Tag

Técnicas de Controle

Browsing

Existe uma técnica especial para prolongar a experiência do sonho lúcido. É bastante frustrante despertarmos com a memória que ficamos conscientes no sonho, porém sem êxito em prolongar a experiência. Para evitar esse pequeno drama, vale ressaltar algumas ferramentas que ao menos para mim,  vem apresentado uma grande eficiência.

      A primeira, em ordem de importância, destaco como a Técnica das Portas ¹.  Principalmente porque ela lhe servirá não apenas para dar continuidade ao sonho que começa a querer desmoronar, mas pela serventia como instrumento de manipulação/controle indireto do ambiente. Detalhes dessa técnica podem ser encontrados “aqui”.

porta

Em segundo lugar, funcionando como um grande fio condutor, talvez a verdadeira estrutura de sustentação da continuidade e qualidade do sonho: O Propósito ² . Quando planejamos algo que temos a sincera intenção de realizar, carregando uma carga emotiva ou um forte desejo em ver acontecer, nossas chances de permanecer por mais tempo no sonho ganham mais força.

Finalmente, a qualidade do sono pode acabar comprometendo toda experiência. Não seria errado primar pela qualidade do sono acima dos fatores anteriores. É possível ficar consciente, mesmo com um sono ruim, porém nossas chances de indução vão piorando na medida em que os ciclos e as fases do sono, começam a ser comprometidas por noites mal dormidas. As melhores chances de atingir a lucidez ocorrem nas últimas fases do sono ou como são denominadas, Fases REM Tardias.

Referências

1 – Técnica das Portas

2 – Propósito  – STUMBRYS, Tadas e outros. Induction of lucid dreams: A systematic review of evidence. 2012. Conciouness and Cognition 21.

3 – Fases Rem  – NEUROCIÊNCIA da Mente e do Comportamento. LENT, Roberto(Coordenador).
Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.

    Baseado em experimentos pessoais, assim como a Técnica das Portas, eis que a sensação Tátil está se revelando com um surpreendente valor para mim. Trata-se de um dos sentidos menos explorados nos sonhos, pelo menos de acordo com os relatos, porém com resultados bem interessantes, especialmente nos meus últimos sonhos lúcidos.
A experiência Tátil pode servir para os momentos que antecedem a formação do sonho. Ao que parece, o tato pode ser sentido antes do sonho se realizar, contribuindo para manter a consciência, até a sua concretização.
   Com a chegada das Férias, a qualidade do sono pode melhorar, bem como o stress com os problemas do trabalho. No meu caso, não me furto em aproveitar a oportunidade para fazer mais testes com sonhos lúcidos, e agora, estou explorando o uso do sentido do tato.
    Experiências anteriores, com sonhos ainda não formados, já me sinalizavam que a sensação tátil pode ocorrer facilmente e de maneira natural. Reparem que estou me referindo aos momentos anteriores ao sonho, situações nas quais tudo está escuro e nada é sentido ou presenciado.
A Técnica:
    Nessas situações, com uma espécie de pequeno lampejo de consciência, vivenciado esse nada, procuro sentir o chão. Alguma solidez abaixo de mim e assim que ela é sentida, passo a engatinhar, dando continuidade a essas sensações.
      O movimento passa a acompanhar a experiência tátil. Passo a sentir a textura de alguma parede próxima, do engatinhamento, passo para um caminhar de cócoras e/ou de joelhos. Prossigo por um tempo, até sentir que será inevitável encontrar uma porta
      Busco então através do tato, encontrar uma maçaneta. No  momento que a sinto em minha mão, giro-a e desejando encontrar um cenário luminoso.

Exemplo de sonho recente:

    “Era um lugar muito escuro, não conseguia enxergar coisa alguma, mas sentia que era o sonho se iniciando. Lembrei de tatear o chão e como já havia funcionando tão bem anteriomente. Fui tateando e sentindo o chão. Prossegui e de repente fiquei sem gravidade de cabeça pra baixo. Não conseguia me manter.
Imagem do excelente personagem de quadrinhos, o Demolidor(com ótima série no Netflix), propriedade da Marvel, em que o personagem possui uma avançada cinestesia(propriedade do tato) e radar especial de percepção avançada.
    Devo ter tido um falso despertar e recomecei da mesma maneira, tateando e insistindo em continuar no sonho até ele se formar. Finalmente era uma rua e estava clara. Resolvi dar uma corrida. Tentei lembrar se havia algo planejado para fazer. Lembrei que nosso desafio, meu e da minha amada Lucia já havia sido feito(resolver um problema). E não havia desafios para cumprir, pelo menos previamente combinados.  Resolvi fazer umas flexões. Fiz algumas e também corri.  Vi uma bicicleta passar pela rua(…). Cheguei numa casa e abri porta.
     Lembrei de uma última conversa com a Lúcia, sobre como seria encontrar um ser vivo, com inteligência desenvolvida por um bilhão de anos. Dentro da casa, recordei que tinha planejado encontrar num próximo sonho lúcido, um ser que tivesse um bilhão de anos(continua…)”.

