÊNCIA da Mente e do Comportamento. LENT, Roberto(Coordenador).
 Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.

      Uma das primeiras coisas que volta e meia alguém me pergunta é sobre números da mega-sena ou da loteria nos sonhos. É possível, em meio a um sonho lúcido, desejar, encontrar e visualizar eles?

       Sim. Qualquer um pode experimentar e na maioria das vezes os números surgirão borrados, embaralhados ou pululando de modo errático. Eu tive a oportunidade de testar isso várias vezes. Até que finalmente descobri uma maneira interessante e de boa eficiência.

Será possível conseguir, em meio a um sonho lúcido, visualizar números da sorte?

       Em meio a qualquer tipo de sonho, seja consciente ou não, sempre será difícil para estrutura natural do sonho, manter a estabilidade ou mecanicidade típicas do mundo do estado desperto. Nossa mente sempre irá emular o real. Nossa criatividade,  imaginação, memórias e a psicodelia típicas do estado mental dos sonhos, encarregar-se-ão de dar um show que resultará em pouco espaço para números bonitinhos e bem gravados em Times New Roman. 

      Lá vai então um dos meus preciosos segredos… mas reparem que mesmo dominando essa técnica, ainda não consegui ficar multi-milionário. Ainda. rsrrsrsrsrs  Chamo ela de:

        Técnica da olhadinha pro lado

         Quando mais uma vez conseguir ficar consciente num sonho e quiser encontrar números para jogar na loteria, mega-senna ou o que for, faça o seguinte:

          1) Procure por uma porta.

           2) Quando encontrar essa porta, deseje que atrás dela, nesse recinto, você vai encontrar uma televisão.

           3) Nessa televisão surgirá números da sorte.

            4)Olhe para a tv, memorize o número, olhe para o lado e volte a olhar novamente para a televisão. É fundamental uma olhada rápida que não deixe tempo para o número se embaralhar. ;D  Esse que é o pulo do gatão aqui ;))

            5) Faça a repetição de olhar para tv e para o lado até reunir a quantidade de números que precisa.

         Repare que em vez da TV também poderia servir outros objetos como um quadro-negro, um quadro, reflexo num vidro, etc..

Uma televisão, um quadro-negro ou reflexo no vidro.. não importa o objeto, basta escolher um deles e a cada  olhada, virar para o lado e olhar novamente para visualizar o novo número.

        
       Para lembrar dos números:
   
        Eu já cheguei ao ponto de ficar cantarolando a sequência dos números…! Lembro que queria fazer um experimento e acabei colhendo os números antes. Então durante todo um experimento fiquei cantando e batucando pra não esquecer aqueles números da sorte.

  
              

   Mais um post inspirado nas questões levantadas pelos onironautas.   É no mínimo interessante saber que certas substâncias, na forma de bebidas, alimentos, suplementos ou medicamentos, podem interferir nas chances de obter sonhos lúcidos.

A Galantamina é conhecida principalmente nos EUA como a pílula dos sonhos lúcidos.  Vendida como suplemento e disponível em muitos sites referentes a sonhos lúcidos. No Brasil a substância recebe o tratamento vendido sob prescrição médica.

 

   Analisando o caso da Galantamina. Tomei conhecimento dela, através de um vídeo do jornalista Bruno Torturra. Nesse vídeo ele relata que durante o curso que estava tendo no Hawaii, ministrado por Stephen LaBerge, soube da substância e de seus efeitos.

    Pacientes com Alzheimer que estavam sendo tratados pela Galantamina, começaram a se queixar de pesadelos… ora, pesadelos, como todo onironauta um pouco mais experiente sabe, pode ser uma porta de entrada para os sonhos lúcidos. Grande parte dos sonhadores lúcidos(eu, vulgo Coruja, incluso), iniciaram suas experiencias com sonhos lúcidos, por meio de pesadelos durante a infância.

    O LaBerge não teve dúvida e começou a pesquisar e experimentar a substância, resultando que realmente a galantamina  provoca sonhos mais intensos. Hoje essa substância é comercializada nos EUA como um suplemento.

Exemplo de pote de Galantamina facilmente encontrado para venda nos EUA, na forma de suplemento.

 

    As informações divulgadas, apontam que essa substância aumenta os níveis do neurotransmissor responsável pela memória(acetilcolina)Em uma rápida pesquisa pela internet é possível verificar a facilidade com que a galantamina é vendida na forma de suplemento:

http://www.amazon.com/Galantamind-GM-S-Galantamine-GalantaMind-Capsules/dp/B0008F5JU8

http://www.galantaminedreams.com/

    No Brasil as pílulas são regulamentadas apenas como medicamento. De fato podemos verificar que nas bulas, existe a possibilidade de reações adversas ou interações medicamentosas!…

http://www.medicinanet.com.br/conteudos/medicamentos/425/galantamina.htm

http://www.folheto.net/galantamina-teva-galantamina-bula-do-medicamento/

    Fica aberta a questão… talvez algum onironauta possa se aprofundar mais na questão e nos ajudar a descobrir os motivos da venda no Brasil, apenas como remédio no tratamento de pacientes com Alzheimer, enquanto nos EUA, está liberado como suplemento para ter sonhos lúcidos.

   Bem fascinante foram as experiências relatadas pelo sonhador lúcido, professor e pesquisador Ryan Hurd. Desde fortes paralisias do sono, até sonhos lúcidos chocantes. Esse texto traz informações bem valiosas sobre a famosa “pílula dos sonhos lúcidos”:
http://dreamstudies.org/galantamine-review-lucid-dreaming-pill/

    Baseado em dúvidas recorrentes de onironautas e interessados por sonhos lúcidos e paralisia do sono, resolvi fazer um pequeno texto, exclusivo sobre como fazer uma Paralisia do Sono virar um Sonho Lúcido.

A sensação de imobilidade pode ser bem ruim, especialmente para quem desconhece a paralisia do sono.  Nessa situação, estamos conscientes, mas incapazes de movimentar o corpo. Na imagem, mais um duelo entre o cabeça-de-teia e o Homem-Areia(personagens da Marvel).

    A paralisia do sono, é aquele momento, no início ou ao final dos ciclos do sono, em que a pessoa sente o corpo em total rigidez, ao mesmo tempo em que se sente desperta. Essa imobilidade do corpo é um mecanismo natural que ocorre normalmente nas fases REM, enquanto estamos dormindo. É conhecida tecnicamente por “atonia muscular da fase REM”. Sem isso, durante nossos sonhos, poderíamos executar perigosamente os movimentos. Imagine a situação de estar sonhando que vai voar de um prédio, quando na verdade teu corpo está mesmo na sacada do seu apartamento!…

   Vale ressaltar que sonambulismo não se trata da situação descrita acima, pois o distúrbio não acontece na fase REM. Porém tenho minhas dúvidas se a pessoa, nesse caso, de fato não está sonhando com algo. Já presenciei sonambulismo e o que vi era alguém interagindo com um cenário! rsrsrsrs

Arte de Ivan Kramskoy: the Sleepwalker. Sonambulismo não é paralisia do sono.  

    No caso da paralisia do sono, são sintomas típicos a sensação de estar paralisada(o) e sufocamento. Podem acontecer sintomas como alucinações visuais e/ou auditivas. Pode-se sentir essa paralisia, além da total incapacidade de se mexer, como também uma forte pressão sobre o peito, cabeça, pernas etc..

     Quando a paralisia está acontecendo com muita frequência, pode se tratar mesmo do distúrbio(da paralisia do sono). Caso não seja possível converter isso em sonho lúcido e continue a incomodar, o recomendável é procurar um médico da área do sono. Provavelmente poderá resultar na ida num laboratório de sono para analisar melhor o caso.

      A Conversão:

Procure imaginar, algumas vezes durante o dia, um cenário que seja agradável pra ti. Imagine-se estar sonhando com tudo aquilo. Teu sonho e interagindo com tudo, explorando serenamente, com muita paz, amor e tranquilidade.

No próximo evento de paralisia do sono, resgate esse cenário que você imaginou bastante no estado desperto. Lembre-se dele! Inunde tua mente com o que tu exercitou.

Ainda durante a paralisia, já visualizando o cenário, sinta-se interagindo com ele, fazendo coisas simples, seja caminhando por ele, observando e sentindo o que exercitou quando estava acordada(o).

Finalmente atingirá o sonho lúcido. Teu sonho, com tuas criações mentais. Só na paz, amor e toda experiência e muito prazer, possível e imaginável… sem limites!