Possivelmente uma das maiores dificuldades de quem acabou de ter seus primeiros sonhos lúcidos, seja a dificuldade de prolongar a experiência.

Imagem do excelente filme Drácula – A história nunca contada

Conheci o termo “controle indireto”, com um amigo com boa experiência em sonhos lúcidos- conhecido como Tyler no antigo Orkut – o qual defendia a utilização dessa técnica. Mais do que uma técnica, trata-se de uma posicionamento ou forma de pensar e agir, durante o evento de um sonho consciente.

O controle indireto significa procurar se manter no sonho, sem forçar o controle sobre o sonho. Evitar querer controlar diretamente aparecimento de personagens, mudanças de cenário e coisas do gênero. Em vez disso, deve-se aplicar ferramentas de controle indireto. Por exemplo, caso queira encontrar alguém em especial, procurar uma porta e só então desejar que essa pessoa esteja do outro lado. Resumidamente portanto, o sonhador lúcido não deve forçar a narrativa do sonho ou mudar algo diretamente, mas se utilizar de “técnicas de controle”, como a Técnica das Portas, uso de baús, espelhos, buracos entre outros que podem ser criados pelo próprio sonhador.

Não menos importante é a necessidade de possuir um plano ou objetivo em especial para realizar no sonho. Estar com algo preparado para se divertir, um experimento que sinta ser interessante fazer nos sonhos, invariavelmente servirá de combustível para manutenção da consciência nos sonhos.

Tudo isso é claro, sem esquecer das mais consagradas Técnicas de Controle/Prolongamento, anteriormente bem debatidas e publicadas nesse site:

–   Rodopio

–   Esfregar as mãos

–   Portas

A Técnica das Portas serve para prolongar e controlar a experiência do sonho lúcido. As portas podem ser uma das mais poderosas ferramentas da consciência. Sempre serão um dos maiores símbolos de passagem de um ambiente para outro. E na estrutura mental dos sonhos lúcidos, parecem ganhar uma dinâmica toda especial, na intima relação entre desejo x inconsciente.

Abrir uma porta no Sonho Lúcido, pode trazer um processo fascinante, com referência ao estado desperto. Também irá nos levar a um novo ambiente. Ao desejarmos algo em especial, podemos realizar uma equilibrada troca com o inconsciente: oferecemos um desejo honesto, ele nos retorna uma criação em cima disso.

Chamo de Técnica das Portas, uma das ferramentas mais eficientes – ao menos para mim – de interferência no sonho. Ideal para quem deseja prolongar o sonho, fazer aparecer alguém, um objeto ou cenário. Abordei algumas vezes sua utilidade e agora me atenho em sua aplicação detalhada.

Cabe destacar, a existência de uma grande diferença entre “controlar um sonho” e ficar consciente nele. Isso é constantemente debatido em nosso Fórum e Grupo sobre Sonhos Lúcidos. Aqui no site, alguns textos tratam disso, especificamente sobre essas diferenças. A conclusão mais comum – incluindo a de Stephen LaBerge é de que o esforço de tentativa de “controle do sonho” é inversamente proporcional a sua duração. Em poucas palavras: tente forçar o controle do seu sonho e você acordará mais rápido.

No livro Sonhos Lúcidos, de Stephen LaBerge, verificamos alertas do autor sobre evitar querer controlar os sonhos, quando ficamos conscientes.

Fica claro que não se deve ter como objetivo controlar o sonho. Trata-se de um erro mais comum para aquele que ainda não compreende que sonho lúcido é apenas estar consciente no sonho. Somos intrusos, munidos de nossa consciência, no estado mental dos sonhos. E é preciso que se respeite de maneira adequada essa estrutura. O Reino do Inconsciente.

Em situações nas quais eu desejo realizar algum experimento, brincadeira ou desafio, normalmente eu uso alguma porta ou estico meu braço para trás de outros objetos, desejando MUITO encontrar o que quero. Nunca deixou de funcionar.

No caso das portas, elas parecem funcionar como algo totalmente relacionado com o inconsciente. Eu não desejo coisa alguma em pormenores. Apenas alguém ou alguma coisa. Uma idéia de algo, mas destituída de detalhes.



Caso nos seus sonhos, sejam frequentes a presença de casas, aproveite a oportunidade para se utilizar de suas portas. Na imagem, uma antiga casa em que morei na minha infância.