Adentrando teu sonho, tua exclusiva criação mental… teus construtos e vontade. Na imagem, Mr. Anderson, totalmente transformado em Neo, atingindo sua superconsciência, no filme Matrix.

Em último caso, caso não consiga bons resultados, é recomendável procurar um médico da área do sono. Existem muitos medicamentos e hormônios sintéticos.

      Muitos onironautas que esporadicamente ou com mais frequência, acometidos pela paralisia, optam pelos métodos WILD e VILD.

      Para outras informações sobre paralisia do sono, como interromper um episódio ou como evitar, recomendo outro post:
https://www.sonhoslucidos.com/2011/01/o-que-e-paralisia-do-sono.html

      A madruga de 5 de junho foi especial. Fazia algum tempo que eu queria fazer a experiência de encontrar Deus nos meus sonhos. Tinha deixado o audacioso plano um pouco de lado, para fazer a do sexo com orgasmo e experimentar o olfato.

Fazia um bom tempo que eu planejava realizar a experiência de encontrar Deus nos meus sonhos.

      Eis que nessa noite, finalmente fui executar o plano.

Rotina:
Fui dormir próximo da meia-noite. Tinha treinado pesado entre 18:30 até 19:40h, minha musculação na academia.

      Em casa comi um sanduba, um suco industrializado com muita vitaminha C, um suplemento, uma banana e umas bolachinhas de chocolate para bombar o pânceps!

      Pensava em alguns pequenos problemas, mas limpei a mente e foquei meu desejo de ficar consciente num sonho e procurar Deus nele.

Dentro de uma casa, ao erguer minhas mãos, sem mesmo chegar a olhar para elas, tive certeza estar sonhando. Yeah!!

Ao erguer minhas mãos, sem ao menos chegar a contemplá-las, tive certeza estar sonhando.

“Agora então vamos lá! Vou encontrar Deus.” Saí em direção a porta de um recinto. Abri-a e dentro dele, ninguém.

Ao voltar, pela mesma porta, desejei que do lado de fora Deus surgisse. Porém… nada!…

Entrei novamente, usando outra porta, num outro quarto e mais uma vez sem resultado.

De repente me veio uma idéia, pensamento ou voz na minha mente, muito forte: “siga a luz e encontrará!”.

Olhei para a janela da casa e havia muita luz lá fora. Parecia um solzão de rachar.

Ao sair, estranhamente não estava quente e voei em direção a luz. Não fui para cima, mas voando rumo a um horizonte, de onde parecia vir a luz.

Pousei num lugar e ao olhar para fonte, eis que uma árvore grande, com troncos enormes, cheio de curvas se revelaram para mim. Fiquei emocionado com a magnitude de tamanha beleza. Ela irradiava puramente a perfeição. Fui inundado por ela e acordei.

           Uma das onironautas com grande potencial para desbravar a consciência nos sonhos, talvez em especial o método FILD é a Elisete. Atua como professora de piano e teclado na Escola de Música Rafael Bastos. Era tecladista na banda Plug-In e agora prossegue seus estudos em música, buscando seu bacharelado em piano pela UDESC.

É frequente encontrar entre os onironautas, grandes apreciadores de algum tipo de arte, seja a música, pintura, poesia, etc..

           O relato que segue dessa onironauta, merece especial  atenção. Causa empatia logo de início. Serve de exemplo também no esforço pelas anotações(eu também tenho que tomar vergonha e ser mais disciplinado nisso).

           A exemplo do onironauta Felipe, nosso guitarrista e colaborador do blog, segue os relatos e rotinas preciosos, diretamente das anotações pessoais da Elisete:

Elisete Vieira é professora de piano pela Escola de Música Rafael Bastos em Florianópolis. Onironauta iniciante nos sonhos lúcidos, apresentou um relato contagiante sobre suas investidas na anotação de seus fragmentos de sonhos até atingir sua primeira lucidez.