 

Saber Desejar é a Chave

Num sonho lúcido recente, eu brinquei – participando de um Desafio Lúcido, com outros sonhadores lúcidos – de procurar uma Lâmpada Mágica, estilo Alladin.

No sonho, ao avistar uma cantina, percebi alguns objetos por ali e lancei minha mão sobre os artefatos, tateando, sem olhar diretamente e DESEJEI intensamente que a lâmpada do gênio fosse encontrada.

Gosto de lembrar sempre que os nossos sonhos são produtos do inconsciente. Temos que mentalizar, rebolar ou dançar nessa margem. Esqueça querer controlar algo diretamente. DESEJE algo mais ou menos desse jeito que tenho feito e deixe o Inconsciente ou a narrativa automática do sonho desenrolar o nó para você. É como se o inconsciente precisasse de espaço para aflorar toda sua força criativa. Devemos então, trabalhar nesse limiar entre o desejo consciente e criação inconsciente.

      Usando a Técnica das Portas

“(…)Nesse momento me esforcei para lembrar o que havia planejado no Estado Desperto. Lembrei que eu tinha pensando em saber a resposta do meu inconsciente sobre “qual seria a Mulher Ideal para mim”.  Adentrei mais para o fundo da casa e abri uma porta mas nada encontrei… era um recinto vazio… e pensei… bom, vou fazer de um jeito um pouco mais desejável… de maneira mais visceral eu desejei muito encontrar minha mulher ideal.

Abri a mesma porta agora lá de dentro daquele recinto onde seu estava, estiquei minha mão para que a minha mulher ideal a tomasse e… desejando intensamente que essa fosse minha mulher ideal…  eis que surgiu uma mulher loira, de cabelo curto, pele clarinha e sedosa a qual acariciei com minha mão. E com vibrantes olhos escuros ela me fitava!…”

Parece existir uma forte relação, muito íntima entre portas e o inconsciente. Quando pensamos em portas no estado desperto, visualizamos uma passagem, para algo que está encoberto. Ao abrí-la, podemos acessar todo seu conteúdo. É uma analogia cabal com o inconsciente que permanece normalmente inacessível quando estamos acordados. Mas que nos sonhos, domina toda nossa estrutura mental. A presença da porta, nos permite bater um carimbo, sobre o que visceralmente estamos desejando. Nada que vá violentar o que o inconsciente está naturalmente nos trazendo.

Referência Bibliográfica:

LABERGE, Stephen. Sonhos Lúcidos. 1985
Ed. Siciliano Livros, Jornais e Revistas Ltda. 1990(esgotada)

     A mente possui receptividade para certas técnicas. O experimento com o método de incubação  ou a Técnica da Incubação é um ótimo exemplo. Assim sendo, essa versão,  criada por Stephen LaBerge, conhecido como Técnica da Incubação merece ser alvo de muito mais que um experimento. O caso prático,  dessa vez seria para descobrir quem seria “a mulher ideal para mim”.

 
Salvador Dali em “Muchacha en la ventana” – 1925
O Sonho Lúcido com o Experimento com o método de incubação:

Técnica das Portas

   Venho me questionando bastante ultimamente sobre a razão da bela eficiência do que gosto de chamar de Técnica das Portas. Para quem ainda não travou conhecimento se trata de uma ferramenta para manipular o sonho, interferindo de maneira indireta, sem violentar a estrutura do sonho. Esse mecanismo surgiu para mim naturalmente e me parece muito intuitiva a ideia.

     Basicamente, ela deve ser usada assim: escolha algo ou alguém que deseja encontrar no seu sonho. Assim que ficar lúcido, procure por uma porta e ao abri-la, basta desejar encontrar o que procura. Como já apresentei várias vezes por aqui, podemos usar isso para prolongar o sonho, encontrar algo ou alguém e tornar o cenário mais vívido. A eficiência, ao menos para mim, sempre foi brutal.

Assim que encontrar sua porta, lembre-se de desejar intensamente encontrar o que procura. Pode ser alguém, um objeto, um cenário mais vívido e assim prolongar mais o seu sonho.

Aplicação da Técnica da Incubação

Para alcançar a lucidez ou consciência no sonho, utilizei a Técnica da Incubação. Assim, escrevi no papel:

“Quero encontrar a Mulher ideal para mim.” Dessa vez não fiz desenho ou esboço, para não influenciar qualquer resultado.

A frase seguinte, mais para baixo do papel foi: “Quando sonhar que Quero encontrar a Mulher ideal para mim, vou ficar lúcido”.