           ”

EXPERIÊNCIA 1

            Na noite em que iria testar o método(FILD), eu fui dormir um pouco tarde e não dormi muito bem. Tenho 2 gatinhos, sendo que um deles estava meio inquieto e vez ou outra miava dentro do quarto, e eu, com o sono meio leve, despertava logo. Então eu acordava e dormia várias vezes até que decidi fechar a porta do quarto com eles fora. Dormi e sonhei, mas foi sonho “piloto automático”. Nada de consciência. Não consegui concentração pra aplicar nenhum método por estar cansada, e deixei pro outro dia. Este que vou relatar é apenas um de vários fragmentos que tive:

Sonho (12/03/2012): A GAROTA CHATA – Parte I
      “Estava como que num lugar público, tipo um refeitório ou um restaurante meio antigo. Eu estava em pé diante de um banco e uma turma ao redor da mesa conversando. Eu também conversava com eles. Atrás de mim um espaço de chão que separava outra mesa com bancos.

       Veio uma moça passar pelo espaço de chão atrás de mim. Dava pra ela passar folgadamente, mas por birra ou por querer todo o espaço pra ela, começou a passar por trás de mim como se fossem pessoas em pé dentro de um ônibus lotado. Eu estava de costas para ela, sentia o que ela fazia e empurrava-a para trás, mas ela continuava passando e pressionando, só pra me encher a paciência.
       Até que não sei como me livrei dela e comecei a dizer algo como: “Sai” (algo assim), e ao mesmo tempo apontava um objeto pra ela (parecia uma varinha do Harry Potter rsrs), onde cada vez que eu dizia “sai” apontando este objeto, apareciam umas manchas brancas no peito dela, e ela recuava.

Algo assim. Nada de sonho lúcido, só no automático.”

EXPERIÊNCIA 2 (manhã de 13/03) – Parte II
        “Fui dormir um pouco mais cedo na noite seguinte. Quando vi que o gatinho “falador” começou a dar os primeiros miados eu já tirei os dois do quarto e deixei-os fora no ato. Rsrs. Apaguei a luz, fui pra cama, dei uma lida a mais no método e deitei. Eu apenas inverti a ordem de um dos passos, mas mesmo assim sei que funcionou. Rsrs.

         Deitei logo de cara movimentando os dedos, ao invés de dormir e acordar pra fazer isso. Hehe. Mas acho que valeu, porque fiquei fazendo isso por uns poucos minutos e o meu corpo já começou a ter espasmos, daqueles que temos quando o corpo está começando a relaxar. E quando isso acontece comigo eu já sei que vou dormir rapidinho. Antes de adormecer, fiquei calmamente dizendo pra mim mesma: “vou me lembrar de me perguntar como cheguei naquele lugar, fazer o reality check, ter consciência de que estou sonhando e de ficar calma”.

       Repeti mais umas duas vezes essa última frase, alimentando o sentimento de que nada poderia me fazer mal. Não deu outra, segundos depois dos espasmos eu quase apaguei direto, não fosse um pequeno probleminha: quando senti que ia ter uma paralisia do sono eu acordei imediatamente, nem deixei paralisar. kkkkk. Fiquei com o coração acelerado por uns segundos e me sentindo uma boba: “Como pôde ficar com medo sua boboca?”.

        Resolvi tentar de novo, mas desta vez usei não apenas a consciência dos dedos, mas me lembrei de algo que o meu professor de piano me ensinou: que a gente deve se perceber bem na musculatura enquanto toca, pra ver se não está tocando de forma inadequada e previnir assim, tendinites da vida.
        
        O principal é estar completamente relaxado pra tocar, mesmo nos trechos onde a musculatura é mais exigida. Aí comecei a perceber cada músculo do meu corpo, começando a soltar cada um deles, relaxando. Dos pés à cabeça. De repente minha respiração começou a diminuir, e quando vi, escuro total. Não sei quanto tempo levou essa parte, acho que foram as que antecedem a fase REM (posso estar falando bobagem, me corrija se estiver). Acho que foi porque meu primeiro despertar foi às 10:30h e fui dormir perto das 2h por causa da parada que dei em funçao da paralisia.

         Quando despertei, estava acordada porque olhei as horas no celular e tava 10:30h sem problemas. Mas me vinham diversos flashes de imagens ou sequências de sonhos, e o que fiz foi ir deixando rolar e ao mesmo tempo tentando controlar pra não esquecer. Eu memorizava alguns e deixava rolar ao mesmo tempo. Até que vi que despertei mesmo e aproveitei pra anotar, porém anotei apenas palavras-chaves. Voltei a dormir e vieram outros. Fiz o mesmo. Aí o relato segue, primeiramente dos flashes:

O MINOTAURO E A VERDADE (1º sonho)
     “Havia uma parede onde apareciam como que reproduzidos por um datashow, símbolos de animais. Eram enfileirados e vinham de baixo pra cima, um de cada vez. Às vezes eram inseridos novos símbolos. Entendi que aquilo representava os símbolos de competidores que estavam sendo selecionados naquela hora para um tipo de competição.

       Cheguei num local (parecia uma pracinha na cidade onde trabalho, Florianópolis) e os animais estavam jogando jogo-da-velha (era essa a tal competição). Vi que havia um competidor jogando com um minotauro, e o competidor venceu.

        O minotauro não gostou muito e começou a esbravejar. Todos falavam pra ele se acalmar e ele continuava esbravejando, até que tive que ir bem perto dele e gritar a todos os pulmões: “As pessoas não ouvem a verdade a não ser que se fale alto!”. Nisso me encontrei numa padaria próxima ao local da competição, e alguém que viu a cena veio me perguntar porque dissera aquilo. Não me lembro muito bem da resposta.

O GRITO (2º sonho)
Imediatamente ficou escuro e eu gritei “Você!”, a alguém que eu não via e não sabia quem era, e que havia me feito alguma pergunta que também não me lembro.

O MONGE (3o sonho)
Esse foi o mais divertido de todos. Quando me lembrava dele eu ria pacas! Do nada me vi num local que não me lembro, onde havia um monge tibetano tocando bateria na maior paulera e empolgação. kkkkkk

SOLILÓQUIO (4º sonho?!)
Ainda acordada, sem fazer força alguma pra pensar, me fluíram alguns pensamentos:

a) “É engraçado esse negócio de preencher os sonhos com o subconsciente” (acho que tá errado, é o inverso né? Mas na hora foi exatamente isso que pensei, e decidi não alterar na hora de escrever… kkk);
b) “Fiz o reality check das mãos e estava totalmente acordada!” (porque no meio dos flashes eu realmente fiz isso, e 5 dedos normais e perfeitos em cada mão)

A MENININHA QUE QUERIA SONHAR MAIS (5º sonho)
Não via, mas ouvia uma menininha dizendo pra sua mãe:

– Quero dormir mais horas pra ter mais sonhos!
– Não, chega. Senão isso vai interferir na sua qualidade do sono!

Nesse flash eu achei que a garotinha era eu, pois já estava beirando 8 horas de sono e queria realmente tentar prorrogar. Tudo isso eu estava completamente acordada e enquanto rolavam os flashes eu ouvia uma música na minha mente do Tears for Fears, versão do cantor Gary Jules, chamada “Mad World”.

O VÔO SÚBITO ( desta vez totalmente lúcida!)
     “Não haviam compromissos naquela manhã (dia 13) e aproveitei pra esticar mais o soninho. Era em torno de 11:30h quando voltei a dormir. Havia ido ao banheiro no intuito de acordar, mas estava muito sonolenta ainda.

        Parecia que eu precisava de exatamente mais meia hora de sono. Deitei, dormi e tudo rapidamente ficou escuro. Ouvi alguém falando uma palavra mas não lembro qual é. Porém a impressão física que tive era de um vácuo nos ouvidos. Depois ficou escuro de novo por um tempo e de repente me vi sobrevoando uma região, tipo um pequeno bairro, cheia de casas lindas e coloridas, o céu meio preto-azulado com estrelas lindas e brilhantes, árvores ao lado das casas.

        Quando comecei a sonhar isso eu já estava em pleno ar, não precisei decolar! Subitamente ao início do sonho lúcido me vi perguntando: “Estou consciente? Estou consciente?”. Estava meio confusa por já entrar no sonho voando, mas mesmo assim decidi fazer o reality check das mãos.

        Meio desajeitada por estar voando, pude percebê-las embaçadamente, e aí em seguida despertei. Fiquei mais um tempo na cama sem pensar em nada, observando meu corpo, sem mexê-lo, pra ver se dava pra continuar.

    

          De alguma maneira eu sabia que essa fora a experiência da manhã, e que tinha mesmo acabado. Olhei o relógio: 12:08h! Havia se passado pouquinho mais de meia hora para ter tido esta experiência, sem mencionar que estava muito diferente quando despertei às 11:30h. Estava muito mais leve, alegre e motivada. ” “