Dormi 6h seguidas. Despertei, tomei uma água fui ao banheiro e depois recordei da frase acima completa. Voltei para cama e continuei o soninho bão.

O Diário de Sonhos é crucial para tornar forte nossa capacidade de recordação. Sem ele, pode ocorrer de ficarmos conscientes, mas não lembrarmos do que aconteceu no sonho.

O Sonho Lúcido com o Experimento com o método de incubação:

     Era uma grande reunião que o Marcelo queria fazer ali no banco,  entretanto ninguém se mexia para participar. Assim sendo, atravessei uma porta e caminhei até que passei por uma mesa que tinha sim um pessoal esperando por ele e reparei que até que não seriam tão poucos. Logo depois, fui para o fundo do lugar. Ao passo que já lá dentro e atravessei diversos recintos até chegar numa outra pequena reunião, igualmente com pessoas, porém de cargos de gerentes de área e afins. Imediatamente tentei passar por eles sem ser notado e buscava pelo banheiro. . .

   Posteriormente eu entrei na saleta e estava vazio. De antemão, reparei na mobília típica do banco, mas não havia um banheiro sequer. De repente,alguém surgiu e insinuou algum tipo de ameaça…  contudo resolvi sair dali, curioso para ver se fariam alguma coisa e seria legal se mandassem alguém estilo vigilância ou policiamento. Nesse meio tempo fui mais para longe, chegaram a olhar pra mim eu peguei uma vara de madeira e com a outra mão passei a palma num arbusto fino… simultaneamente com uma gostosa sensação de tato nas mãos…

 
…ao passo que naquela altura eu sabia que estava sonhando(uhuuuu!)…   assim como desejei que viesse alguém da guarda pra me divertir numa luta, mas não foi o caso.
 
   Além disso, resolvi caminhar por sobre aquela grama-arbusto, buscando recordar o que eu queria fazer no sonho… por fim lembrei do experimento de encontrara a mulher ideal..  dessa forma fui até em direção de uma casa muito parecida com a casa dos meus pais… nesse ínterim abri uma porta e ao entrar, pensei que na próxima porta que eu abrisse, faria meu experimento e encontraria a “minha mulher ideal”.
 
 
 
   Adentrei mais para o fundo da casa e abri uma porta mas nada encontrei… era um recinto vazio… e pensei… bom, vou fazer de um jeito um pouco mais desejável… de maneira mais visceral eu desejei muito encontrar minha mulher ideal.
 
   Abri a mesma porta agora lá de dentro daquele recinto onde seu estava, estiquei minha mão para que a minha mulher ideal a tomasse e… desejando intensamente que essa fosse minha mulher ideal…  eis que surgiu uma mulher loira, de cabelo curto, pele clarinha e sedosa a qual acariciei com minha mão. E com vibrantes olhos escuros ela me fitava!… nesse momento acordei 😀
 
 

    Ficar consciente nos sonhos pode ser uma experiência bem embriagante. É como presenciar pela primeira vez todo um mundo que até então não era percebido. No sonho comum, somos arrastados pela narrativa natural do sonho e só vamos tomar conhecimento do que aconteceu ao despertarmos…

A euforia é bem comum nas primeiras vezes que se consegue ficar consciente  no sonho.

     Uma dica bem difundida entre os sonhadores lúcidos é procurar sempre ter algum plano ou experimento a ser realizado quando finalmente o sonho lúcido chegar. O foco pode ser muito difícil de se manter, portanto o exercício de tentar recordar o que havia planejado, no estado desperto, pode ser um empurrão providencial para lograr êxito na manutenção desse fabuloso estado mental.

     Digo estado mental fabuloso porque se trata de todo um universo dentro de nossa mente. Cada informação de toda aquela estrutura, cada personagem, objeto e cenário, sempre será criação nossa. Com a brutal diferença do estado desperto em que a lógica e o mecanicismo da vigília serão esmagados pelo império da criatividade e imaginação. Nosso subconsciente faz um verdadeiro jorro de criação e nada melhor para se adaptar nesse novo ambiente, do que explorar tudo isso, sem ir contra o fluxo a que se movimenta.

É fundamental planejar algo em especial para fazer no sonho lúcido: voar, encontrar alguém, visitar um cenário… isso ajudará a manter um foco, sem se perder ou ser arrastado novamente na narrativa do sonho.

     Meus melhores sonhos lúcidos, aos quais gosto de chamar de “Supersonhos Lúcidos” sempre ocorreram, principalmente em cima de uma estrutura de recordações de planos de experimentos que eu havia feito no estado desperto. 

     Recordar o que havia planejado, somado ao uso da Técnica das Portas, continua sendo um caminho extremamente fértil para o prolongamento das minhas experiências.